Pular para o conteúdo principal

Disco do Dia - With the Beatles – 22/11/1963


DISCO DO DIA: Nessa sessão você encontrará os discos de estúdio dos Beatles e das suas carreiras solo lançados no dia da publicação, com dados e curiosidades sobre a sua produção e ainda, de quebra, pode ouvi-lo enquanto curte o site!

The Beatles - WITH THE BEATLES – 22/11/1963 

Depois de terem surgido para as paradas de sucesso com ‘Love Me Do’, no final de 1962, os Beatles entraram em 1963 com uma enxurrada de sucessos, puxada por singles como ‘She Loves You’ e ‘From Me To You’ e pelo sucesso do seu álbum de estreia, Please Please Me.

Com a agenda cheia com shows, programas de TV e entrevistas para jornais e revistas, os garotos entraram em estúdio para gravar o disco que sedimentaria a Beatlemania de uma vez por todas: With the Beatles.

Gravado entre os dias 18 de julho e 23 de outubro de 1963, nos raros espaços na agenda apertada, e lançado em 22 de novembro do mesmo ano, With the Beatles manteve a pegada de seu antecessor com metade das canções de lavra própria e metade de covers de sucessos recentes e dos tempos deles em Hamburgo.

O play abre com 'It Won't Be Long' com direito a contraposição dos vocais de apoio e um riff bem marcante, na qual John aplaca a solidão esperando ansioso o retorno da amada. Lennon continua com 'All I've Got to Do', balada no melhor estilo xaveco com desdém, dizendo que tudo que ele tem que fazer é ligar para que a garota venha correndo pra ele.

Close your eyes and I'll kiss you... Em ‘All My Loving’, Paul destrói o pobre coraçãozinho das garotas dizendo que sempre será honesto, mas que nem sempre estará por perto. E, mesmo assim, mandará todo o seu amor de onde estiver! Cara esperto!

Em 'Don't Bother Me', George diz que não quer ser incomodado por ninguém desde que a sua garota foi embora, na sua primeira composição em um disco dos Fab4! 'Little Child', traz a gaitinha marota de John Lennon, que já havia aparecido em vários sucessos anteriores, choramingando para uma garota dançar com ele.

'Till There Was You' é o primeiro cover do disco. Escrita para o musical The Music Man, de 1957, por Meredith Willson. Reza a lenda que Paul, ainda na adolescência, assistiu ao musical pela TV e ficou maravilhado com a progressão das notas desse bolerão que se tornou uma de suas favoritas.


Sim, temos Motown no disco! 'Please Mr. Postman', gravada pelas Marvelettes dois anos antes e que posteriormente também foi sucesso com a dupla dos irmãos Carpenters, em 1974, esquenta o clima para fechar o lado A da bolacha. Fantástica!
O lado B (Isso mesmo crianças! Antigamente os discos tinham músicas nos dois lados!) começa o cover de 'Roll Over Beethoven', de Chuck Berry, com George incendiando nos vocais e solos de guitarra. Em 'Hold Me Tight', Paul pede para garota abraça-lo forte e dizer que ele é o único para ela!

'You've Really Got a Hold on Me', de Smokey Robinson, traz a Motown de volta nesse sucesso dos Miracles do finalzinho de 1962, com os vocais de lamento de John e George... Não houve garota da época que não tenha tido um suspiro dobrado nessa hora!

Ringo surge cantando, e tocando, em 'I Wanna Be Your Man' que, curiosamente, Lennon & McCartney haviam cedido para os amigos Rolling Stones lançarem como single algumas semanas antes do lançamento de With The Beatles, com uma roupagem mais stoniana, bem distante da versão ouvida aqui. Segue-se com George cantando o cover de 'Devil in His Heart' de Ricky Dee, lançada do ano anterior.



A próxima canção, 'Not a Second Time', inspirou uma análise musical do jornalista William Mann, do The Times, citando a "cadência eólia" dos vocais de Lennon à medida que a música chega ao fim, e observando que a mesma progressão de acordes aparece no final do último movimento de ‘Das Lied von der Erde’, do compositor erudito Gustav Mahler.


O disco fecha com a versão fantástica de 'Money (That's What I Want)', de Berry Gordy (chefão da Motown) e Janie Bradford, gravada pelo cantor norte-americano Barrett Strong em 1959.

Não há como não mencionar a sua icônica capa em preto-e-branco no click do grande fotógrafo Robert Freeman, falecido no último dia sete de novembro de 2019.

Com uma mescla do cancioneiro pop negro norte-americano e composições da dupla Lennon & McCartney, With the Beatles solidificou os garotos de Liverpool na cena pop inglesa e deu-lhes credibilidade e suporte para novas e futuras aventuras em outras áreas do entretenimento. A dominação mundial seria questão de tempo...

Por Alysson de Almeida.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

My Beatles Experience – Revolver (1966)

Começando com os ‘dois pés na porta’ nossa nova coluna no Beatlelogias, coletamos depoimentos de beatlemaníacos próximos sobre suas experiências e relação com o icônico Revolver, que hoje, dia 08 de agosto, completa 53 anos de seu lançamento nos EUA, de longe o maior mercado consumidor da banda no mundo. Vamos aos depoimentos!

“Difícil falar de um álbum que volta e meia eu o tenho como favorito, e é engraçado que não foi de primeira que gostei dele. Claro, eu era jovem demais pra compreender tantas ideias diferentes,tantas harmonias envolventes e tantas melodias incrivelmente ricas. O fato é que depois que "entendi" a canção "Eleanor Rigby", depois que assimilei a ideia de um som tão rico e diferente, aí sim fui capaz de usufruir e me deliciar com o suprassumo do "FabFour". O "Revolver" consegue ser tão genuíno e ao mesmo tempo tão emblemático que eu ainda teimo em não colocá-lo em primeiro lugar no meu ranking pessoal dos álbuns dos 4 rapazes de…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

Crônica 2 - "Toca Raunchy, George"

Liverpool, 06 de fevereiro de 1958.

Querido diário,

Hoje fui com as meninas da escola assistir ao meu primeiro show de Rock and Roll... The Quarrymen no Wilson Hall em Garston.
Os discos do Elvis que irritavam meus pais já não eram mais suficientes para saciar o meu vício. Ainda mais sabendo que Liverpool tinha bandas de rock que tocavam regularmente há mais de um ano. Eu tinha que ver de perto! Mas, eu, Peggy Smith, com apenas 15 aninhos não era 'adulta' o suficiente para poder estar rodeada de cabeludos, ouvindo aquela música do diabo... Ainda posso ouvir minha mãe dizendo essas palavras! Então, falei para os meus pais que iria dormir na casa de uma amiga, Martha Quinn, para estudarmos para a prova de aritmética do dia seguinte. Martha, era filha de mãe solteira, pois o pai havia morrido na guerra. A mãe dela, Gladys, era enfermeira no turno da noite no Hospital Wolton, na Rice Lane.  Oportunidade perfeita para irmos ao show. Pegamos o ônibus até Lowbridge Court e de lá fomos a pé…