Pular para o conteúdo principal

Crônica 5 - "Essa é pra você, Stu...que se FODA tudo isso"





Hamburgo, 25 de abril de 1962.

Já faz alguns meses que conheci os rapazes dos Beatles, uma banda de Liverpool, através dos meus
amigos Astrid Kirshner e Klaus Voorman. Eles se tornaram frequentes em nossos encontros literários, regados à muita cerveja e, às vezes, uma dose ou outra de absinto.

John, o guitarrista e líder da banda, e Stuart, seu melhor amigo, eram mais chegados a nós. Os demais, ainda que aparecessem de vez em quando, não eram tão próximos. Stu inclusive começou a namorar Astrid. Pintor fantástico! Seus quadros eram fortes e expressivos, apesar de serem abstratos. Impactantes!

Tendo ficado aqui por algum tempo, os garotos voltaram para a Inglaterra, depois de idas e vindas e, também, serem deportados mais uma vez por George, o outro guitarrista, não ter completado dezoito anos ainda, para tentarem o sucesso em sua cidade natal. Porém, Stu ficou com Astrid e nos tornamos muito próximos por causa disso. Divertido, inteligente e com cara de um James Dean intelectual, ele dominava os assuntos nas conversas do nosso grupo de amigos. Formavam o casal mais bonito que eu já tinha visto.

Stu foi o primeiro dos Beatles a abandonar o topete rocker e aderir o corte de cabelo Moptop, comprido e com a franja na testa, que Astrid em uma tarde ociosa, cortou e penteou. Os meninos da nossa turma, como Klaus, já usavam esse penteado há anos. Depois de Stu, os outros Beatles também embarcaram na mudança de visual, apesar de John Lennon ter sido relutante no início. Eu e Astrid fizemos os cortes para todos eles.

John Lennon por Astrid Kirschherr (1964)
Mas, há exatamente duas semanas, no dia 10 de abril de 1962, uma tragédia abateu-se sobre nós: Stu, que vinha sentindo fortes dores de cabeça há tempos, conforme nos contava Astrid, sofreu outra crise convulsiva e sucumbiu à uma hemorragia cerebral, aos 21 anos. Foi desastroso para todos nós. Astrid parece não estar mais conectada a este mundo no qual vivemos. Chega a ser dolorido a ver assim!

Não tivemos nem tempo e nem meios de comunicar aos seus ex-companheiros de banda, que estavam em Liverpool, sobre a passagem de Stu. Talvez, por não ter como dizê-lo. Talvez, por não querer dizê-lo.

Então, antes de ontem, Astrid recebeu um telegrama de John Lennon a avisando que os Beatles retornariam a Hamburgo para uma temporada de shows no Star Club, de Horst Fascher, e que ele não via a hora de rever 'o seu casal idiota preferido', que era como ele se referia aos dois pombinhos apaixonados, Astrid e Stu.

Hoje à tarde, fomos até a estação de trem esperar por eles. Quando desembarcaram, todos vieram sorridentes. Mas, ao nos ver, o semblante de John mudou completamente. "Onde está o Stu, Astrid?", perguntou ele já com lágrimas nos olhos, parecendo pressentir alguma coisa. Astrid balançou a cabeça, em negação, e uma lágrima rolou pelo seu rosto.

Os dois se abraçaram forte e choraram juntos por minutos, que pareceram, horas. Eu nunca havia presenciado tamanho sofrimento antes. Foi de cortar o coração!
Mais tarde, já no palco do Star Club, no início do show, John Lennon dedilhou na sua guitarra um Ré maior e, com a voz embargada, disse: "Essa é para você, Stu". E, começou a cantar "Love me tender, love me true..." de ‘Love Tender’ do Elvis Presley, uma das preferidas de Stu e seu número solo apaixonado, dedicado à sua musa, na época em que estava na banda.

Senti Astrid desmoronando ao meu lado nesse momento. Eu a amparei com a ajuda de Klaus. Jonh Lennon, rapidamente, interrompeu e disse "que se foda tudo isso!", e emendou o riff inicial de ‘Twist and Shout’ dos Isley Brothers, cuja a versão deles é bem mais, digamos, apimentada.

O show foi intenso, emotivo e explosivo... Todos os presentes curtiram. Mas, ao mesmo tempo, era impossível não notar o misto de dor, raiva e ternura nos olhos de John. Stu deve estar orgulhoso lá em cima, olhando para os seus amigos de Liverpool. E. nós aqui embaixo, viveremos das boas lembranças e das obras do nosso lindo e exuberante amigo pintor.

Anna Schindler, escritora e fã de rock and roll (por causa dos Beatles).

por Alysson Almeida




CONTEXTO HISTÓRICO: Stuart Fergusson Victor Sutcliffe, conhecido como Stu Sutcliffe nasceu em Edimburgo, na Escócia, em 23 de Junho de 1940 e morreu em Hamburgo, na Alemanha, no dia 10 de Abril de 1962. A causa informada de sua morte foi hemorragia cerebral, provavelmente fruto de uma pancada que Sutcliffe levou na cabeça em uma briga que John e Stu tiveram com clientes que frenquentavam um clube onde tocaram na Escócia.
Segundo relatos de George Harrison, Paul McCartney e Pete Best, Stu teria sido empurrado e bateu a cabeça com violência em uma parede.
Stu vivia com sua namorada Astrid Kirschherr. Enquanto estudava na Alemanha, Sutcliffe começou a sentir fortes dores de cabeça e sensibilidade aguda à luz. Em abril de 1962, ele desmaiou no meio de uma aula de artes depois de se queixar de dores de cabeça. Médicos alemães realizaram vários testes, mas não conseguindo encontrar a causa para essas dores. Depois de desmaiar novamente em 10 de abril de 1962, ele morreu enquanto estava sendo levado ao hospital de ambulância.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

Crônica 2 - "Toca Raunchy, George"

Liverpool, 06 de fevereiro de 1958.

Querido diário,

Hoje fui com as meninas da escola assistir ao meu primeiro show de Rock and Roll... The Quarrymen no Wilson Hall em Garston.
Os discos do Elvis que irritavam meus pais já não eram mais suficientes para saciar o meu vício. Ainda mais sabendo que Liverpool tinha bandas de rock que tocavam regularmente há mais de um ano. Eu tinha que ver de perto! Mas, eu, Peggy Smith, com apenas 15 aninhos não era 'adulta' o suficiente para poder estar rodeada de cabeludos, ouvindo aquela música do diabo... Ainda posso ouvir minha mãe dizendo essas palavras! Então, falei para os meus pais que iria dormir na casa de uma amiga, Martha Quinn, para estudarmos para a prova de aritmética do dia seguinte. Martha, era filha de mãe solteira, pois o pai havia morrido na guerra. A mãe dela, Gladys, era enfermeira no turno da noite no Hospital Wolton, na Rice Lane.  Oportunidade perfeita para irmos ao show. Pegamos o ônibus até Lowbridge Court e de lá fomos a pé…