Pular para o conteúdo principal

Please Please Me (Histórias e Melodias)



Nessa série vamos abordar curiosidades sobre a gênese das músicas dos Beatles, curiosidades sobre as letras e o que as inspiraram, além de informações sobre as gravações, a repercussão e o legado dessas composições na carreira de outros artistas e na música Pop dos séculos XX e XXI.

Please Please Me – O álbum



O primeiro álbum dos Beatles foi gravado em 3 sessões. Os singles “Love Me Do” /”Ask me Why” e “Please Please Me” /”P.S. I Love You” foram gravados em 11 de setembro e 26 de novembro de 1962, respectivamente.
Para a sessão do álbum, gravaram 11 faixas em 11 de fevereiro de 1963, sendo 5 composições próprias (I Saw Her Standing There, Misery, Do You Want to Know a Secret, There’s a Place e Hold Me Tight, sendo que essa última guardariam para o álbum seguinte) e 6 covers (Anna (Go Him), Boys, Baby It’s You, Chains, A Taste of Honey e Twist and Shout).
O disco foi lançado em 22 de março de 1963 chegando ao topo das paradas britânicas.

I Saw her Standing There
Inicialmente se chamava Seventeen.

Segundo Paul, os versos iniciais eram  “Ela só tinha 17 anos /e nunca tinha tinha ganhado um concurso de beleza”, mas John achou uma merda e sugeriu a mudança da segunda frase para “/você sabe o que quero dizer”. Essa expressão em inglês poderia sugestionar uma conotação sexual.

A escolha da idade da menina pode ter haver com a métrica da música por ser a única idade no universo adolescente com três sílabas. Também pode ser uma referência ao fato de a menina estar acima da idade de consentimento sexual no Reino Unido, que é 16 anos.

Paul confessou que o riff de baixo foi roubado de “I’m Talking about You”, música de Chuck Berry.

Foi Lado B do single  “I Wanna Hold Your Hand”, o primeiro dos Beatles a alcançar o topo da parada norte-americana.

Ela foi uma das 5 faixas executadas no célebre Ed Sullivan Show, em 09 de fevereiro de 1964, para uma audição de mais de 70 milhões de telespectadores, a maior da história da TV até aquela data.

Em novembro de 1974, John Lennon cantou a música ao lado de Elton John no Madison Square Garden, naquela que seria sua última aparição em palcos.

(a música que inspirou os baixos de 
I Saw Her Standing There)


Misery

Compuseram a música inicialmente para Helen Shapiro, que a teria recusado (ou seu empresário).

Kenny Lynch gravaria a canção, se tornando o primeiro artista a gravar uma composição de Lennon e McCartney além dos Beatles.

Paul a descreveu como “nossa primeira tentativa de fazer uma balada”.

A principal inovação de Misery na estrutura musical que os Beatles usavam à época é a introdução quase falada, fazendo as vezes de sinopse do conteúdo da canção. Os Beatles utilizariam o mesmo recurso em faixas posteriores, como “I’m a Loser”, “Nowhere Man”, “P.S. I Love You” e “Here, There and Everywhere”.

primeira composição de Lennon/McCartney
gravada por outro artista


Ask Me Why

É uma composição que experimenta progressão de acordes no estilo de Jazz e sincopes. Algo incomum aos artistas Pop da época.

Foi a primeira canção de Lennon e McCartney a ser transmitida pelo rádio, em 11 de junho de 1962, pela BBC.

Foi uma das três faixas que tocaram na sessão de gravação na EMI em 06 de junho de 1962.

Foi regravada para o Please Please Me em 26 de novembro de 1962.
Saiu como Lado B do single “Please Please Me” no Reino Unido, em 11 de janeiro de 1963.

Please Please Me

Alguns críticos entendiam a letra como um apelo disfaçardo à igualdade sexual, inaugurando as análises intelectualizadas das canções dos Beatles, algo que se tornaria muito comum nos anos seguintes. Já Robert Christgau, editor do Village Voice associa a letra diretamente a sexo oral.

Tem o refrão inspirado em “Please”, canção de Bing Crosby de 1932 que faz uma brincadeira com as homófonas “pleas” (apelos) e “please” (por favor).

John se inspirou em Roy Orbison para compor as linhas de voz. Orbison, que muitos anos depois, saberia através de George Martin, ter sido fonte de inspiração dos Beatles para a canção. Pouco antes de falecer, Roy declarou: “Ele disse que a música parecia tanto comigo que eles tiveram que mudar um pouco. Foi legal saber disso”.

Please Please Me era originalmente mais lenta, mas foi acelerada para entrar no álbum. “Nós a repassamos várias vezes. Mudamos um pouco o andamento e pensamos em adicionar uma gaita, como tínhamos feito em “Love Me Do”, contou John.

