Pular para o conteúdo principal

My Beatles Experience - Os Beatles e o Metal (com Bruno Maia e Fábio Caldeira)



Recentemente o site Collectors Room, um dos mais conceituados portais brasileiros sobre Metal e música em geral, elegeu os álbuns "Trova di Danú" e "Espresso Della Vita: Solare", das bandas Tuatha de Dannan e Maestrick, respectivamente, como 2 dos 50 mais importantes álbuns lançados na história da música pesada brasileira em todos os tempos. Atuantes e relevantes, o Tuatha de Danann e o Maestrick possuem algo em comum com os The Beatles e que os diferencia da imensa maioria das bandas da cena underground atual: a busca pela vanguarda, a reverência à arte em primeiro lugar e a coragem de ousarem experimentar novos elementos em suas músicas. Com qualidades assim em suas músicas, é claro que as duas bandas teriam em suas fileiras de frente beatlemaníacos inveterados e que aqui, no My Beatles Experience, professam todo seu amor e gratidão à influência da obra dos Fab4 em suas carreiras. Confere aí!





Bruno Maia (Tuatha de Danann)
"Meu primeiro sentimento em relação ao Beatles foi o de escárnio. Eu devia ter no máximo 5 anos, acho, e lembro de meio que ridicularizá-los por conta dos cabelinhos do início de carreira, achava muito zuado aquilo, até que aos 7 anos numa viagem com a família meu pai colocou uma fita e começou a tocar Let it Be. Eu achei aquilo espantoso, bonito demais, mexeu comigo de uma forma arrebatadora e com certeza delineou toda minha vida a partir dali. De alguma forma minha sensibilidade artística e talvez até o interesse pelas humanidades nasceram desse contato com os bardos de Liverpool (todos descendentes de Irlandeses - tá tudo interligado!). Meu pai tinha uma fita dos Beatles (só com as baladas) que eu ouvi até dissolver, mas naquele mesmo ano me deu de presente de aniversário (a mim e meu irmão) os discos duplos de 63-66 e 67-70. Eu saí procurando tudo que podia sobre Beatles: seus discos, matérias em jornais, revistas, ia a sebos e procurava sempre coisa diferente com pessoas mais velhas, seja informação ou material diferente do que eu tinha. Até chegar aos 10 anos eu já tinha todos os discos que ia dando um jeito de pegar com parentes mais velhos, ganhava de presente, comprava com dinheiro que ganhava do meu avô etc... Chegou uma época que meus pais se preocuparam com o tamanho do fanatismo e meu pai chegou a me dar um disco do A-Ha pra tentar me desdoutrinar, mas não deu certo (hoje eu acho legal, mas à época, Deus me Livre!). Eu tinha aquelas pastas de papel de carta cheia de recortes sobre eles e sabia tudo de sua história, as datas de nascimentos, todas as músicas, tudo que tinha como saber naquela era pré-internet. Graças aos Beatles meu interesse real pra música foi pavimentado e eu comecei a tocar, inclusive, por conta deles. Meus pais me ensinaram, mas a real motivação eram os Beatles. Eu ficava intrigado, mesmo naquela época, como grande parte da música deles era tão diferente, complexa e rica em relação a tudo que eu ouvia de relance onde quer eu fosse. Eram muito superiores a tudo que tocava na rádio, MTV, em todo e qualquer lugar. Com o tempo a gente vai desenvolvendo, ouvindo outras coisas e tudo, mas sempre é possível identificar a luz ou a sombra dos Beatles na produção musical posterior a eles. São mestres eternos que fizeram este mundo ser mais legal, mais bonito e mágico. Em relação a minha história é tudo culpa deles ou graças a eles, depende de quem e quando se pensa nisso!"

Bruno Maia é vocalista e multi-instrumentista no Tuatha de Danann, além de produtor no Braia Studios. Já participou de projetos definitivos no Rock e Metal brasileiro como o Kernunna, Braia e Soulspell Metal Opera.


