Pular para o conteúdo principal

Klaus Voorman – o artista polivalente por trás da capa de Revolver




Um dia desses, estávamos fazendo nossas coisas e chegaram algumas pessoas de aparência um pouco estranha que não se pareciam com ninguém. Imediatamente, sentimos: 'Wey-ei ... espíritos afins ... algo está acontecendo aqui'. Eles entraram e se sentaram e eram Astrid, Jürgen e Klaus. - Paul McCartney (Anthology)
Filho de médico, Voormann nasceu em 29 de abril de 1938, no norte de Berlim, Alemanha. Ele estudou piano clássico entre 8 e 15 anos, mas seus pais decidiram que ele deveria estudar arte comercial na Meisterschule für Grafik und Buchgewerbe, em Berlim.

Mudou-se para Hamburgo onde começou a trabalhar como artista comercial, designer gráfico e ilustrador antes de concluir seus estudos. Na cidade Voormann conheceu Astrid Kirchherr, fotógrafa com quem iniciou um relacionamento.

Conta a lenda que após uma discussão com Kirchherr e seu amigo Jürgen Vollmer, Voormann entrou na Reeperbahn de Hamburgo, no distrito de St Pauli. Lá, ele ouviu músicas vindas de dentro do clube Kaiserkeller e decidiu investigar. Rory Storm e the Hurricanes, com Ringo Starr, estavam no palco; os próximos a tocar foram os Beatles, e Voormann decidiu ficar e assistir. Após presenciar a performance dos dois grupos ficou "sem palavras" pelas performances. Um fã de jazz que foi criado ouvindo música clássica, foi a primeira vez que escutou rock 'n' roll. No dia seguinte, ele trouxe Kirchherr e Vollmer ao clube para ver os Beatles, e todos os três se apaixonaram pelos sons e energia dos grupos britânicos.

Durante uma pausa nas performances, Voormann falou brevemente com John Lennon em inglês vacilante. Lennon sugeriu que ele falasse com o baixista do grupo, Stuart Sutcliffe, a quem ele descreveu como "o artista por aqui". Lennon inicialmente desprezou Voormann e seus amigos, embora - como os outros Beatles - ele mais tarde tenha passado a contá-los como amigos. Ele apelidou o trio de Exis, uma piada sobre a afetação deles pelo existencialismo.

Os Beatles nos dias de Hamburgo

Artista e músico, Voormann e Astrid Kirchherr, beatniks por excelência, ostentavam roupas pretas e uma cara temperamental debaixo de uma franja que complementava seu corte de cabelo que influenciaria os Beatles, se tornando mais tarde marca registrada indissociável da imagem inicial da banda.
Klaus Voormann deixou a Alemanha em direção a Londres no início dos anos 60 para trabalhar como artista comercial em uma agência de publicidade. Ele foi convidado a morar com George Harrison e Ringo Starr em seu apartamento na Green Street, embora mais tarde tenha alugado um apartamento próprio. Ele voltou a Hamburgo em 1963, fundando um grupo musical, “Paddy, Klaus & Gibson”. Brian Epstein tornou-se gerente deles após uma apresentação no Pickwick Club de Londres.

Em 1966, Voormann voltou para Londres e John Lennon o convidou a projetar a capa do novo álbum dos Beatles. Ele passou algumas semanas desenhando ideias, eventualmente se estabelecendo nos desenhos dos quatro Beatles com montagens de recortes espalhadas ao redor.

A criação da capa de Revolver segundo Klaus Voorman:

“Eu recebi um telefonema de John. Ele apenas disse: "Tem alguma ideia para a capa do nosso novo álbum? Eu pensei: 'Meu Deus! Fazer uma capa para a banda mais famosa do mundo? Isso me assustou um pouco mas logo passou.
- Eu me lembro, quando eu criei a capa de Revolver. Foi no terceiro andar de uma casa, em um pequeno apartamento no sótão. Foi na cozinha no Parliament Hill, em Hampstead.
- 1966 foi o momento em que os Beatles estavam muito, muito ocupados. Eles estavam fazendo um álbum após o outro. Eles estavam gastando mais tempo no estúdio, na sala de controle, brincando com sons, como nunca fizeram antes. Eles tinham uma turnê pela Alemanha chegando, e depois iriam para o Japão. Eles tinham apenas mais algumas semanas disponíveis para trabalhar em seu novo álbum, aquele que seria chamado de Revolver, e então, de repente, eles estavam fora em turnê.”

Voorman contou suas lembranças sobre a icônica capa em seu livro  “Revolver 50” que contou com prefácio de Paul que atestou: “ No fim, a capa de Revolver foi um clássico e esse livro é outro”
Sobre o processo de criação da capa, Voorman se lembra de quando foi ouvir as músicas do álbum para lhe ajudar no desenvolvimento do conceito: 
"Então, a banda só me pediu para vir até Abbey Road Studios. Já tinham gravado cerca de dois terços das faixas. Quando ouvi a música, fiquei chocado, era tão grande, tão incrível. Mas era assustador porque a última música que eles tocaram para mim foi Tomorrow Never Knows”.

