Pular para o conteúdo principal

I’m Only Sleeping – a gênese do Bed-In de John e Yoko? (Curiosidades)





Por Leko Soares

Em 25 de março de 1969, John Lennon e sua nova esposa Yoko Ono se instalaram na suíte
presidencial do Hilton em Amsterdam para iniciarem o que ficaria conhecido como “Bed-in”, um protesto pela paz, em que o casal recebia jornalistas das 9 da manhã às 9 da noite para divulgar sua mensagem de paz ao mundo – “Vamos ficar uma semana na cama para registrar o nosso protesto contra todo o sofrimento e a violência do mundo. Você consegue pensar num jeito melhor de passar sete dias?”

O que muitos não imaginam é que o embrião ideológico da famosa “lua-de-mel” pública do casal pode estar ligado ao grande tempo de procrastinação e devaneios que Lennon utilizava em sua cama. Uma música, em particular, a belíssima “I’m Only Sleeping”, terceira faixa do ‘Revolver”, lançada em 1966 retrata intimamente a relação de amor de John e sua cama.

Vamos a algumas curiosidades sobre essa faixa quase ‘cult’ do Revolver:


Em seu primeiro esboço, datado de 25 de abril de 1966, a canção era intitulada somente como “I’m Sleeping”.

O verso de abertura original era “Try to sleep again, got to get to sleep” (Tento dormir de novo, preciso dormir).

Sessões de gravação



Sobre as sessões de gravação, segundo conta Geoff Emerick, engenheiro de som responsável pelas gravações do “Revolver”, a sessão de “I’m Only Sleeping” foi extremamente tediosa, tudo por causa do famoso solo ao contrário de George Harrison. Geoff aponta a dificuldade de Harrison na gravação de alguns solos normais e relata que nesse dia, foram gastas nove horas na sessão com Harrison e McCartney tentando reproduzir em duo os mesmos oito compassos executados de trás pra frente, sem parar - “Phil McDonald me disse depois que seus braços ficaram doendo por vários dias depois da gravação de tanto ter de levantar várias vezes as pesadas bobinas de fita da máquina e virá-las. Eu ainda consigo ver George – e depois Paul em um dueto bizarro – debruçado sobre sua guitarra por horas a fio, com os fones de ouvido, seu cenho franzido em concentração enquanto George Martin os dirigia da janela da sala de controle, usando as marcas que eu tinha feito a lápis na parte de trás da fita em cada batida, como uma referência.”


Ouça o solo de "I'm Only Sleeping" da forma como foi gravado


Ode à preguiça e a perda da liderança dos Beatles
“I’m Only Sleeping” é uma celebração de Lennon à cama e seu valor como lugar de contemplação. John amava sua cama, seja dormindo ou cercado de travesseiros em volta, escrevendo ou assistindo TV. Na época, porém, como atesta o escritor Steven Turner, esse comportamento de Lennon passando muito tempo na cama ou sem fazer nada, aliada ao uso excessivo de drogas, influenciaria na perda da liderança dos Beatles para Paul, o que se consolidaria definitivamente a partir do “Sgt Peppers...”, em 1967.


Na mesma reportagem em que Lennon deu a polêmica afirmação sobre a popularidade dos Beatles ser maior que a de Jesus Cristo naquele momento, a esposa de John na época, Maureen afirmou sobre os hábitos de John: “Ele consegue dormir quase o tempo todo. Talvez seja a pessoa mais preguiçosa da Inglaterra”, ao que Lennon complementa: “Tudo bem escrever, ler, assistir algo, falar, mas a única atividade física que quero praticar é sexo”.

“Im Only Sleeping Watching the Wheels”
Um importante paralelo entre “I’m Only Sleeping” com a carreira solo de John pode ser encontrado na faixa “Watching the Wheels” do último álbum de Lennon, “Double Fantasy”, de 1980. Nas duas letras destaca-se a observação astuta que Lennon faz sobre como as pessoas o julgam pelo seu modo de ser:

“Todo mundo acha que eu sou preguiçoso, eu não me importo, eu acho que eles estão loucos” (em “I’m Only Sleeping”)
“as pessoas dizem que eu sou preguiçoso sonhando a vida inteira” (em “Watching the Wheels”)

John também pontua nas duas letras a crítica à necessidade de urgência de todos, enquanto ele simplesmente segue a vida pois sabe que as coisas vão acontecer, de qualquer forma.

