Pular para o conteúdo principal

Todo Mundo Tocando Beatles - Butchering the Beatles (Metal Tribute)




Nessa sessão você irá encontrar resenhas, entrevistas e matérias sobre bandas, projetos e artistas que reinterpretaram a obra dos FabFour de uma maneira diferente. Para estrearmos nossa sessão, entrando no clima da "Semana Beatles no Metal" aqui no Beatlelogias, acompanhe a nossa resenha de "Butchering the Beatles - A Headbashing Tribute":


Lançado em 2006, esse tributo atípico dedicado aos garotos de Liverpool reúne uma verdadeira constelação de estrelas do Metal e do Hard Rock. Lemmy Kilmister (Motörhead), Alice Cooper, Duff McKagan (Guns n’ Roses), Eric Singer (Kiss), Steve Vai, Simon Wright (ACDC), Yngwie Malmsteen e Billy Idol são alguns dentre mais de 50 membros de bandas icônicas do Rock / Metal Mundial que desfilam em formações criadas exclusivamente para essa homenagem.

Pra comandar essa galerona, nada mais nada menos que Bob Kulick, ganhador de um Grammy em 2004, produtor de trabalhos seminais de bandas como KISS, W.A.S.P e Lou Reed, além de já ter trabalhado anteriormente em tributos bem sucedidos à bandas icônicas como Queen (Stone Cold Queen), Aerosmith (One Way Street) e Iron Maiden (Numbers of the Beast).Com um time desses, não tem como nada dar errado, certo? Hum...não foi bem assim.



É inegável que momentos inspiradíssimos estão espalhados ao longo de todo play. É o caso das bombásticas versões de “Hey Bulldog” com Alice Cooper e Steve Vai à frente, “Back in the USSR” comandada pela voz inconfundível de Lemmy Kilmister, “I Saw Her Standing There” que teve uma turbinada roqueira muito bem vinda, com destaque para as guitarras de Phil Campbell (Motörhead) e o vocal de John Corabi (Motley Crüe) e “Day Tripper”, em que o guitarrista Doug Aldricht (Dio/Whitesnake) soube explorar muito bem o potencial Heavy Metal do riff principal, o mesmo acontecendo com “I Feel Fine” que teve uma dose a mais de ‘sujeira’ muito bem vinda vinda dos vocais de John Bush (Anthrax) e das guitarras de Stephen Carpenter (DEFTONES).

O grande destaque do tributo, entretanto, vai para uma versão não tão Metal assim de “Hey Jude” que contou com arranjos de violões simples e muito bem sacados a cargo de George Lynch (DOKKEN / LYNCH MOB) e uma interpretação de Tim ‘Ripper’ Owens (Judas Priest) à altura do clássico. Os corais finais com os ‘na na nas’ contrastando com agudos incríveis característicos de Owens (e de muitas bandas de Heavy Metal desde os anos 80) traduz perfeitamente como o casamento entre a obra dos Beatles e o Metal pode trazer belos frutos quando explorado de maneira correta.  

Falando em destaques, impossível não mencionar a belíssima releitura da famosa e polêmica “Capa do Açougue” da coletânea “Yesterday & Today” (não poderia ser outra, né?). Dessa vez, vemos os Fab4 representados em carne viva e segurando pedaços de carne e uma caveira. Ao fundo uma parede toda manchada de sangue. Essa sátira muito bem sacada e que chama a atenção logo de cara é de autoria do artista Ed Repka que já criou capas icônicas no mundo do Metal para bandas como Megadeth (Rust in Peace e Peace Sells...), Death (Spiritual Healing e Scream Bloody Gore), Nuclear Assault (Game Over) dentre outras.


Do lado do “não foi bem assim” do Tributo, cabe citar “Magical Mistery Tour”, que teve seu groove já propenso ao Heavy Metal muito bem explorado pela cozinha formada pelo baixista Jeff Pilson (DOKKEN / FOREIGNER) e o baterista Frankie Banali (W.A.S.P. / QUIET RIOT), dignamente interpretada pela voz do excelente Jeff Scott Soto. A escorregada aqui fica por conta do solo quase que contínuo de Yngwie Malsmsteen durante a música toda. É inegável a destreza do lendário guitarrista em criar solos explosivos, assim como também, muitas vezes, é inegável a sua autoindulgência que pode colocar tudo a perder em exageradas fritações intermináveis e que no caso aqui, atrapalham a dinâmica que a faixa poderia ter tido. Aliás, o problema de solos muito extensos não é exclusividade dessa faixa (embora em MMT a coisa beire o insuportável), já que o mesmo se repete ao longo de boa parte do play. “Hey Bulldog”, “Lucy in the Sky with Diamonds”, “Tomorrow Never Knows” e “Revolution” são exemplos de ótimas interpretações que poderiam ter facilmente 1 a 2 minutos a menos de duração caso não tivessem priorizado tanto as fritações dos guitarristas. Sobre essa questão, à época do lançamento, o próprio produtor Bob Kulick declarou: “os solos de guitarra foram estendidos para acomodar todos os estilos dos artistas participantes". Ou seja: Foi um erro calculado. E o problema não é a duração dos solos em si; a questão é que praticamente todos os solos das músicas citadas acima soam como improvisos que partem de lugar algum e chegam a nenhum lugar.



Para um fã de Beatles não tão familiarizado com o universo do Heavy Metal, ignorando-se a tonelada de solos despejados ao longo de todo o trabalho (se é que será possível ignorá-los, rs), as interpretações mais pesadas e com uma boa dose a mais de volume, punch e distorção que as versões originais, podem valer como um bom cartão de visitas ao universo do Metal.

