Pular para o conteúdo principal

My Beatles Experience - Especial Niterói Beatle Week (com os músicos da Harrison & McCartney Tribute)

Fala beatlelogistas de plantão! Estamos de volta com uma das sessões preferidas do nosso blog. E para a nossa primeira sessão de 2020, convidamos os integrantes da banda Harrison & McCartney Tribute, representando as centenas de músicos que participaram da Niterói Beatle Week 2019, provavelmente a maior celebração à obra dos Beatles na América Latina.
Pra quem é marinheiro de primeira viagem, uma breve explicação: Nesse espaço, coletamos depoimentos de beatlemaníacos sobre o impacto que a obra dos Fab4 tiveram em suas vidas, desde o primeiro contato até os dias atuais. Confere aí!



Danilo Fiani

Escutei Beatles pela primeira vez em uma fita cassete, emprestada por um amigo de escola, quando ainda era adolescente. Era uma coletânea, mas tinha alguns lados B, como “Bad Boy”, canção de Larry Williams que a banda regravou. Era ainda adolescente e fiquei fascinado. A partir desse momento, quis aprender violão e comecei a cantar. A influência é total. Despertei meu gosto por música brasileira ao escutar Clube da Esquina, o disco de Lô e Milton, largamente influenciado pelos Beatles. Claro que ouvia outras coisas antes, mas nunca foi uma entrega tão profunda como depois dos Beatles e do Clube. Hoje escuto muitas coisas, mas o “start” inicial foi dado pelos Beatles. Por conta deles, me apaixonei integralmente por música e me tornei músico. A importância da obra dos Beatles na minha vida é inestimável. Por causa deles, sou músico. E ser musicista me preenche de felicidade. Jai guru dev! (E viva George Harrison!)

Danilo Fiani, ex-integrante das super bandas BlueBeetles e Blackbird, Com apresentações internacionais dedicadas aos Beatles desde 2013 International Beatleweek, em Liverpool/ING, Abbey Road on the River e Califórnia, nos EUA, a dedicação à obra de George lhe rendeu o reconhecimento da Gretsch Guitars, empresa da qual é artista endossado desde 2018. Danilo integra hoje os projetos “Harrison & McCartney Tribute” e a banda “Pepperband”, além de outros projetos musicais, como a banda “Only Stones”, tributo aos Rolling Stones, e “Flores Astrais, um tributo a Secos e Molhados”.

Alan James 

A minha primeira lembrança dos Beatles é quando aos 5 anos encontrei os Past Masters que a minha mãe tinha em fita k7. Peguei o volume 1 e quando ouvi I Want To Hold Your Hand e She Loves You, aquilo mudou a minha vida para sempre e a partir daí me tornei beatlemaníaco. Pude conhecer algumas bandas e artistas fantásticos graças aos Beatles, seja os que tiveram alguma conexão com eles (como Doris Troy, Harry Nilsson, entre outros), ou os que soavam como eles (bandas como Cotton Mather, Klaatu, etc). Mas a maior influência deles foi o fato de ter conhecido a minha esposa Joana por causa de um box de DVDs do Paul McCartney que ela queria comprar e não sabia como, por ser uma compra internacional. Uma amiga em comum sabia que eu tinha experiência nisso e fez a ponte entre nós. E fora isso, o fato de ter me tornado músico multi-instrumentista pela identificação com o Paul (e além disso o fato de termos nascido no mesmo dia), pois foi ouvindo os discos em que ele toca tudo sozinho que me estimulou a querer aprender vários instrumentos. Hoje em dia os Beatles se tornaram pra mim um meio de trabalho, pois graças a obra deles, toco em bandas cover deles desde 2001, e graças a isso, participo de projetos ou shows até hoje. Ainda continuo escutando Beatles, mas escuto mais os outtakes que saem nos últimos relançamentos, embora os álbuns em si eu já não os escute mais. Ainda assim, escuto bastante as carreiras solo e acho que o fato da obra deles juntos ou separados seguir sendo revisitada, comentada e descoberta 50 anos após o fim da banda é algo que me impressiona, pois acho que a obra deles sempre viverá.
Um momento inesquecível na minha relação com os Beatles ocorreu em agosto de 2019 quando tive a chance de tocar o final de A Day In The Life dentro do estúdio 2 de Abbey Road onde estava para assistir a uma palestra.


Alan James é multi-instrumentista em carreira solo desde 2016. Em 2018, lançou o álbum “Despertar” pelo selo Discobertas. Também integra as  bandas Only Stones (tributo aos Rolling Stones) e Stone Trio (tributo aos Doors, Beatles e Jimi Hendrix), além de participar de projetos variados como Harrison & McCartney Tribute, entre outros.

Mario Vitor

Quando tinha 3 anos meu irmão tinha uma banda que tocava Beatles e eu ficava no estúdio ouvindo os ensaios. Aos 9 descobri um disco no meio de tantos outros dele que ouvia. Me lembro do início de I fell Fine me impressionar como nada antes havia me impressionado. E olha que ouvia de Jetro Thull a Queen ali.
Os Beatles moldaram toda a minha vida. Minhas relações de trabalho, minhas amizades, minha visão de mundo e até meu casamento foram decorrência de gostar de Beatles. Sua obra permeia toda minha história. Graças a eles me tornei músico, conheci o mundo e fiz amigos de Alfenas a Suécia. Hoje já tenho 10 anos de histórias tocando em Liverpool. Essa especialidade em um som dos anos 60 acabaram me levando a tocar com Erasmo Carlos também. Quem diria que o garoto de Alfenas que tocava com seu irmão em um quarto fechado chegaria ali? Cada um dos quatro são importantes em diferentes níveis pra mim. Hoje tenho um tributo chamado Harrison e McCartney Tribute. George funciona pra mim como um medicamento. Ele acalma, conforta. O Paul alegra e apaixona. O John me faz refletir e me humaniza. O Ringo nos enche de ternura. Enfim...eles têm total importância na minha vida.

