Pular para o conteúdo principal

Helter Skelter (curiosidades)




Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!



1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confusão está caindo rapidamente. Se você não vê a confusão diminuindo rapidamente, pode chamá-la como quiser. Não é minha conspiração. Não é a minha música. Eu ouço o que se relaciona. Ele diz: 'Levante-se!' Diz 'Matar!' Por que me culpar? Eu não escrevi a música. Eu não sou a pessoa que projetou em sua consciência social." - Charles Manson (1970)







2 – Helter Skelter é o nome de um tobogã em espiral que se pode encontrar em parques britânicos. Precursor dos tobogãs modernos. A expressão também pode se traduzir como “desordem”, “confusão” ou “fuga em debandada”.






3 – Originalmente lançada como faixa integrante do album "The Beatles" (White Album) em 22 de novembro de 1968, 'Helter Skelter' foi relançada em 31 de Maio de 1976 pela Capitol Records como Lado B nos EUA e Canadá em um compacto que continha “Got to Get You Into My Life” como Lado A.









4 – “Estou com bolhas nos meus dedos” (I’ve got blisters on my fingers) foi o que Ringo gritou ao final de Helter Skelter














5 – “I Can See for Miles”, do The Who, foi a música que instigou Paul a escrever ‘Helter Skelter’ – “eu li a resenha de um disco que dizia que o grupo realmente enlouquece com ‘ecos e gritos e tudo mais’, e pensei: É uma pena. Eu gostaria de ter feito algo assim. Aí eu a ouvi e não era nada daquilo. Era limpa e sofisticada. Não era grosseira, barulhenta e com ecos, de forma alguma. Então, eu tinha essa música chamada ‘Helter Skelter’, que era uma música bastante bizarra. Assim nós a fizemos. Eu gosto de barulho (Paul McCartney).


6- Helter Skelter e o Império Romano: “Quando eu chego ao fundo, eu volto ao topo do escorregador, então eu paro e me viro e dou uma volta, até que eu chegue ao fundo e lhe veja de novo...” – Segundo Paul, inicialmente a letra de ‘Helter Skelter’ seria sobre a ascensão e queda do Império Romano, explorando metaforicamente a imagem do tobogã como retrata o primeiro verso da música: "Eu estava usando o símbolo de um helter skelter (tobogã) como um percurso de cima para baixo - a ascensão e queda do Império Romano - e essa era a queda, o fim, o declínio. Você poderia pensar nisso como um título bastante perspicaz, mas desde então, assumiu todos os tipos de conotações ameaçadoras, porque Manson o pegou como um hino e, desde então, várias bandas punk o fizeram porque é um Rock atrevido."
Mas, no final, como diz Paul, acabou sendo “apenas uma canção ridícula e divertida, que nós gravamos por gostar do barulho”.





por Leko Soares

Comentários

  1. Eu curto demais essa canção e não sabia que se tratava de um tobogã (brinquedo que aliás sempre quis andar, mas não surgiu uma oportunidade).
    Preciso ver o filme sobre o Charles Manson.
    Eu tenho o "White Album" sabem por que? Por causa de "Obla-Di-Obla-Da"!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala brother, obrigado por comentar! Que bom que trouxemos infos novas pra você.
      Sobre o motivo da aquisição do "White Album", de fato, é inusitado. Mas é uma das faixas que trazem um alívio à atmosfera carregada do álbum, eu diria. Embora, as sessões de gravação dela tenham sido um dos motivos do aumento das tensões durante o White Album. Volte sempre!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

My Beatles Experience – Revolver (1966)

Começando com os ‘dois pés na porta’ nossa nova coluna no Beatlelogias, coletamos depoimentos de beatlemaníacos próximos sobre suas experiências e relação com o icônico Revolver, que hoje, dia 08 de agosto, completa 53 anos de seu lançamento nos EUA, de longe o maior mercado consumidor da banda no mundo. Vamos aos depoimentos!

“Difícil falar de um álbum que volta e meia eu o tenho como favorito, e é engraçado que não foi de primeira que gostei dele. Claro, eu era jovem demais pra compreender tantas ideias diferentes,tantas harmonias envolventes e tantas melodias incrivelmente ricas. O fato é que depois que "entendi" a canção "Eleanor Rigby", depois que assimilei a ideia de um som tão rico e diferente, aí sim fui capaz de usufruir e me deliciar com o suprassumo do "FabFour". O "Revolver" consegue ser tão genuíno e ao mesmo tempo tão emblemático que eu ainda teimo em não colocá-lo em primeiro lugar no meu ranking pessoal dos álbuns dos 4 rapazes de…

Crônica 2 - "Toca Raunchy, George"

Liverpool, 06 de fevereiro de 1958.

Querido diário,

Hoje fui com as meninas da escola assistir ao meu primeiro show de Rock and Roll... The Quarrymen no Wilson Hall em Garston.
Os discos do Elvis que irritavam meus pais já não eram mais suficientes para saciar o meu vício. Ainda mais sabendo que Liverpool tinha bandas de rock que tocavam regularmente há mais de um ano. Eu tinha que ver de perto! Mas, eu, Peggy Smith, com apenas 15 aninhos não era 'adulta' o suficiente para poder estar rodeada de cabeludos, ouvindo aquela música do diabo... Ainda posso ouvir minha mãe dizendo essas palavras! Então, falei para os meus pais que iria dormir na casa de uma amiga, Martha Quinn, para estudarmos para a prova de aritmética do dia seguinte. Martha, era filha de mãe solteira, pois o pai havia morrido na guerra. A mãe dela, Gladys, era enfermeira no turno da noite no Hospital Wolton, na Rice Lane.  Oportunidade perfeita para irmos ao show. Pegamos o ônibus até Lowbridge Court e de lá fomos a pé…