Pular para o conteúdo principal

Beatlegrafia - Revolver (1966)





“Desligue sua mente, relaxe e flutue correnteza abaixo...” canta John Lennon de forma etérea na abertura lírica da última faixa, Tomorrow Never Knows. O conselho não poderia ser mais apropriado depois da enxurrada sonora que o disco proporciona. E, convidativa também! Dá vontade de ouvir tudo de novo. E, de novo. E, de novo...
Revolver começa com a contagem despretensiosa de Taxman, na qual George Harrison dá uma espetada psicodélica nos altos impostos da terra da rainha. Eleanor Rigby, talvez seja a faceta mais estranha que a pop music já tenha usado para falar de solidão até então. Até hoje ainda o é! As cordas, a melodia triste...
John Lennon dá as cartas no desbunde à preguiça em I’m Only Sleeping, chamando de loucos os que o chamam de preguiçoso no mundo corrido da Swingin’ London do meio dos anos sessenta... Enquanto isso George nos fala sobre a finitude das coisas e da urgência de amar e de ser amado, no embalo de um bailão indiano chamado Love You To.
Here There and Everywhere, com seu arranjo sublime e vocal de apoio à lá Motown, prega o amor em qualquer lugar. Paul McCartney, romântico em uma balada deslumbrante para dar aquele xaveco certeiro na moça incauta dos seus sonhos... A lúdica Yellow Submarine nos leva pra debaixo das ondas do mar verdejante e do céu azul onde todos têm tudo de que precisam vivendo dentro do tal submarino amarelo e ouvindo uma banda que começa a tocar. Loucura pouca é bobagem... Mas, funciona!
John tenta convencer uma garota paranoica e depressiva de que tudo ficará bem igual a como era quando ele era garoto, em She Said She Said... Então o clima sofre uma virada e Paul dá bom dia aos raios de sol, com um fraseado de piano matador na otimista Good Day Sunshine.
Sabe aquela frase “você está tão feliz, parece até que viu um passarinho verde”? Essa é a sacada de And Your Bird Can Sing. Todo mundo tão feliz, todo mundo tão contente que dá vontade de rachar o bico de rir… E eles riram muito! Sugiro uma conferida no outtake na versão do Anthology... Qual seria o combustível de tanta felicidade?
‘For No One’ traz McCartney travestido como um pequeno Schubert na tristeza da descoberta de que o grande amor da sua vida não te quer mais... Pra todos os males, há toda cura. Então, eis que surge ‘Dr. Robert’! O gente fina das horas desesperadas. Aquele que trazia o combustível para a alegria sem fim de And Your Bird Can Sing.
Segue-se com a timidez de George, que é traduzida em versos em I Want To Tell You e a sua dificuldade de conversar com a garota é pintada em cores nas conversas que ele tem consigo mesmo, sobre ela!
Got To Get You Into My Life que, a princípio, parece ser uma das músicas mais românticas dos Fab Four mas, que na verdade, a garota seria uma tal de Maria Joana... Ah, Dr. Robert... Quem imaginaria que os Beatles colocariam uma ode à maconha em um dos seus discos, conforme Paul revelaria anos mais tarde em sua biografia Many Years From Now, de Barry Miles?
Por fim, do alto das montanhas do Himalaia surge o convite de John Lennon, retirado do Livro Tibetano dos Mortos, na caleidoscópica Tomorow Never Knows, para fechar essa obra-prima com chave de ouro (e ácido). Desligue sua mente, relaxe e flutue correnteza abaixo... Revolver continua batendo um bolão depois de 53 anos!

Por Alysson de Almeida


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

Crônica 2 - "Toca Raunchy, George"

Liverpool, 06 de fevereiro de 1958.

Querido diário,

Hoje fui com as meninas da escola assistir ao meu primeiro show de Rock and Roll... The Quarrymen no Wilson Hall em Garston.
Os discos do Elvis que irritavam meus pais já não eram mais suficientes para saciar o meu vício. Ainda mais sabendo que Liverpool tinha bandas de rock que tocavam regularmente há mais de um ano. Eu tinha que ver de perto! Mas, eu, Peggy Smith, com apenas 15 aninhos não era 'adulta' o suficiente para poder estar rodeada de cabeludos, ouvindo aquela música do diabo... Ainda posso ouvir minha mãe dizendo essas palavras! Então, falei para os meus pais que iria dormir na casa de uma amiga, Martha Quinn, para estudarmos para a prova de aritmética do dia seguinte. Martha, era filha de mãe solteira, pois o pai havia morrido na guerra. A mãe dela, Gladys, era enfermeira no turno da noite no Hospital Wolton, na Rice Lane.  Oportunidade perfeita para irmos ao show. Pegamos o ônibus até Lowbridge Court e de lá fomos a pé…