Ela foi gravada em 26 de novembro de 1962 em 18 takes e após o take final, George Martin teria profetizado: “Senhores, vocês acabam de gravar o seu primeiro número um nas paradas”.

O Single chegou ao topo das paradas do New Musical Express e do Melody Maker no início de 1963.

a música que inspirou o refrão 
de Please Please Me


Love Me Do

Foi a primeira faixa dos Beatles lançada como single em 05 de outubro de 1962.

É a primeira música que contém o uso da gaita pela banda. O instrumento ainda seria utilizado em “Please Please Me”, “From Me to You”, “Little Child”, “I Should Have Known Better” e apareceu pela última vez em “I’m a Loser”, de Beatles for Sale, em 1964.

Paul comentou em 1967 em uma entrevista ao Observer que “Love Me Do foi a nossa canção mais filosófica...para ser verdadeira, ela deve ser incrivelmente simples”.

P.S. I Love You

Foi Lado B de “Love Me Do”, primeiro single dos Beatles, lançado no Reino Unido.

Paul teria composto a música para Dot, sua namorada no período em que os Beatles faziam residência em Hamburgo.

Foi a precursora das letras dos Beatles escritas em forma de carta. Outras dessa linhagem seriam “Paperback Writer” E “When I’m Sixty Four”.  Quando Paul a compôs, canções-carta estavam em voga, como “Return to Sender”, de Elvis Presley e “Sealed with a Kiss” de Brian Hyland.

uma das canções-carta de 
sucesso nos anos 1960


Do You Want to Know a Secret?

Composta por John, tem inspiração na canção “I’m Wishing” do filme Branca de Neve, de 1937, que sua mãe Júlia costumava cantar para ele. George Harrison acrescenta que a inspiração musical da música veio de “I Really Love You” dos Stereos, lançada em 1961.

A demo dessa música foi gravada por John sentado em um banheiro (ao final desta gravação dá pra ouvir a descarga da privada).

A faixa foi lançada como single por Billy J. Kramer um mês após o lançamento do LP Please Please Me e chegou ao segundo lugar das paradas inglesas, sendo a primeira vez que uma faixa de Lennon/McCartney chegava à parada de sucessos na voz de outro artista.

Foi a primeira canção dos Beatles que contou com os vocais de George Harrison. “Achei que seria uma boa oportunidade para ele, porque eram só três notas e ele não era o melhor cantor do mundo”, lembraria John alguns anos depois.

a canção da Disney que teria inspirado
a parte lírica de "Do You Want to Know a Secret"


There’s a Place

É a primeira faixa de John que sugere a construção de um lugar de fuga para seus pensamentos. O desejo de um estado alterado de consciência. Esse tema se repetiria com mais profundidade em canções posteriores como “Strawberry Fields Forever”, “Girl”, “Rain”, “In My Life”, “Tomorrow Never Knows” e várias outras.

Musicalmente, John se refere à “There’s a Place” como sua tentativa de fazer “uma coisa meio negra, tipo Motown”. Essa ligação dos Beatles com a música da Motown teria um papel crucial para a popularização da gravadora. Eles gravariam nos álbuns seguintes, canções de artistas da Motown como “Please Mr. Postman”, “You’ve Really Got a Hold on Me” e “Money”.

A canção pode ter exercido influência sobre a letra de “In My Room” de Brian Wilson, lançada em setembro de 1963 pelos Beach Boys, sendo os versos iniciais muito semelhantes entre ambas, assim como o conceito. Talvez o início da inspiração mútua que envolveria as duas bandas nos dos anos seguintes.

a letra de "In My Room" teria sido inspirada
por "There's a Place"?



                                                                                            por Leko Soares

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beatlelogias - Entrevista para o Canal "Machado na TV"

Em pleno domingão de Carnaval, o beatlelogias.com recebeu o grande amigo, divulgador e incentivador cultural, Carlos Roberto de Souza, o Carlão, do canal do YouTube 'Machado na TV' para um bate-papo sobre o nosso blog, a nossa paixão pelos Beatles e como os garotos de Liverpool influenciaram quase tudo e quase todos, mesmo que de forma indireta.
Essa nossa conversa foi dividida em quatro vídeos de muita informação bom humor que acabou gerando mais seguidores para o beatlelogias.com.
Agradecemos a oportunidade que nos foi dada pelo brother Carlão de falar sobre esses quatro caras que fazem parte constantemente das nossas vidas e do mundo que eles deixaram para nós.
Tomara que vocês se divirtam o tanto que nós nos divertimos! Roll up for the Mystery Tour...

Vídeo 1: O começo de tudo e as colaborações no Blog
Na primeira parte da conversa, nós contamos como surgiu o nosso interesse pelos Beatles e como isso nos levou a realizar o betlelogias.com e e como conseguimos os colaboradores …

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…