Pular para o conteúdo principal

Yellow Submarine - A onda lisérgica e a valorização da infância nos anos 1960




Completa-se hoje 53 anos do lançamento de "Yellow Submarine" que saiu como lado B do compacto com "Eleanor Rigby". Para celebrar a data e inaugurarmos a sessão "Beatlelogismo" do nosso blog, vamos abordar um pouco da atmosfera psicodélica da época, o crescimento do mercado cultural infanto-juvenil e tudo que cercou a criação e gravação dessa faixa icônica do álbum "Revolver".

Em meio à onda lisérgica dos anos 1960, o lançamento de uma música infantil não soava deslocada do repertório de vanguarda da época. Para os que usavam ácido, a infância não era mais um período da vida do qual se saía ao crescer, mas um estado de espírito ao qual se aspirava.
Um resultado disso foi uma nova apreciação da literatura infantil à época: Títulos de literatura fantástica como “O Hobbit” de J.R.R. Tolkien, “As Crônicas de Nárnia: o leão, a feiticeira e o guarda-roupa” de C.S. Lewis, contos de fada, rimas infantis e poesias românticas como “Canções da inocência e da experiência”, de William Blake. Além disso, é nesse período que animações como “Fantasia” da Disney e séries de desenhos animados que se tornariam clássicos, como “Turma do Manda-Chuva”, “Os Jetsons”, “Space Ghost”, “Os Flinstones” dentre outros, surgiam como atrativos para o público infanto-juvenil.

John Lennon defende a composição de Yellow Submarine como uma grande ruptura em relação ao que esperavam dos Beatles naquele momento: “essa música fez com que fôssemos vistos não somente como um grupo beat, mas como um grupo que faz música e está à procura de novos sons”.

Segundo o escritor Steve Turner, a ideia de escrever uma canção infantil
partiu de Paul McCartney. Seu desenvolvimento levaria à história de um menino que ouve os contos de um velho marinheiro sobre suas aventuras na "terra dos submarinos" e decide navegar para tirar a prova. Após quebrarem o ciclo das canções de amor com o lançamento dos singles "Paperback Writer" e "Rain", era a vez de ousar novamente e criar uma canção infantil. O uso de palavras curtas na letra da música e a melodia simples tinham a clara intenção de atingir o público infantil e fazer com que crianças pudessem aprendê-la com rapidez e cantá-la. Essa simplicidade, é claro, contribuiu para que Yellow Submarine fosse eleita como a música de Ringo no Revolver.

Enquanto a escrevia, Paul visitou o cantor Donovan em seu apartamento em Maida Vale. "Costumávamos aparecer sem avisar na casa um do outro", lembra Donovan. Meu álbum "Sunshine Superman" estava para sair e nós tocamos as nossas canções mais recentes. Uma das que Paul tocou era sobre um submarino amarelo, mas ele disse que ainda faltava um verso ou dois e perguntou se eu gostaria de contribuir. Eu saí da sala e voltei com 'Sky of blue and sea of green - In our yellow Submarine'. Não era uma criação sensacional, mas Paul gostou o suficiente para usar na gravação".

Sobre o processo de gravação, conta Geoff Emerick, o engenheiro de som dos Beatles em Revolver, que desde a primeira sessão, dirigida por ele, já que George Martin estava afastado por uma forte gripe, a atmosfera de Yellow Submarine foi cercada por uma alegria quase juvenil dos garotos. Essa alegria se seguiria até a sessão onde os corais para a música foram gravados. Sobre essa sessão, em particular, Geoff relembra que “um grupo barulhento começou a chegar, incluindo Mick Jagger e Brian Jones, a namorada de Jagger, Marianne Faithfull e a esposa de George Harrison, Patti. Phil e eu colocamos alguns microfones de ambiente pelo estúdios, e eu decidi também dar a cada um deles um microfone de mão com um cabo bem longo, para que pudessem se movimentar livremente.”

Todo aquele cenário influenciado pela maconha era potencializado pela coleção inteira de instrumentos de percussão da EMI e caixas de efeitos sonoros espalhadas pelo estúdio, com pessoas pegando sinos, apitos e gongos. Para simular o som de submarino submergindo, John pegou um canudo e começou a soprar bolhas em um copo. Lennon, inspirado, quis levar as coisas a outro nível e sugeriu que o gravassem cantando embaixo d’água. Após algumas tentativas de gravar com um microfone submerso em uma garrafa, acabaram abandonando o resultado.

