Pular para o conteúdo principal

FAB Covers III - As canções regravadas por John e Paul em carreira solo


PARTE III – CARREIRAS SOLO

Depois do final da banda, os quatro Beatles incluíram releituras de outros compositores em seus discos de carreira solo. Inclusive, John Lennon, Paul McCartney e Ringo Starr gravaram álbuns inteiros só com covers de outros artistas. Nessa pegada, John gravou Rock ‘n’ Roll em 1975, Paul lançou Choba B CCCP e Run Devil Run, em 1988 e 1999, respectivamente, e Ringo abriu sua discografia solo com rendições de antigos standards do cancioneiro norte-americano em Sentimental Journey, de 1970. Apesar de não ter se aventurado tanto quanto os colegas de banda nesse universo de homenagens, George também pincelou seus álbuns na sua carreira solo com alguns covers de vez em quando, aqui e acolá.
Fechando a saga dos covers na carreira dos Fab Four, nos restringimos a trazer somente as reinterpretações eternizadas nos álbuns de estúdio da carreira solo dos quatro cabeludos nesta terceira parte. Pois, se enveredássemos pelos discos ‘ao vivo’ e ‘bootlegs’, a coisa não teria fim!

Roll Up for The Mystery (cover) Tour...


JOHN & PAUL


JOHN LENNON



Some Time in New York City – 1972

Well (Baby Please Don't Go): foi escrita por Walter Ward e lançada pelo seu grupo de doo-woop The Olympics em 1958.





Walls and Bridges, 1974

Ya Ya: é uma música do cantor de R&B Lee Dorsey, lançada em 1961.





Rock 'n' Roll (1975)

Be-Bop-A-Lula: é uma música de rockabilly gravada pela primeira vez em 1956 por Gene Vincent e His Blue Caps.



Stand By Me: é uma música originalmente gravada em 1961 pelo cantor e compositor americano Ben E. King e escrita por King, Jerry Leiber e Mike Stoller.


Rip It Up / Ready Teddy: medley de canções lançadas por Little Richard em 1956.


You Can’t Catch Me: música escrita e gravada por Chuck Berry, lançada como single em 1956.


Ain’t That a Shame: música escrita por Fats Domino e Dave Bartholomew. A gravação de Domino da música, originalmente chamada como "Ain't It a Shame", lançada pela Imperial Records em 1955.


Do You Wanna Dance: canção escrita pelo cantor americano Bobby Freeman e gravada por ele em 1958. Atingiu o número 5 na parada pop dos Estados Unidos da Billboard entre os 100 melhores lados e o número 2 na parada da Billboard de R&B. Foi regravada por inúmeros artistas como Johnny Rivers, Beach Boys e Ramones.


Sweet Little Sixteen: é uma música de rock and roll escrita e gravada pela primeira vez por Chuck Berry, que a lançou como single em janeiro de 1958.


Slippin’ and Slidin': é uma música de R & B / Rock 'n' Roll gravada por Little Richard em 1956. A música é creditada a Little Richard, Edwin Bocage (Eddie Bo), Al Collins e James Smith.


Peggy Sue: é uma música de Rock And Roll escrita por Jerry Allison e Norman Petty e gravada e lançada como single por Buddy Holly no início de julho de 1957. Os Crickets não são mencionados no rótulo do single, mas os membros da banda Joe B. Mauldin (contrabaixo) e Jerry Allison (bateria) tocaram na gravação. Esta gravação também foi lançada no álbum de mesmo nome de Holly em 1958.


Bring It On Home to Me / Send Me Some Lovin: medley de duas canções de autores diferentes. Bring It On Home to Me’ é uma música do cantor de soul americano Sam Cooke, lançada em 8 de maio de 1962 pela RCA Victor. ‘Send Me Some Lovin'’ é um clássico do rock and roll de 1957 gravado por Little Richard.



Bony Moronie: foi o terceiro single de Larry Williams, lançado em 1957. O original de Williams alcançou o 14º lugar na parada Billboard Hot 100 e o 4º lugar na parada de R&B dos EUA. Desde então, a música foi abordada muitas vezes.


Just Because: canção gravada em 1957 pelo cantor de R&B Lloyd ‘Mr. Personality’ Price.


Angel Baby: foi um single de 1960 lançada pelo grupo Rosie & The Originals. A música foi gravada de forma independente em um gravador de dois canais na pequena comunidade agrícola de San Marcos CA, quando a vocalista Rosie Hamlin tinha apenas 15 anos de idade.