Em “I’m Only Sleeping”, Lennon diz: “Correndo apressados para todo lugar até eles perceberem que não há necessidade” e...
“Eu lhes digo que não há nenhuma pressa. Apenas estou sentado aqui perdendo tempo. Eu estou sentado aqui vendo as rodas darem voltas e voltas. Eu realmente amo vê-las rolarem” (“Watching the Wheels”)

Em tempos de um frenesi urbano focado no lema “tempo é dinheiro”, esse contraponto pinçado da carreira de Lennon, seja nos “Beatles” ou em sua jornada solo, serve como um alento aos sonhadores e procrastinadores que, muitas vezes, longe de serem preguiçosos, estão lá, apenas “observando sombras na parede” antes de realizarem o que pode ser uma grande obra em suas vidas, assim como fez John ao longo de sua brilhante carreira.

Bons sonhos!

Bônus: Se chegou até aqui, ouça uma versão Folk do meu projeto SGT FOLKER para I'm Only Sleeping -



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

My Beatles Experience - Os Beatles e o Metal (com Bruno Maia e Fábio Caldeira)

Recentemente o site Collectors Room, um dos mais conceituados portais brasileiros sobre Metal e música em geral, elegeu os álbuns "Trova di Danú" e "Espresso Della Vita: Solare", das bandas Tuatha de Dannan e Maestrick, respectivamente, como 2 dos 50 mais importantes álbuns lançados na história da música pesada brasileira em todos os tempos. Atuantes e relevantes, o Tuatha de Danann e o Maestrick possuem algo em comum com os The Beatles e que os diferencia da imensa maioria das bandas da cena underground atual: a busca pela vanguarda, a reverência à arte em primeiro lugar e a coragem de ousarem experimentar novos elementos em suas músicas. Com qualidades assim em suas músicas, é claro que as duas bandas teriam em suas fileiras de frente beatlemaníacos inveterados e que aqui, no My Beatles Experience, professam todo seu amor e gratidão à influência da obra dos Fab4 em suas carreiras. Confere aí!




Bruno Maia (Tuatha de Danann) "Meu primeiro sentimento em relação ao…

Todo Mundo Tocando Beatles - Butchering the Beatles (Metal Tribute)

Nessa sessão você irá encontrar resenhas, entrevistas e matérias sobre bandas, projetos e artistas que reinterpretaram a obra dos FabFour de uma maneira diferente. Para estrearmos nossa sessão, entrando no clima da "Semana Beatles no Metal" aqui no Beatlelogias, acompanhe a nossa resenha de "Butchering the Beatles - A Headbashing Tribute":
Lançado em 2006, esse tributo atípico dedicado aos garotos de Liverpool reúne uma verdadeira constelação de estrelas do Metal e do Hard Rock. Lemmy Kilmister (Motörhead), Alice Cooper, Duff McKagan (Guns n’ Roses), Eric Singer (Kiss), Steve Vai, Simon Wright (ACDC), Yngwie Malmsteen e Billy Idol são alguns dentre mais de 50 membros de bandas icônicas do Rock / Metal Mundial que desfilam em formações criadas exclusivamente para essa homenagem.
Pra comandar essa galerona, nada mais nada menos que Bob Kulick, ganhador de um Grammy em 2004, produtor de trabalhos seminais de bandas como KISS, W.A.S.P e Lou Reed, além de já ter trabalha…

Os Beatles e o Submarino de Metal (Os FabFour e sua importância para a Música Pesada)

- Os FabFour e sua importância para a Música Pesada –


por Leko Soares
Há 50 anos, numa simbólica sexta-feira, 13 de fevereiro de 1970 , vinha à luz o primeiro álbum genuinamente Heavy Metal da história: Black Sabbath, obra-prima da icônica banda banda homônima, forjada nas trevas da cinzenta cidade industrial de Birmingham, na Inglaterra. Aproveitando as comemorações em homenagem ao meio século do nascimento oficial do Heavy Metal, o Beatlelogias preparou a semana especial "Os Beatles no Metal". Durante essa semana vamos abordar as raízes da obra dos Fab4 na gênese da música pesada e a influência de sua obra em bandas e músicos do Metal no mundo, e claro, no Brasil. All aboard!
As pré-concepções da música Beatle e a cena Headbanger
“Os reis do Rock alegrinho” (iê, iê, iê), com letras bobas sobre garotas e o amor livre” é somente uma das muitas generalizações usadas por leigos para rotular a música dos Beatles. Qualquer fã minimamente informado entende que esses pré-conceitos são…