Salta aos ouvidos a boa intenção de Bob Kulick e de todas as estrelas presentes no tributo em prestar uma homenagem honesta e digna da carreira da maior banda de Rock de todos os tempos. Mas, como vocês sabem, de boas intenções o inferno está cheio....e de inferno, a galera do Metal entende e muito bem!


Ouça na íntegra no link abaixo:




Lista de faixas

01. "Hey Bulldog"
Alice Cooper - Vocais
Steve Vai - Guitarra
Duff McKagen (VELVET REVOLVER / GUNS N' ROSES) - Baixo
Mikkey Dee (MOTÖRHEAD) - Bateria

02. "Back In The USSR"
Lemmy Kilmister (MOTÖRHEAD) - Vocais/Baixo
John5 (MARILYN MANSON / ROB ZOMBIE) - Guitarras
Eric Singer (KISS / ALICE COOPER) - Bateria

03. "Lucy In The Sky With Diamonds"
Geoff Tate (QUEENSRYCHE) - Vocais
Michael Wilton (QUEENSRYCHE) - Guitarra
Craig Goldy (
DIO) - Guitarra
Rudy Sarzo (
DIO) - Baixo
Simon Wright (
DIO) - Bateria
Scott Warren (
DIO) - Teclados

04. "Tomorrow Never Knows"
Billy Idol - Vocais
Steve Stevens (BILLY IDOL) - Guitarra
Blasko (
OZZY OSBOURNE) - Baixo
Brian Tichy (BILLY IDOL) - Bateria

05. "Magical Mystery Tour"
Jeff Scott Soto (YNGWIE MALMSTEEN / SOUL SIRKUS) - Vocais
Yngwie Malmsteen (RISING FORCE / ALCATRAZZ) - Guitarra Solo
Bob Kulick, (MEAT LOAF / PAUL STANLEY BAND) - Guitarra Base
Jeff Pilson (DOKKEN / FOREIGNER) - Baixo
Frankie Banali (W.A.S.P. / QUIET RIOT) - Bateria

06. "Revolution"
Billy Gibbons (ZZ Top) - Vocais / Guitarra
Vivian Campbell (
DEF LEPPARD) - Guitarra
Mike Porcaro (TOTO) - Baixo
Gregg Bisonnette (DAVID LEE ROTH / RINGO STARR BAND) - Bateria
Joseph Fazzio (SUPERJOINT RITUAL) - Bateria

07. "Day Tripper"
Jack Blades (NIGHT RANGER / DAMN YANKEES) - Vocais
Tommy Shaw (STYX / DAMN YANKEES) - Vocais
Doug Aldrich (WHITESNAKE / DIO) - Guitarra
Marco Mendoza (WHITESNAKE / THIN LIZZY) - Baixo
Virgil Donati (STEVE VAI / SOUL SIRKUS / PLANET X) - Bateria

08. "I Feel Fine"
John Bush (
ANTHRAX) - Vocais
Stephen Carpenter (DEFTONES) - Guitarra
Mike Inez (OZZY OSBOURNE / ALICE IN CHAINS) - Baixo
John Tempesta (THE CULT / TESTAMENT) - Bateria

09. "Taxman"
Doug Pinnick (KING'S X) - Vocais
Steve Lukather (TOTO) - Guitarra
Tony Levin (JOHN LENNON / PETER GABRIEL) - Baixo
Steve Ferrone (ERIC CLAPTON / TOM PETTY) - Bateria

10. "I Saw Her Standing There"
John Corabi (MÖTLEY CRÜE) - Vocais
Phil Campbell (MOTÖRHEAD) - Guitarra
C.C. Deville (POISON) - Guitarra
Chris Chaney (JANE'S ADDICTION) - Baixo
Kenny Aronoff (SMASHING PUMPKINS / JON BON JOVI) - Bateria

11. "Hey Jude"
Tim "Ripper" Owens (JUDAS PRIEST / ICED EARTH) - Vocais
George Lynch (DOKKEN / LYNCH MOB) - Guitarra
Bob Kulick (MEAT LOAF / PAUL STANLEY BAND) - Guitarra Base
Tim Bogert (VANILLA FUDGE / BECK / BOGERT & APPICE) - Baixo
Chris Slade (
AC/DC) - Bateria

12. "Drive My Car"
Kip Winger (WINGER) - Vocais
Bruce Kulick (KISS / GRAND FUNK) - Guitarra
Tony Franklin (THE FIRM / WHITESNAKE) - Baixo
Aynsley Dunbar (WHITESNAKE / JOURNEY) - Bateria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beatlelogias - Entrevista para o Canal "Machado na TV"

Em pleno domingão de Carnaval, o beatlelogias.com recebeu o grande amigo, divulgador e incentivador cultural, Carlos Roberto de Souza, o Carlão, do canal do YouTube 'Machado na TV' para um bate-papo sobre o nosso blog, a nossa paixão pelos Beatles e como os garotos de Liverpool influenciaram quase tudo e quase todos, mesmo que de forma indireta.
Essa nossa conversa foi dividida em quatro vídeos de muita informação bom humor que acabou gerando mais seguidores para o beatlelogias.com.
Agradecemos a oportunidade que nos foi dada pelo brother Carlão de falar sobre esses quatro caras que fazem parte constantemente das nossas vidas e do mundo que eles deixaram para nós.
Tomara que vocês se divirtam o tanto que nós nos divertimos! Roll up for the Mystery Tour...

Vídeo 1: O começo de tudo e as colaborações no Blog
Na primeira parte da conversa, nós contamos como surgiu o nosso interesse pelos Beatles e como isso nos levou a realizar o betlelogias.com e e como conseguimos os colaboradores …

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…