To Know Her Is to Love Her: escrita por Phil Spector, inspirado por palavras na lápide de seu pai, "Conhecê-lo era amá-lo". Foi gravado pela primeira vez pelo único grupo vocal do qual ele era membro, The Teddy Bears. Em 1987, a música foi ressuscitada por Dolly Parton, Linda Ronstadt e Emmylou Harris, cuja gravação no Trio liderou a parada de singles nos EUA.


(Since) My Baby Left Me: é uma canção de R&B escrita pelo cantor de blues Arthur ‘Big Boy’ Crudup. Foi gravada pela primeira vez por Crudup em Chicago em 8 de novembro de 1950, com Ransom Knowling no baixo e Judge Riley na bateria, e foi lançada como single no RCA Victor. Foi regravada por Elvis Presley, assim como outra canção de Crudup, That’s All Right (Mmma).




PAUL MCCARTNEY


Wild Life (1971)

Love Is Strange: hit gravado pelo dueto americano de Rhythm & Blues Mickey & Sylvia, lançado no final de novembro de 1956 pela gravadora Groove.  A música foi baseada em um riff de guitarra de Jody Williams. A música foi escrita por Bo Diddley com o nome de sua esposa na época, Ethel Smith, e foi gravada por Bo e Buddy Holly, entre outros. O riff de guitarra também foi usado por Dave "Baby" Cortez em sua música instrumental de 1962 "Rinky Dink", também creditada a Diddley.




Back To The Egg - 1979

Rudolph the Red-Nosed Reggae: canção do compositor Johnny Marks baseada na história de 1939 Rudolph, a Rena do Nariz Vermelho. A gravação de Gene Autry alcançou o primeiro lugar nas paradas dos EUA na semana do Natal de 1949.




Choba B CCCP (1988)

Kansas City: Gravada pela primeira vez por Little Willie Littlefield no mesmo ano, a música mais tarde se tornou um sucesso no topo das paradas quando foi gravada por Wilbert Harrison em 1959. "Kansas City" é uma das músicas mais gravadas de Leiber e Stoller, com mais de trezentas versões.


Twenty Flight Rock: música originalmente gravada por Eddie Cochran na comédia de 1956 ‘The Girl Can't Can't It’, e lançada como single no ano seguinte. A contribuição de Cochran foi principalmente na música. Sua versão tem o estilo rockabilly, mas artistas de vários gêneros regravaram a música.


Lawdy, Miss Clawdy: é uma canção de R&B do cantor / compositor de Nova Orleans Lloyd Price. Foi gravada pela primeira vez por Price em 1952 com Fats Domino e Dave Bartholomew. A música se tornou um dos mais vendidos discos de R&B de 1952 e passou para outros públicos. "Lawdy Miss Clawdy" inspirou muitas músicas e foi gravada por uma variedade de artistas, incluindo Elvis Presley e Lemmy Kilmister.


I'm in Love Again: é um single de 1956 de Fats Domino. A música foi escrita por Domino e seu colaborador de longa data, Dave Bartholomew. O single foi o terceiro número um de Domino na lista de mais vendidos de R&B, onde ficou no topo por sete semanas.


Bring It On Home to Me: é uma música do cantor de soul americano Sam Cooke, lançada em 8 de maio de 1962 pela RCA Victor, alcançou o número dois na parada Hot R&B Sides da Billboard, e também alcançou o número 13 na Billboard Hot 100.


Lucille: rock and roll de 1957 gravado originalmente por Little Richard. O single alcançou o número um na parada da Billboard de R&B, 21 na parada pop dos EUA  e o número 10 na parada britânica. Foi composta por Albert Collins (não confundir com o guitarrista de blues de mesmo nome) e Little Richard. As primeiras edições da Specialty 78rpm creditam Collins como o único escritor. Little Richard comprou metade dos direitos da música enquanto Collins estava na Penitenciária Estadual da Louisiana.


Don't Get Around Much Anymore: é um standard de jazz escrito pelo compositor Duke Ellington. A música foi originalmente intitulada "Never No Lament" e foi gravada pela primeira vez por Duke Ellington e sua orquestra em 4 de maio de 1940. "Don't Get Around Much Anymore" rapidamente se tornou um sucesso depois que Bob Russell escreveu sua letra em 1942.


I'm Gonna Be a Wheel Someday: é uma canção popular escrita por Roy Hayes, Fats Domino e Dave Bartholomew. A música foi gravada pela primeira vez por Bobby Mitchell & The Toppers em 1957 e lançada no mesmo ano.


That's All Right Mama: escrita e originalmente gravada pelo cantor de blues Arthur Crudup em 1946. É mais conhecida como o primeiro single gravado e lançado por Elvis Presley. A versão de Presley foi gravada em 5 de julho de 1954, e lançada em 19 de julho de 1954 com "Blue Moon of Kentucky" como o lado B. Foi classificado como 113 na lista da revista Rolling Stone de 2010 das "500 Maiores Músicas de Todos os Tempos".