Para preencher o espaço de dois compassos no meio da canção, a inventividade do período de Revolver falou alto: Utilizaram gravações de Sousafones dos arquivos da EMI e para burlarem a lei britânica de direitos autorais, picaram a fita em vários pedaços, jogaram para o alto e emendaram aleatoriamente. Segundo Emerick, “o resultado deveria ter sido aleatório, mas, de alguma forma, quando eu colei os pedaços, o trecho ficou praticamente da mesma forma que ele era originalmente” o que em si, era um problema. George Martin acabou instruindo que se simplesmente se trocasse dois pedaços e o resultado foi o que se ouve na versão final da música.


A canção foi lançada como lado B de Eleanor Rigby em 05 de agosto de 1966, mesmo mês em que Revolver chegou às lojas, e rapidamente se espalhou o rumor de que o submarino amarelo seria uma referência velada a drogas. Em Nova York, comprimidos de Nembutal passaram a ser chamados nas ruas de “submarinos amarelos”. Paul negou as alegações e disse que o único submarino comestível que conhecia era um tipo de doce que experimentara na Grécia, quando estava de férias. Era preciso embebê-lo em água e por isso chamavam-no de “submarino”. “Eu sabia que as pessoas iam encontrar conotações em ‘Yellow Submarine’”, diz ele, “mas era só uma canção infantil, de verdade”.

Por Leko Soares

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The One and Only Billy Shears... Ringo Starr - 80 anos

Por Alysson de Almeida
DA INFÂNCIA AO BEATLES
Enquanto a Luftwaffe infligia um dos seus mais violentos bombardeios contra a cidade portuária inglesa de Liverpool, no dia sete de julho de 1940, era simultaneamente trazido à luz o filho único do casal de confeiteiros Richard Starkey e Elsie Gleave. O pequeno Ritchie, que também recebera o nome do pai, veio ao mundo no número 9 da Madryn Street, em Dingle, subúrbio de Liverpool.

Elsie gostava de cantar e dançar, um hobby que compartilhava com o marido, um ávido fã de swing. O casal era habitué no circuito de bailes de dança de salão local. Mas, depois do nascimento do pequeno Ritchie, acabaram tendo que ficar mais caseiros. Elsie adotou uma conduta superprotetora para criar o filho que beirava a paranoia. Posteriormente, "Big Ritchie", como o pai de Ritchie ficou conhecido, perdeu o interesse em sua família, optando por passar horas bebendo e dançando em bares, às vezes por vários dias consecutivos.
Com planos para reduzir os custo…

VOCÊ SABIA? – 15 curiosidades sobre Ringo Starr

Por Alysson de Almeida
Prestes a completar 80 anos na próxima terça-feira, 07 de julho, o eterno boa praça e bem-humorado baterista dos Beatles convoca o mundo todo para participar da sua live de aniversário que contará que vários amigos, inclusive Paul McCartney. Como aperitivo para a festa, o beatlelogias.com preparou um guia sobre algumas curiosidade e facetas do senhor Paz e Amor para vocês.
“So let me introduce to you, the one and only Billy Shears!”
VOCÊ SABIA? Que Richard Starkey adotou o nome artístico Ringo Starr em 1959 devido ao seu gosto por usar anéis (rings)? E que, inclusive, um de seus anéis foi o mote para a trama do segundo filme dos FabFour, Help!, de 1965?


VOCÊ SABIA? Que quando Ringo conheceu a sua atual esposa, Barbara Bach durante as filmagens da comédia Caveman, em 1980, ela já tinha atuado como Bond Girl do filme ‘007 - O Espião Que Me Amava’, ao lado de Sir Roger Moore?

VOCÊ SABIA? Que a irmã de Barbara Bach e cunhada de Ringo, Marjorie Bach, é casada com o guitarris…

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

JÁ FAZ 50 ANOS! – O fim da banda e o começo da lenda

Por Alysson de Almeida
"The dream is over… what can I say?" Cantou John Lennon na música God, lançada no álbum John Lennon/Plastic Ono Band, em dezembro de 1970. A música, além de falar das suas 'descrenças', falava sobre o final dos anos 1960 e também do fim dos Beatles.
Entretanto, em 10 de abril de 1970, Paul McCartney enviou um comunicado oficial para alguns jornalistas anunciando oficialmente seu desligamento dos Beatles, alegando diferenças pessoais, musicais e empresariais, mas principalmente o fato de querer passar mais tempo com sua família, junto com uma cópia de seu primeiro disco solo 'McCartney'.

Cinquenta anos depois do fim da banda mais famosa da história da música, os fãs dos Beatles continuam tentando entender quais motivos levaram o quarteto britânico a se separar, tão precocemente, e no auge da fama, em 1970. O que aconteceu? Por que aconteceu? E, desde quando já vinha acontecendo? O beatlelogias.com traça um paralelo do ambiente, das prováveis…