Pular para o conteúdo principal

The One and Only Billy Shears... Ringo Starr - 80 anos




Por Alysson de Almeida

DA INFÂNCIA AO BEATLES

Enquanto a Luftwaffe infligia um dos seus mais violentos bombardeios contra a cidade portuária inglesa de Liverpool, no dia sete de julho de 1940, era simultaneamente trazido à luz o filho único do casal de confeiteiros Richard Starkey e Elsie Gleave. O pequeno Ritchie, que também recebera o nome do pai, veio ao mundo no número 9 da Madryn Street, em Dingle, subúrbio de Liverpool.


Elsie gostava de cantar e dançar, um hobby que compartilhava com o marido, um ávido fã de swing. O casal era habitué no circuito de bailes de dança de salão local. Mas, depois do nascimento do pequeno Ritchie, acabaram tendo que ficar mais caseiros. Elsie adotou uma conduta superprotetora para criar o filho que beirava a paranoia. Posteriormente, "Big Ritchie", como o pai de Ritchie ficou conhecido, perdeu o interesse em sua família, optando por passar horas bebendo e dançando em bares, às vezes por vários dias consecutivos.

Com planos para reduzir os custos de moradia, sua família mudou-se em 1944 para outro bairro de Dingle, o Almirante Grove; logo depois, seus pais se separaram e se divorciaram dentro de um ano. Elsie achou difícil sobreviver com os pagamentos de apoio de seu ex-marido de trinta xelins por semana, então ela assumiu vários empregos servis limpando casas antes de garantir uma posição como garçonete, uma ocupação que ela manteve por doze anos.


Ringo afirmou mais tarde que "não tem lembranças reais" de seu pai, que fez pouco esforço para se relacionar com ele, visitando-o apenas três vezes depois disso.

Aos seis anos de idade, Ritchie desenvolveu apendicite. Após uma apendicectomia de rotina, ele contraiu peritonite, levando-o a entrar em um estado de coma que durou dias. Sua recuperação durou doze meses, que ele passou longe de sua família no hospital infantil de Myrtle Street, em Liverpool. Após sua alta em maio de 1948, sua mãe permitiu que ele ficasse em casa, fazendo com que ele faltasse à escola.

Até os oito anos, ele permaneceu analfabeto e com pouca compreensão da matemática. Sua pouca educação contribuiu para um sentimento de alienação na escola, o que resultou longos e regulares períodos de brincadeira em Sefton Park.

Depois de vários anos de aulas duas vezes por semana com sua vizinha, Marie Maguire Crawford, Ritchie quase alcançou seus colegas academicamente, mas em 1953 ele contraiu tuberculose e foi internado em um sanatório, onde permaneceu por dois anos.


Durante sua estadia no sanatório, a equipe médica fez um esforço para estimular a sua atividade motora e aliviar o tédio, incentivando seus pacientes a ingressar na banda hospitalar, levando à sua primeira exposição a um instrumento de percussão: um martelo de percussão improvisado feito de uma bobina de algodão. Logo depois, ele ficou cada vez mais interessado em tocar bateria, recebendo uma cópia do single de Alyn Ainsworth "Bedtime for Drums", como presente de convalescença por Crawford.

"Eu estava na banda do hospital ... Foi aí que eu realmente comecei a tocar. Eu nunca quis mais nada a partir daí ... Meus avós me deram um bandolim e um banjo, mas eu não os quis. Meu avô me deu uma gaita ... tínhamos um piano - nada. Apenas a bateria ", diria Ringo, anos mais tarde.


Em 17 de abril de 1954, Elsie se casou com Harry Graves, um londrino que havia se mudado para Liverpool após o fracasso de seu primeiro casamento. Graves, um fã apaixonado da música big band e seus vocalistas, apresentou Ritchie às gravações de Dinah Shore, Sarah Vaughan e Billy Daniels. Graves afirmou que ele e "Ritchie" nunca tiveram uma conversa desagradável entre eles; Mais tarde, Ringo comentou: "Ele foi ótimo ... eu aprendi gentileza com Harry".


