Pular para o conteúdo principal

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?



Por Alysson de Almeida.

Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC.
No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.

A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.

Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gravações musicais.  O ator americano Paul Frees fez as vozes de John e George, enquanto Lance Percival fez as vozes de Paul e Ringo.

Na verdade, a banda desprezou a série (é relatado, no entanto, que os membros da banda gostaram dos desenhos animados nos anos posteriores), o que os desencorajou a participar do filme de animação posterior, Yellow Submarine.

Somente quando a banda viu e ficou impressionada com as filmagens concluídas do Yellow Submarine é que eles perceberam que o filme era uma criação mais ambiciosa. Como resultado, eles concordaram em aparecer em um curto epílogo de ação ao vivo. 
Curiosamente, o produtor do Yellow Submarine Al Brodax e o diretor George Dunning estavam envolvidos na produção da série animada.

 Cada um dos personagens era uma caracterização solta, áspera e exagerada deles, com John e Paul vestindo um terno e gravata azuis sem colarinho, enquanto George e Ringo usavam camisas azul marinho e blazer e jaquetas azuis e azuis claras, todos vestindo calças de pernas finas combinadas e as famosas Beatle Boots.

 A personalidade de cada Beatles também foi caracterizada de forma hiperbólica: John é descrito como sendo o líder. Ele costuma ter humor sarcástico, seco e atrevido. Ele é preguiçoso e descontraído. No entanto, ele realmente se importa com os membros da banda e fará qualquer coisa por eles; Paul é mostrado como segundo em comando e o beatle mais equilibrado e estiloso. Apesar disso, ele sempre ajudará alguém quando necessário. Paul, juntamente com Ringo, são os únicos Beatles que parecem mais próximos de seus homenageados de carne e osso; George tem uma figura mais angular, de membros mais relaxados, que sempre se opões a algo, com ombros encurvados, mãos no bolso, pernas cruzadas; e Ringo é o beatle mais simpático, ingênuo, abobalhado e azarado. Ele também é mais calmo, gentil, menos agressivo, inocente e mais amável e que proporciona a maioria das cenas de comédia nos episódios.

No ar, de 1965 a 1967, em sua versão original, e até 1969 em reprises, o programa supostamente marcou a primeira vez que uma série de animação retratou pessoas reais e vivas. A série inteira foi retransmitida em 1980 pela ABC e novamente em 1987 pela MTV, e mais tarde pelo Disney Channel. A Apple Corps Ltd. comprou os direitos do programa nos anos 90, e a McFarlane Toys lançou uma linha de figuras dos Beatles com base na série animada.

O site sobre a série - beatlescartoon.com - afirma que, apesar da demanda popular, a Apple não tem planos imediatos para lançar o programa em home vídeo. Entretanto, o blog HansFan2001 especula que pode haver um reboot da série pelo canal Cartoon Network, mas não há nada confirmado.

"Eu sempre gostei dos desenhos animados", disse George Harrison em 1999. "Eles eram tão ruins ou bobos que eram bons, se é que você me entende. E acho que a passagem do tempo pode torná-los mais divertidos agora”.

"Ainda me divirto vendo os desenhos dos Beatles na TV", disse John Lennon em 1972.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

My Beatles Experience – Revolver (1966)

Começando com os ‘dois pés na porta’ nossa nova coluna no Beatlelogias, coletamos depoimentos de beatlemaníacos próximos sobre suas experiências e relação com o icônico Revolver, que hoje, dia 08 de agosto, completa 53 anos de seu lançamento nos EUA, de longe o maior mercado consumidor da banda no mundo. Vamos aos depoimentos!

“Difícil falar de um álbum que volta e meia eu o tenho como favorito, e é engraçado que não foi de primeira que gostei dele. Claro, eu era jovem demais pra compreender tantas ideias diferentes,tantas harmonias envolventes e tantas melodias incrivelmente ricas. O fato é que depois que "entendi" a canção "Eleanor Rigby", depois que assimilei a ideia de um som tão rico e diferente, aí sim fui capaz de usufruir e me deliciar com o suprassumo do "FabFour". O "Revolver" consegue ser tão genuíno e ao mesmo tempo tão emblemático que eu ainda teimo em não colocá-lo em primeiro lugar no meu ranking pessoal dos álbuns dos 4 rapazes de…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

Crônica 2 - "Toca Raunchy, George"

Liverpool, 06 de fevereiro de 1958.

Querido diário,

Hoje fui com as meninas da escola assistir ao meu primeiro show de Rock and Roll... The Quarrymen no Wilson Hall em Garston.
Os discos do Elvis que irritavam meus pais já não eram mais suficientes para saciar o meu vício. Ainda mais sabendo que Liverpool tinha bandas de rock que tocavam regularmente há mais de um ano. Eu tinha que ver de perto! Mas, eu, Peggy Smith, com apenas 15 aninhos não era 'adulta' o suficiente para poder estar rodeada de cabeludos, ouvindo aquela música do diabo... Ainda posso ouvir minha mãe dizendo essas palavras! Então, falei para os meus pais que iria dormir na casa de uma amiga, Martha Quinn, para estudarmos para a prova de aritmética do dia seguinte. Martha, era filha de mãe solteira, pois o pai havia morrido na guerra. A mãe dela, Gladys, era enfermeira no turno da noite no Hospital Wolton, na Rice Lane.  Oportunidade perfeita para irmos ao show. Pegamos o ônibus até Lowbridge Court e de lá fomos a pé…