Pular para o conteúdo principal

Beatles Para Sempre! (por Carlos Roberto de Souza)


Escrever um texto bem detalhado ou simples sobre os Beatles não é uma tarefa fácil. Fiquei preso entre uma crônica detalhista, ou um esboço de um cara que reconhece o valor musical (e mundial) daqueles quatro rapazes de Liverpool.

O primeiro contato foi de admiração primeiramente pela canção Obla-Di-Obla-Da num comercial da extinta Rádio Excelsior  (A Máquina do Som). Eu curtia aquela canção simples porém contagiante. Depois houve a famosa onda do "iê-iê-iê" que nada mais era do que o Yeah, Yeah, Yeah....Foi aí que eu soube que aquela canção era dos Beatles. A jovem Guarda foi um movimento que abusou das versões deles, destaque primeiramente para o Ronnie Von  (Meu Bem), versão de My Girl.

Com o passar dos anos, canções como “With a Little Help from my Friends” (na versão soul de Joe Cocker) e “Lucy in the Sky with Diamonds” (na versão de Elton John na qual o psicodelismo se manteve apenas nas letras), foram me atraindo cada vez mais.

Para ser franco eu me ligava principalmente nas composições mais “quentes”, entre elas “Can't Buy Me Love”, “Paperback Writer”, “Back in the U.S.S.R”, “Revolution”, “Twist and Shout”, “I Saw Her Standing There”  e “Helter Skelter”, do que nas suas canções  mais amenas.

Porém, confesso que fui um tolo ao pensar assim... Quando George Harrison compôs “While My Guitar gently Weeps” e “Something”, esse pensamento distorcido cedeu lugar à lucidez!    

À princípio eu nunca havia aceitado o fato deles terem revolucionado algo, mas à medida em que fui amadurecendo, pude constatar não só o valor musical, mas na mudança de comportamento (cabelos e roupas). Cara, dezenas de bandas copiaram aquele corte de cabelo e modelo de ternos (fossem elas inglesas ou não).

A obra dos Beatles me acrescentou um gosto musical mais agudo com relação às bandas que surgiram depois dela. Posso afirmar que hoje posso cantar algumas canções do Beatles sem o menor temor de estar "indo na onda" (no embalo). Na real, as músicas dos Beatles me fazem caminhar por um longo caminho tortuoso da vida cuja reta final é o Rock and Roll...


Ontem, o Sr. Carteiro entregou-me uma carta da minha amada Eleanor, pedindo-me para voltar o mais rápido possível (livre como um pássaro).  Como eu não poderia sair meramente desse texto sem antes mencionar as emblemáticas “Come Together” e “Love me Do”, despeço-me agora, pois tenho que pegar o próximo trem para Londres. Aliás, onde deixei meu bilhete de viagem?

Carlos Roberto de Souza é escritor, autor da Revista do Cinema Machadense, editor do fanzine Episódio Cultural e responsável pelo canal Machado TV no YouTube, e claro: beatlemaníaco!

Comentários

  1. Olá amigos, muito obrigado por terem publicado o meu pequeno texto. Abbey Road ainda soa em nossos ouvidos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

My Beatles Experience - Os Beatles e o Metal (com Bruno Maia e Fábio Caldeira)

Recentemente o site Collectors Room, um dos mais conceituados portais brasileiros sobre Metal e música em geral, elegeu os álbuns "Trova di Danú" e "Espresso Della Vita: Solare", das bandas Tuatha de Dannan e Maestrick, respectivamente, como 2 dos 50 mais importantes álbuns lançados na história da música pesada brasileira em todos os tempos. Atuantes e relevantes, o Tuatha de Danann e o Maestrick possuem algo em comum com os The Beatles e que os diferencia da imensa maioria das bandas da cena underground atual: a busca pela vanguarda, a reverência à arte em primeiro lugar e a coragem de ousarem experimentar novos elementos em suas músicas. Com qualidades assim em suas músicas, é claro que as duas bandas teriam em suas fileiras de frente beatlemaníacos inveterados e que aqui, no My Beatles Experience, professam todo seu amor e gratidão à influência da obra dos Fab4 em suas carreiras. Confere aí!




Bruno Maia (Tuatha de Danann) "Meu primeiro sentimento em relação ao…

Os Beatles e o Submarino de Metal (Os FabFour e sua importância para a Música Pesada)

- Os FabFour e sua importância para a Música Pesada –


por Leko Soares
Há 50 anos, numa simbólica sexta-feira, 13 de fevereiro de 1970 , vinha à luz o primeiro álbum genuinamente Heavy Metal da história: Black Sabbath, obra-prima da icônica banda banda homônima, forjada nas trevas da cinzenta cidade industrial de Birmingham, na Inglaterra. Aproveitando as comemorações em homenagem ao meio século do nascimento oficial do Heavy Metal, o Beatlelogias preparou a semana especial "Os Beatles no Metal". Durante essa semana vamos abordar as raízes da obra dos Fab4 na gênese da música pesada e a influência de sua obra em bandas e músicos do Metal no mundo, e claro, no Brasil. All aboard!
As pré-concepções da música Beatle e a cena Headbanger
“Os reis do Rock alegrinho” (iê, iê, iê), com letras bobas sobre garotas e o amor livre” é somente uma das muitas generalizações usadas por leigos para rotular a música dos Beatles. Qualquer fã minimamente informado entende que esses pré-conceitos são…

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…