Pular para o conteúdo principal

Crônica 6 - "Queremos Pete!" - a estreia de Ringo



Birkenhead, 18 de agosto de 1962.


Meu nome é William Thomas, mas meus amigos me chamam de Bill. Trabalho de zelador no Hulme Hall, na 23 Bolton Rd., em Birkenhead, condado de Merseyside. E, nas noites de baile, também sou responsável por ajudar os artistas na montagem do palco. Quase um contrarregra, ou um quebra-galho.

Para o baile de hoje contrataram os Beatles, de Liverpool, para tocar. Liverpool fica na outra margem
do rio Mersey. Praticamente, nossos vizinhos. Eles já tocaram aqui duas ou três vezes no ano passado. O pessoal adorou! Muitas bandas de Liverpool fazem sucesso desse lado do rio. Virei fã e amigo de todas elas. E, quase todo esse pessoal é da minha idade. Vinte e dois anos.

Quando a banda chegou, os ajudei a descarregar os equipamentos e instrumentos da pequena van preta. O motorista deles, Neil, também nos deu uma força. Gente boa e engraçado, ele.

Já dentro do Hulme Hall, notei que o baterista deles, Pete, não estava com eles. No seu lugar, para minha surpresa, estava Ringo Starr, da Rory Storm and the Hurricanes. Achei estranho e não entendi. Perguntei pro Neil: 'O que houve com o Pete". "Pete foi substituído há algumas semanas. Ele não estava se encaixando com o que os rapazes queriam para o som da banda", respondeu ele.  "Mas, qual é a do Ringo? Substituto ocasional? Freelancer?" voltei a questiona-lo. "Não! Ringo agora está definitivamente conosco", respondeu-me Neil Aspinal, com cara de moleque que estava a fazer traquinagens.

Ringo bem jovem ainda no Rory and the Hurricane

“Não é possível que o Ringo vai deixar o Rory para se juntar aos Beatles”, pensei comigo. Afinal, Rory Storm and the Hurricanes, àquela altura, era a maior banda de Liverpool. A que fazia mais sucesso com o público.

Primeira foto dos Beatles com Ringo, tirada 4 dias depois, no Cavern 
Bom, enfim... Os ajudei a montar os equipamentos no palco. Ajeitei a bateria para o Ringo e, nesse ponto, a fila já se formava na calçada, do lado de fora do Hulme. O gerente, Sr. Wallys, já veio aso berros: "Bill, corra e abra a bilheteria! Hoje, isso aqui vai lotar!".

Fui para a bilheteria, rapidamente e os ingressos se esgotaram em minutos. Salão cheio, fila no bar...
Tinha de tudo: brotos, marmanjos com jaquetas de couro e o pessoal da faculdade. O palco do Hulme não é muito alto. Da pista, dá para se tocar no artista se você quiser. As meninas já lotavam a frente do palco e os marmanjos lotavam, o bar. Tinha tanta fumaça de cigarro no ar, que a pista de dança ficava nublada de vez em quando.

"Gonna tell Aunt Mary 'bout Uncle John..." berrou Paul McCartney ao microfone para iniciar 'Long Tall Sally' de Little Richard. As meninas já começaram com os gritos! Um pandemônio! As músicas não paravam. Eles mandavam uma atrás da outra. Seguidas vieram covers de Buddy Holy, Fats Domino, Chuck Berry, Elvis Presley, Chan Romero e até um bolerão,'Besame Mucho'... Cha cha boom... Cantavam, eles para começar a versão rock and roll deste clássico latino que a minha mãe ouvia em casa com as amigas dela, enquanto jogavam bridge.
Os Beatles e Little Richard em 1962

Mas, uma música me chamou atenção: 'Some Other Guy'. Não a conhecia e, mais tarde, John Lennon me contou que era uma composição dele junto com o Paul. Muito boa a música. Bem que eles poderiam gravá-la, com fizeram com 'My Bonnie', junto com Tony Sheridan. Já furei o disco de tanto ouvi-la!

Outra coisa que me chamou a atenção, e passou a me incomodar, era o fato de que as garotas, em todos os intervalos das músicas, gritavam repetidamente: "Queremos Pete!". Acho que incomodava a eles também. Por isso, acho eu, emendavam uma música na outra, sem deixar o som parar. O Ringo parecia não se incomodar. Estava nítido que ele estava se divertindo. E, cá pra nós, Ringo toca um milhão de vezes melhor que o Pete. Tem mais pegada e swing. Talvez seja pela experiência de já ter tocado com outras bandas.

Depois do show, eles vieram até a bilheteria para acertar o cachê com o Sr. Wallys. Duas libras. Um dinheirão! John, me dizia, enquanto isso, que eles voltariam para Liverpool na mesma noite, pois tinham compromisso na hora do almoço do dia seguinte no Cavern Club. Ele me convidou para ir até lá para vê-los: "Venha nos ver no Cavern, Bill. Você será nosso convidado e pode ficar na minha casa", disse ele com um sorriso no rosto e uma piscadela de canto de olho.

Agradeci o convite e os ajudei a levar as coisas para a van. Neil Aspinall me deu 10 xelins de gorjeta por ajuda-lo. Ótima noite. Ótima música. E, um dinheirinho a mais no bolso. Acho que vou vê-los no Cavern, na semana que vem, na minha folga.

Por Alysson de Almeida

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Do Rio ao Universo: Lizzie Bravo - A brasileira que gravou com os Beatles

Por Alysson Almeida
Imagine-se em um barco em um rio, com árvores de tangerina e céus de marmelada... Cantava John Lennon na proposta lisérgica de Lucy in the Sky With Diamonds. Seria a viagem perfeita! Mas, tente se imaginar dentro do estúdio de Abbey Road dividindo os microfones com os Fab Four no clássico Across the Universe... seria um sonho! E para nos contar como foi realizar esse sonho, a brasileira Elizabeth ‘Lizzie’ Bravo, atendeu o Beatlelogias trazendo histórias da sua estadia na pulsante Londres nos anos 1960, da proximidade diária com os rapazes de Liverpool, de “Do Rio a Abbey Road”, seu livro que já vai para a segunda edição, e como é ser a única brasileira a gravar com os Beatles. Words are flowing out like endless rain into a paper cup...
Beatlelogias - Chegando em Londres em 1967, no boom da cultura da psicodelia, com todas as mudanças comportamentais e sociais da época, como foi para uma menina do Rio de Janeiro viver na Swinging London dos anos 60? Lizzie Bravo: Aos 1…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

Os Beatles muito além de "Let it Be" (Entrevista com Ricardo Pugialli)

Biólogo por formação, beatlemaníaco por convicção. Podemos creditar a Ricardo Pugialli o título de maior escritor brasileiro sobre a trajetória dos FabFour antes, durante e a partir de agora, também após os "The Beatles". Pesquisador desde 1980 da obra dos 4 garotos de Liverpool, Pugialli lançou em 1992 "Os Anos da Beatlemania". Em 2008 alcançou reconhecido sucesso com o lançamento do livro "Beatlemania" e agora, 11 anos depois, volta para contar em "The Beatles 1970-80" o que o próprio considera como uma continuação natural do primeiro livro. O Beatlelogias teve o prazer de conversar com Ricardo sobre a influência dos "Beatles" nas gerações atuais, a carreira dos quatro além da banda e muito mais.  Com a palavra, o próprio!
por Alysson Almeida e Leko Soares
Beatlelogias - O seu livro 'Beatlemania' de 2008, teve prefácio de Sir George Martin. Como foi que se deu o contato entre vocês? Teve alguma coisa a ver com a sua participaçã…