Da prolongada permanência no hospital após a recuperação de Ritchie da tuberculose, ele não voltou à escola, preferindo ficar em casa e ouvir música enquanto brincava batendo em latas de biscoito com pedaços de pau. Em meados de 1956, Graves garantiu à Ritchie uma posição de aprendiz de operador de máquina na Henry Hunt and Son, fabricante de equipamentos escolares de Liverpool. Enquanto trabalhava na fábrica, Ritchie fez amizade com Roy Trafford, e os dois se uniram por seu interesse comum pela música. Trafford apresentou Ritchie ao skiffle, e ele rapidamente se tornou um admirador fervoroso.

Em novembro de 1959, Ritchie juntou-se ao Al Caldwell's Texans, um grupo de skiffle que procurava alguém com uma bateria adequada para que o grupo pudesse passar de um dos mais conhecidos skiffle de Liverpool para uma banda de rock and roll. Eles começaram a tocar em clubes locais como Texans Raging, depois mudaram para Jet Storm, antes de se estabelecerem como Rory Storm and the Hurricanes, pouco antes de recrutar Ritchie. Nessa época, ele adotou o nome artístico Ringo Starr; devido aos anéis que ele usava. Seus solos de bateria nesse período eram anunciados como ‘Starr Time’.


No início de 1960, os Hurricanes haviam se tornado uma das principais bandas de Liverpool. Em maio, eles fizeram uma estadia de três meses em um acampamento de férias em Butlins, no País de Gales. Embora inicialmente relutasse em aceitar esta estadia e encerrar seu aprendizado de maquinista de cinco anos, iniciado quatro anos antes, Ringo finalmente concordou com o acordo. 

O show do Butlins levou a outras oportunidades para a banda, incluindo uma desagradável turnê pelos bases da Força Aérea dos EUA na França, sobre a qual Ringo comentou mais tarde: "Os franceses não gostam dos britânicos; pelo menos eu não gostei deles".  Os Hurricanes tornaram-se tão bem-sucedidos que, quando inicialmente ofereceram uma estadia altamente cobiçada em Hamburgo, eles recusaram por causa de seu compromisso anterior com Butlins.

Eles finalmente aceitaram, juntando-se aos Beatles no Kaiserkeller de Bruno Koschmider em 1 de outubro de 1960, onde Ringo conheceu a banda. Rory Storm & the Hurricanes foram os principais responsáveis pelos Beatles, que também receberam menores salários. Ringo se apresentou com os Beatles durante alguns compromissos em Hamburgo. Em 15 de outubro de 1960, ele tocou bateria com John Lennon, Paul McCartney e George Harrison, gravando com eles pela primeira vez enquanto apoiava o cantor dos Hurricanes, Lu Walters na ária "Summertime" de George Gershwin / DuBose Heyward.

Na primeira estadia de Ringo em Hamburgo, ele também conheceu Tony Sheridan, que valorizou suas habilidades de bateria a ponto de pedir a Ringo que deixasse os Hurricanes e se juntasse à sua banda.

Ringo deixou Rory Storm and the Hurricanes em janeiro de 1962 e juntou-se brevemente a Sheridan em Hamburgo antes de retornar aos Hurricanes para uma terceira temporada em Butlins. Porém, em 14 de agosto, Ringo aceitou o convite de Lennon para se juntar aos Beatles. Em 16 de agosto, o empresário dos Beatles, Brian Epstein, demitiu seu baterista, Pete Best. Ringo se apresentou pela primeira vez como membro dos Beatles em 18 de agosto de 1962, em Port Sunlight.

Após sua aparição no Cavern Club no dia seguinte, os fãs, chateados com a demissão, fizeram vigílias do lado de fora de sua casa e no clube gritando "Pete para sempre! Ringo nunca!"  Harrison recebeu um olho roxo de um fã chateado, e Epstein, cujos pneus do carro haviam sido rasgados pela raiva dos fãs, contratou temporariamente um guarda-costas.


A primeira sessão de gravação de Ringo como membro dos Beatles ocorreu em 4 de setembro de 1962. Ele afirmou que Martin pensava que "estava louco e não podia tocar ... porque eu estava tentando tocar percussão e bateria ao mesmo tempo, éramos apenas uma banda de quatro caras".

Na segunda sessão de gravação com Ringo, em 11 de setembro de 1962, Martin o substituiu pelo baterista Andy White, enquanto a gravação leva para o que seriam os dois lados do primeiro single dos Beatles, "Love Me Do", apoiado por "PS I Love You". Ringo tocou pandeiro em "Love Me Do" e maracas em "P.S. I Love You".