Fábio Caldeira (Maestrick)

"Na época que o Maestrick estava compondo o “Unpuzzle!”, eu resolvi que ao invés de ouvir as minhas bandas favoritas para buscar inspiração, ouviria as bandas que eram inspiração pra elas. E aí, caí de cabeça na fase mais progressiva e psicodélica dos Beatles. Desde o Rubber Soul, passando pelo Revolver e o início da fase mais experimental deles. Eu lia a respeito de cada disco e fui comprando um a um. Quando chegou a vez do Sgt. Peppers, eu já sabia quais eram as músicas e os seus assuntos, o conceito do disco com a ideia de tentar soar como uma banda “imaginária” e alguns experimentalismos, como o acorde de dez mãos no final de “A Day in the Life”. Quando escutei, foi como se algumas peças na minha cabeça tivessem se encaixado, porque a abrangência musical, as imagens que eles criavam com os arranjos e os temas, tudo isso era algo que eu sempre busquei como músico, e ali eles estavam mostrando, em 1967, que era possível fazer isso. Na minha opinião, esse é um dos discos seminais de tudo o que foi feito depois. Eu, mesmo não tendo conhecido antes o disco, com certeza já tinha sido influenciado por ele, através das bandas que já conhecia. A questão de se pensar em uma obra única, em uma época onde se trabalhavam muito os “singles”, e onde a mídia, LP, obrigava a ter dois lados, o “A” e o “B”, eles foram visionários e fizeram as músicas em sequência, imaginando que um dia existiria uma mídia que conseguisse tocar a obra inteira na íntegra. O uso dos sintetizadores, em músicas como “Lucy in the Sky with Diamonds” e “Being For the Benefit of Mr. Kite”, a forma caricata com que John as canta também, os arranjos de cordas e sinfônicos de músicas como “She’s Leaving Home” e “A Day in the Life”, as sonoplastias, as harmonias vocais, arranjos de instrumentos inusitados, como a “sítara” e “derbak”, tudo isso mostrou e sempre mostrará, que podemos ir além, como compositores, como artistas e sem dúvida, não só o Heavy Metal, como a música Pop e até a forma de se consumir música, mudou depois desse marco, que foi o “Sgt. Peppers”.  


Fábio Caldeira interpretando "Helter Skelter" no projeto Sgt Folker


Fábio Caldeira é vocalista da banda de Prog Metal Maestrick e participa de importantes projetos como o Holy Tide que reúne renomados músicos da Europa e o Soulspell, uma Metal Opera brasileira.

Se quiser conhecer os trabalhos das bandas, clique nas capas abaixo:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Do Rio ao Universo: Lizzie Bravo - A brasileira que gravou com os Beatles

Por Alysson Almeida
Imagine-se em um barco em um rio, com árvores de tangerina e céus de marmelada... Cantava John Lennon na proposta lisérgica de Lucy in the Sky With Diamonds. Seria a viagem perfeita! Mas, tente se imaginar dentro do estúdio de Abbey Road dividindo os microfones com os Fab Four no clássico Across the Universe... seria um sonho! E para nos contar como foi realizar esse sonho, a brasileira Elizabeth ‘Lizzie’ Bravo, atendeu o Beatlelogias trazendo histórias da sua estadia na pulsante Londres nos anos 1960, da proximidade diária com os rapazes de Liverpool, de “Do Rio a Abbey Road”, seu livro que já vai para a segunda edição, e como é ser a única brasileira a gravar com os Beatles. Words are flowing out like endless rain into a paper cup...
Beatlelogias - Chegando em Londres em 1967, no boom da cultura da psicodelia, com todas as mudanças comportamentais e sociais da época, como foi para uma menina do Rio de Janeiro viver na Swinging London dos anos 60? Lizzie Bravo: Aos 1…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

Os Beatles muito além de "Let it Be" (Entrevista com Ricardo Pugialli)

Biólogo por formação, beatlemaníaco por convicção. Podemos creditar a Ricardo Pugialli o título de maior escritor brasileiro sobre a trajetória dos FabFour antes, durante e a partir de agora, também após os "The Beatles". Pesquisador desde 1980 da obra dos 4 garotos de Liverpool, Pugialli lançou em 1992 "Os Anos da Beatlemania". Em 2008 alcançou reconhecido sucesso com o lançamento do livro "Beatlemania" e agora, 11 anos depois, volta para contar em "The Beatles 1970-80" o que o próprio considera como uma continuação natural do primeiro livro. O Beatlelogias teve o prazer de conversar com Ricardo sobre a influência dos "Beatles" nas gerações atuais, a carreira dos quatro além da banda e muito mais.  Com a palavra, o próprio!
por Alysson Almeida e Leko Soares
Beatlelogias - O seu livro 'Beatlemania' de 2008, teve prefácio de Sir George Martin. Como foi que se deu o contato entre vocês? Teve alguma coisa a ver com a sua participaçã…