Mário Vitor -  ex-integrante das  bandas BlueBeetles e Túnel do Tempo. Com apresentações internacionais dedicadas aos Beatles desde 2010 na International Beatleweek, em Liverpool/ING, Abbey Road on the River e Califórnia, nos EUA. Mário integra hoje os projetos “Harrison & McCartney Tribute” e a banda “Pepperband”, além de outros projetos musicais, como a banda “Alchemy, Dire Straits Tribute”, e “Flores Astrais, um tributo a Secos e Molhados.


Luiz Lopes


Acho que conheci os Beatles com 6 anos de idade, quando meu pai e minha mãe compraram vários vinis remasterizados de 1988 ... eu ficava brincando perto do som. Nem sabia que é por que eu queria ouvir aquelas músicas!
Os Beatles influenciaram minha vida por inteiro. Desde a profissão que eu segui até o estilo de vida de forma geral. Não faço a mínima ideia de como seria minha vida se nunca tivesse ouvido Beatles. Talvez eu fosse desenhista ou jogador de futebol
A obra deles continua sendo fundamental! Como eu me coloco como fã incondicional, normalmente sou convidado pra fazer trabalhos na vibe “Beatles”!  Sendo bandas de cover ou artistas autorais. O meu trabalho autoral é completamente influenciado pelo quarteto fantástico!

Cantor e compositor carioca - além de guitarrista do Erasmo Carlos e também da banda A Cor do Som, Luiz Lopez tem dois discos solo lançados, "Primal" e “Visceral”.

Para conhecer mais sobre a Harrison & McCartney Tribute, siga-os nas redes sociais:




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os 10 Sintomas da Beatlemania (diagnóstico)

por Leko Soares e Alysson Almeida
Em 2020 vivemos um dos momentos decisivos e mais tristes da humanidade desde 1945, com o fim da Segunda Guerra Mundial. Como ainda não temos uma cura para os malefícios do COVID-19, as entidades médicas e científicas continuam adotando como recomendação padrão o isolamento social como a melhor forma de nos prevenirmos e também, de não propagarmos a doença para pessoas que possam sofrer suas graves consequências.
Nesse momento em que nós, pessoas conscientes, temos nos fechado cada vez mais em nossos lares em quarentena, a arte em suas mais diversas formas de manifestação tem sido nossa companheira inseparável e portadora de alento para nossa saúde física e mental.
Pensando nisso, e propondo um contraponto a esse momento tão incerto, o beatlelogias.com resolveu elaborar uma lista com a identificação de 10 sintomas que te ajudará no diagnóstico preciso de um distúrbio do bem: A Beatlemania. Bora lá saber em qual estágio você se encontra?
Ah, lembrando que…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Crônica 2 - "Toca Raunchy, George"

Liverpool, 06 de fevereiro de 1958.

Querido diário,

Hoje fui com as meninas da escola assistir ao meu primeiro show de Rock and Roll... The Quarrymen no Wilson Hall em Garston.
Os discos do Elvis que irritavam meus pais já não eram mais suficientes para saciar o meu vício. Ainda mais sabendo que Liverpool tinha bandas de rock que tocavam regularmente há mais de um ano. Eu tinha que ver de perto! Mas, eu, Peggy Smith, com apenas 15 aninhos não era 'adulta' o suficiente para poder estar rodeada de cabeludos, ouvindo aquela música do diabo... Ainda posso ouvir minha mãe dizendo essas palavras! Então, falei para os meus pais que iria dormir na casa de uma amiga, Martha Quinn, para estudarmos para a prova de aritmética do dia seguinte. Martha, era filha de mãe solteira, pois o pai havia morrido na guerra. A mãe dela, Gladys, era enfermeira no turno da noite no Hospital Wolton, na Rice Lane.  Oportunidade perfeita para irmos ao show. Pegamos o ônibus até Lowbridge Court e de lá fomos a pé…

Crônica 1 - "Uma tarde em Woolton"

Liverpool, 6 de julho de 1957.

Meu nome é Peter Jones. Estudo arte dramática no Liverpool Institute. Tenho 22 anos.
Eu e alguns amigos resolvemos nos juntar para produzir um jornalzinho da escola, dirigido aos alunos, para exercitar nossa verve literária e ver o que estava acontecendo de interessante na cinzenta Liverpool.
Minha primeira missão: Fazer a cobertura da quermesse anual da igreja de São Pedro, em Woolton. O tempo estava bom, e sendo um liverpooliano, já tinha me acostumado ao verão quase frio dessas bandas do norte. Ao sair peguei um casaco, por precaução.
Me sentei sozinho no andar de cima do ônibus no caminho de ida, para organizar minhas ideias e tentar tirar algo de realmente bom de uma festinha de bairro.
Chegando lá, em meio a barraquinhas de comidas típicas, senhoras vendiam arranjos de flores e havia umas moças bem bonitas, enfermeiras, arrecadando fundos para a reforma do orfanato do Exército da Salvação, Strawberry Fields. Passei por ele no caminho para a feira.
Fui lo…