Summertime: é uma ária composta em 1934 por George Gershwin para a ópera de 1935, Porgy and Bess. As letras são de DuBose Heyward, autor do romance Porgy no qual a ópera se baseou, embora a música também seja co-creditada a Ira Gershwin.


Ain't That a Shame: música escrita por Fats Domino e Dave Bartholomew. A gravação de Domino da música, originalmente chamada como "Ain't It a Shame", lançada pela Imperial Records em 1955.


Crackin' Up: escrita e gravada por Bo Diddley e lançada como segundo single de seu segundo álbum ‘Go Bo Diddley’, em 1959.


Just Because: é uma música escrita por Joe Shelton, Sydney Robin e Bob Shelton e originalmente gravada pelos Nelstone's Hawaiians em 1929 e posteriormente gravada pelos The Shelton Brothers em 1933.


Midnight Special: é uma canção folclórica tradicional que se acredita ter se originado entre prisioneiros no sul da América. A música se refere ao trem de passageiros Midnight Special e sua "luz sempre amorosa" (às vezes "luz sempre viva"). A música é historicamente tocada no estilo country-blues do ponto de vista do prisioneiro e foi abordada por muitos artistas.




Run Devil Run (1999)

Bluejean Bop: é a música de abertura do álbum de estreia e epônimo de Gene Vincent e His Blue Caps, lançado em 1956 pela gravadora Capitol.


She Said Yeah: foi originalmente o lado B do single de Larry Williams [Bad Boy], e foi gravdo pelos Rolling Stones e The Animals, entre outros. Os Beatles adoraram a música e constantemente a apresentaram no palco e pretendiam gravá-la.


All Shook Up: gravada por Elvis Presley e composta por Otis Blackwell. O single alcançou o Top 100 da Billboard nos EUA em 13 de abril de 1957, permanecendo lá por oito semanas. Ela também liderou o ranking de R&B da Billboard por quatro semanas, tornando-se o segundo single de Presley a fazê-lo, e alcançou o primeiro lugar no ranking de diversos países também.


No Other Baby: música escrita por Dickie Bishop e Bob Watson, originalmente gravada em 1957 por Dickie Bishop e The Sidekicks. As primeiras versões foram gravadas por The Vipers (1958), Bobby Helms (1959) e Paul e Paula (1964).


Lonesome Town: música escrita por Baker Knight. Uma versão cantada por Ricky Nelson se tornou um single de sucesso nos Estados Unidos, alcançando o 7º lugar na Billboard Hot 100 e o 15º na parada de R&B em 1958.


Movie Magg: música rockabilly de 1955, escrita por Carl Perkins e lançada na Flip Records, uma subsidiária da Sun Records. Perkins havia escrito a música aos 13 anos. Foi baseado na história verdadeira da namorada de Perkins, Maggie, e em suas ocasionais viagens ao cinema nos fins de semana. Sendo filho de um pobre aprendiz, Perkins não tinha carro para levar Maggie ao espetáculo, então os dois cavalgaram em sua mula, Becky.


Brown Eyed Handsome Man: é uma música de rock and roll escrita e gravada por Chuck Berry, originalmente lançada pela Chess Records em setembro de 1956 como o lado B de "Too Much Monkey Business". Também foi incluída no álbum de estreia de Berry em 1957, After School Session. O título da música também foi usado como o título de uma biografia de Berry.


Coquette: é uma música de Fats Domino, lançada como o lado B de "Whole Lotta Loving" em outubro de 1958.


I Got Stung: é um rock and roll, escrita por Aaron Schroeder e David Hill e tocada por Elvis Presley, que foi gravada e lançada em 1958. Com menos de dois minutos de duração, apresenta alguns dos vocais mais rápidos de Elvis e seu lado humorístico. Com letras cativantes, e foi lançado como duplo do lado A com "One Night", alcançando a primeira posição no Reino Unido. Presley gravou isso, sua música final dos anos 50, em 11 de junho de 1958, quando foi para Nashville durante sua passagem pelo exército, enquanto se preparava para zarpar para a Alemanha.


Honey Hush: escrita por Big Joe Turner (embora tenha atribuído os direitos a sua esposa, Lou Willie Turner), foi gravada em maio de 1953 em Nova Orleans, Louisiana, e lançada em agosto pela Atlantic Records. Foi uma música número um na parada americana de Rhythm and Blues por oito semanas e o número 23 na parada pop.


