Pular para o conteúdo principal

A mágica e misteriosa viagem de ser um beatlemaníaco



Bom, inicialmente, é importante destacar que falar de ‘Beatles’ não é como falar de qualquer outra banda, simplesmente passando a impressão da sonoridade, se gosto ou não gosto, se tal componente é virtuoso ou não, etc. Acredito que pra quem é fã, trata-se de um assunto que é sempre tratado com mais esmero, e inclusive evitado quando não se está conversando com outro (ou outros) fã da banda, tendo em vista as especificidades das impressões que se tem.

A impressão que tenho é que os fãs de ‘Beatles’ são sempre tratados como “alternativos” demais aos demais aficionados do Rock And Roll; afinal, como gostar de rock e ao mesmo tempo de uma banda que não possui o tempo todo riffs pesados e músicas pra bater cabeça? (Aqui é importante ressaltar que eu mesmo faço essa análise com outras bandas!)
Já pensei muito sobre isso e cheguei a uma conclusão um tanto quanto confusa, eu admito. E tal conclusão é a de que para se entender realmente a obra dos Fab Four, e mais do que isso, acabar seduzido pelas várias fases e nuances da banda ao longo de sua história, é necessário um pouco de vivência musical, em especial com relação ao Rock And Roll, e entendimento do contexto histórico em que cada obra deles se desenvolveu.


E é a coisa mais engraçada: com um pouco de conhecimento sobre bandas posteriores e a evolução do Rock And Roll ao longo do tempo, você vai achando um pedacinho de ‘Beatles’ em cada banda que escuta, do Classic Rock ao Punk; do Hard Rock ao Heavy 
Metal (talvez por isso nós fãs de ‘Beatles’ sejamos por tantas vezes tidos como arrogantes!)
Em verdade, acredito que toda banda longeva sofre evoluções em sua obra; ocorre que, com os Beatles, a evolução se espalha por diversas vertentes, e talvez isso seja o mais interessante da obra deles. E o mais legal: se percebe em cada álbum a evolução técnica e intelectual dos integrantes, nas mais diversas músicas, passando por cada fase, desde os pubs alemães até o retiro do Maharishi.

Por isso, acredito que ouvir ‘Beatles’ seja uma experiência diferente de qualquer outra dentro da música. Vale dizer: acredito que uma pessoa que não seja realmente fã da banda e que estabeleça como meta do seu dia “hoje vou ouvir Rock And Roll” não necessariamente se contente com a experiência de ouvir, por exemplo, o Revolver. Mas se essa mesma pessoa estabelecer como meta momentânea “Hoje vou ouvir Beatles”, entrará numa viagem intrigante sobre traços diferentes do Rock And Roll – o que se torna ainda mais intrigante ao pensar-se no momento histórico em que ela foi produzida, viagem esta que ADORARÁ ou ODIARÁ, sem meio termo.
Sendo assim, uma dica para os que têm interesse em se aprofundar na obra da banda: assista oAnthology, antes mesmo de começar a ouvir álbum por álbum. Conhecer tudo que envolveu a banda, desde sua formação até seu término, certamente despertará o interesse em descobrir como as músicas refletem e muitas vezes explicam o contexto histórico vivenciado por eles. A partir daí, é um caminho sem volta!



Bruno Reis é advogado, formado na PUC/MG, e músico, vocalista da banda OFFENCE.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

My Beatles Experience – Revolver (1966)

Começando com os ‘dois pés na porta’ nossa nova coluna no Beatlelogias, coletamos depoimentos de beatlemaníacos próximos sobre suas experiências e relação com o icônico Revolver, que hoje, dia 08 de agosto, completa 53 anos de seu lançamento nos EUA, de longe o maior mercado consumidor da banda no mundo. Vamos aos depoimentos!

“Difícil falar de um álbum que volta e meia eu o tenho como favorito, e é engraçado que não foi de primeira que gostei dele. Claro, eu era jovem demais pra compreender tantas ideias diferentes,tantas harmonias envolventes e tantas melodias incrivelmente ricas. O fato é que depois que "entendi" a canção "Eleanor Rigby", depois que assimilei a ideia de um som tão rico e diferente, aí sim fui capaz de usufruir e me deliciar com o suprassumo do "FabFour". O "Revolver" consegue ser tão genuíno e ao mesmo tempo tão emblemático que eu ainda teimo em não colocá-lo em primeiro lugar no meu ranking pessoal dos álbuns dos 4 rapazes de…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

Crônica 2 - "Toca Raunchy, George"

Liverpool, 06 de fevereiro de 1958.

Querido diário,

Hoje fui com as meninas da escola assistir ao meu primeiro show de Rock and Roll... The Quarrymen no Wilson Hall em Garston.
Os discos do Elvis que irritavam meus pais já não eram mais suficientes para saciar o meu vício. Ainda mais sabendo que Liverpool tinha bandas de rock que tocavam regularmente há mais de um ano. Eu tinha que ver de perto! Mas, eu, Peggy Smith, com apenas 15 aninhos não era 'adulta' o suficiente para poder estar rodeada de cabeludos, ouvindo aquela música do diabo... Ainda posso ouvir minha mãe dizendo essas palavras! Então, falei para os meus pais que iria dormir na casa de uma amiga, Martha Quinn, para estudarmos para a prova de aritmética do dia seguinte. Martha, era filha de mãe solteira, pois o pai havia morrido na guerra. A mãe dela, Gladys, era enfermeira no turno da noite no Hospital Wolton, na Rice Lane.  Oportunidade perfeita para irmos ao show. Pegamos o ônibus até Lowbridge Court e de lá fomos a pé…