"Quando eu tinha terminado meu trabalho para a capa, Brian Epstein ficou realmente emocionado com o meu projeto. Ele me disse: 'Klaus, o que você fez é o que realmente era necessário. Eu estava com medo de que o novo material da banda não fosse bem aceito por seu público, mas a sua capa será a ponte". Voormann acrescenta: "Levei cerca de três semanas para criar a capa, mas em termos de trabalho concentrado, cerca de uma semana." A maior parte desse tempo foi gasto com uma tesoura, bisturi e cola, selecionando e organizando fragmentos de fotografias dentro de desenhos de linhas dos Beatles.

Apesar de ter ganho um Grammy em 1967 pela produção da capa, Voorman se lembra que à época, não recebeu uma grande quantia da banda por sua confecção, o que de forma alguma lhe incomodou: "Eu recebi 50 libras por ela. Eu teria feito de graça - e eu não sinto que eu estava em uma posição de me fazer de difícil para eles, dizendo: "Vocês tem que me pagar este ou aquele tanto. Eles [EMI] disseram que 50 libras era o limite absoluto para uma capa de disco.”

Ainda em 1966, Voormann ajudou nos filmes promocionais dos Beatles para Paperback Writer e Rain. Ele também foi contratado para criar a capa do álbum de estreia dos Bee Gees; a obra de arte resultante mostrava os cinco membros do grupo em pé acima de uma colagem psicodélica. No mesmo ano, ele se juntou a Manfred Mann no baixo, cargo que manteve até 1969. Ele já havia sido convidado para se juntar ao The Hollies e ao Moody Blues.

Nos anos 70, Voorman se tornou figura conhecida no circuito de Pop e Rock inglês, tocando com artistas do calibre de Ringo Starr, George Harrison, Lou Reed, Carly Simon, James Taylor, Harry Nilsson e John Lennon – incluindo “Imagine”, onde além de baixista em várias faixas, também prestou seu talento artístico com o design gráfico do álbum. Também foi responsável pelas capas do “Anthology” dos Beatles, lançados entre 1995 e 1996.

Voorman tocando com John nas sessões de How do You Sleep? 



Fontes:
The Beatles – A única biografia autorizada (Hunter Davies)
The Beatles 1966 (Steven Turner)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Do Rio ao Universo: Lizzie Bravo - A brasileira que gravou com os Beatles

Por Alysson Almeida
Imagine-se em um barco em um rio, com árvores de tangerina e céus de marmelada... Cantava John Lennon na proposta lisérgica de Lucy in the Sky With Diamonds. Seria a viagem perfeita! Mas, tente se imaginar dentro do estúdio de Abbey Road dividindo os microfones com os Fab Four no clássico Across the Universe... seria um sonho! E para nos contar como foi realizar esse sonho, a brasileira Elizabeth ‘Lizzie’ Bravo, atendeu o Beatlelogias trazendo histórias da sua estadia na pulsante Londres nos anos 1960, da proximidade diária com os rapazes de Liverpool, de “Do Rio a Abbey Road”, seu livro que já vai para a segunda edição, e como é ser a única brasileira a gravar com os Beatles. Words are flowing out like endless rain into a paper cup...
Beatlelogias - Chegando em Londres em 1967, no boom da cultura da psicodelia, com todas as mudanças comportamentais e sociais da época, como foi para uma menina do Rio de Janeiro viver na Swinging London dos anos 60? Lizzie Bravo: Aos 1…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

Os Beatles muito além de "Let it Be" (Entrevista com Ricardo Pugialli)

Biólogo por formação, beatlemaníaco por convicção. Podemos creditar a Ricardo Pugialli o título de maior escritor brasileiro sobre a trajetória dos FabFour antes, durante e a partir de agora, também após os "The Beatles". Pesquisador desde 1980 da obra dos 4 garotos de Liverpool, Pugialli lançou em 1992 "Os Anos da Beatlemania". Em 2008 alcançou reconhecido sucesso com o lançamento do livro "Beatlemania" e agora, 11 anos depois, volta para contar em "The Beatles 1970-80" o que o próprio considera como uma continuação natural do primeiro livro. O Beatlelogias teve o prazer de conversar com Ricardo sobre a influência dos "Beatles" nas gerações atuais, a carreira dos quatro além da banda e muito mais.  Com a palavra, o próprio!
por Alysson Almeida e Leko Soares
Beatlelogias - O seu livro 'Beatlemania' de 2008, teve prefácio de Sir George Martin. Como foi que se deu o contato entre vocês? Teve alguma coisa a ver com a sua participaçã…