Shake a Hand: é um single de 1953 escrito pelo trompetista e líder de banda Joe Morris e originalmente apresentado por Faye Adams, cuja versão alcançou o número um na parada de R&B por nove semanas. A música, que tem uma forte sensação evangélica, retrata um novo amante tranquilizador, fazendo promessas. "Apenas me dê uma chance, eu vou cuidar de tudo".



Party: "Let's Have a Party" é uma música de 1957, escrita por Jessie Mae Robinson e gravada por Elvis Presley para o filme Loving You. Wanda Jackson gravou a música em seu primeiro álbum, Wanda Jackson, lançada em 1958. A música foi lançada como single por Jackson em 1960 e entrou nas paradas do Reino Unido em 1º de setembro daquele ano, passando oito semanas lá e alcançando o 32º lugar; alcançou também o número 37 na Billboard Hot 100 em 1960.


Fabulous: é uma música de 1957 de Charlie Gracie. É sua segunda e última aparição no Top 40 da Billboard, além do "Butterfly" no topo das paradas. Ele chegou ao número 16 na tabela da Billboard dos EUA. A música era popular no Reino Unido e alcançava o número 6 na parada britânica de singles.



... Logo mais George & Ringo chegam pra fechar (realmente) a saga!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os 10 Sintomas da Beatlemania (diagnóstico)

por Leko Soares e Alysson Almeida
Em 2020 vivemos um dos momentos decisivos e mais tristes da humanidade desde 1945, com o fim da Segunda Guerra Mundial. Como ainda não temos uma cura para os malefícios do COVID-19, as entidades médicas e científicas continuam adotando como recomendação padrão o isolamento social como a melhor forma de nos prevenirmos e também, de não propagarmos a doença para pessoas que possam sofrer suas graves consequências.
Nesse momento em que nós, pessoas conscientes, temos nos fechado cada vez mais em nossos lares em quarentena, a arte em suas mais diversas formas de manifestação tem sido nossa companheira inseparável e portadora de alento para nossa saúde física e mental.
Pensando nisso, e propondo um contraponto a esse momento tão incerto, o beatlelogias.com resolveu elaborar uma lista com a identificação de 10 sintomas que te ajudará no diagnóstico preciso de um distúrbio do bem: A Beatlemania. Bora lá saber em qual estágio você se encontra?
Ah, lembrando que…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Crônica 2 - "Toca Raunchy, George"

Liverpool, 06 de fevereiro de 1958.

Querido diário,

Hoje fui com as meninas da escola assistir ao meu primeiro show de Rock and Roll... The Quarrymen no Wilson Hall em Garston.
Os discos do Elvis que irritavam meus pais já não eram mais suficientes para saciar o meu vício. Ainda mais sabendo que Liverpool tinha bandas de rock que tocavam regularmente há mais de um ano. Eu tinha que ver de perto! Mas, eu, Peggy Smith, com apenas 15 aninhos não era 'adulta' o suficiente para poder estar rodeada de cabeludos, ouvindo aquela música do diabo... Ainda posso ouvir minha mãe dizendo essas palavras! Então, falei para os meus pais que iria dormir na casa de uma amiga, Martha Quinn, para estudarmos para a prova de aritmética do dia seguinte. Martha, era filha de mãe solteira, pois o pai havia morrido na guerra. A mãe dela, Gladys, era enfermeira no turno da noite no Hospital Wolton, na Rice Lane.  Oportunidade perfeita para irmos ao show. Pegamos o ônibus até Lowbridge Court e de lá fomos a pé…

Crônica 1 - "Uma tarde em Woolton"

Liverpool, 6 de julho de 1957.

Meu nome é Peter Jones. Estudo arte dramática no Liverpool Institute. Tenho 22 anos.
Eu e alguns amigos resolvemos nos juntar para produzir um jornalzinho da escola, dirigido aos alunos, para exercitar nossa verve literária e ver o que estava acontecendo de interessante na cinzenta Liverpool.
Minha primeira missão: Fazer a cobertura da quermesse anual da igreja de São Pedro, em Woolton. O tempo estava bom, e sendo um liverpooliano, já tinha me acostumado ao verão quase frio dessas bandas do norte. Ao sair peguei um casaco, por precaução.
Me sentei sozinho no andar de cima do ônibus no caminho de ida, para organizar minhas ideias e tentar tirar algo de realmente bom de uma festinha de bairro.
Chegando lá, em meio a barraquinhas de comidas típicas, senhoras vendiam arranjos de flores e havia umas moças bem bonitas, enfermeiras, arrecadando fundos para a reforma do orfanato do Exército da Salvação, Strawberry Fields. Passei por ele no caminho para a feira.
Fui lo…