Preocupado com o status dele nos Beatles, ele pensou: "Esse é o fim, eles estão fazendo comigo o mesmo que com Pete Best". Martin esclareceu mais tarde: "Eu simplesmente não sabia como era Ringo e não estava. preparado para assumir riscos".

Em novembro de 1962, Ringo havia sido aceito pelos fãs dos Beatles, que agora estavam pedindo que ele cantasse. Ele começou a receber uma quantidade de correspondência de fãs igual à dos outros, o que ajudou a garantir sua posição dentro da banda.


Ringo considerou-se afortunado por estar no mesmo "comprimento de onda" que os outros Beatles: "Eu tinha que estar ou não teria durado. Eu tive que me juntar a eles como pessoa e também como baterista".

Foi dada a ele uma pequena porcentagem da editora de Lennon e McCartney, Northern Songs, mas derivou sua renda primária durante esse período de uma parte de um quarto da Beatles Ltd, uma empresa financiada pelos ganhos líquidos em shows da banda.

A VIDA PÓS BEATLES E A All-STARR BAND

Como todos sabemos, a carreira de Ringo com os Beatles durou até 1970. Pouco antes de Paul anunciar sua saída dos Beatles em abril de 1970, ele e Ringo se desentenderam devido à recusa de Paul em ceder a data de lançamento de seu álbum solo de mesmo nome para permitir a estreia de Ringo, Sentimental Journey e Let It Be dos Beatles.


O álbum Sentimental Journey, composto por versões de standards pré-rock que incluíam arranjos musicais de Quincy Jones, Maurice Gibb, George Martin e Paul McCartney, alcançou o número sete no Reino Unido e o número 22 nos EUA. Ringo seguiu Sentimental Journey com o Beaucoups of Blues, inspirado e com o som calcado no Country, projetado por Scotty Moore e apresentando o renomado músico de estúdio de Nashville, Pete Drake. Apesar das críticas favoráveis, o álbum foi um fracasso comercial. Ringo posteriormente combinou suas atividades musicais com o desenvolvimento de uma carreira como ator de cinema.

Ringo tocou bateria em John Lennon de Lennon / Plastic Ono Band (1970), Yoko Ono de Ono / Plastic Ono Band (1970) e nos álbuns de Harrison All Things Must Pass (1970), Living in the Material World (1973) e Dark Horse (1974), bem como o segundo single do templo de Radha Krishna, "Govinda" (1971). Em 1971, Ringo participou do Concert for Bangladesh, organizado por George, e com ele co-escreveu o hit "It Don't Come Easy", que alcançou o número quatro nos EUA e no Reino Unido.

No ano seguinte, ele lançou seu hit de maior sucesso no Reino Unido, "Back Off Boogaloo" (novamente produzido e co-escrito por George), que alcançou o número dois (EUA, número nove). Tendo se tornado amigo do cantor inglês Marc Bolan, Ringo estreou na direção com o documentário do T. Rex de 1972, Born To Boogie.


Em 1973, Ringo gravou seu terceiro disco, Ringo, que além de contar com os outros três Beatles, contou com um time estelar de participações: Marc Bolan, Robbie Robertson, Steve Cropper, Billy Preston, James Booker, Nicky Hopkins, Garth Hudson, Klaus Voormann, Jim Keltner. Bobby Keys, Levon Helm, Rick Danko, Harry Nilsson, Martha Reeves, Merry Clayton, Linda McCartney e Richard Perry.

Curiosidade: Uma versão instrumental do álbum foi produzida por David Hentschel e intitulada Startling Music. Startling Music foi o primeiro lançamento do selo de Starr, Ring O 'Records; lançado em 18 de abril de 1975 no Reino Unido, e quatro anos depois, em 17 de fevereiro de 1979, nos EUA.



Durante as últimas cinco décadas. Ringo gravou 20 álbuns de estúdio, 11 álbuns ao vivo, e participou em 31 discos de outros artistas. No cinema, Ringo participou de 45 produções, entre elas filmes, documentários e concertos tanto atuando, tocando bateria e, em alguns deles, também atuando como diretor.


Em 1990, Ringo montou a All-Starr Band, uma reunião de estrelas do Rock que passaram a acompanha-lo nas turnês e a gravar discos ao vivos também. E, desde então, desse timaço já participaram Billy Preston, Billy Squier, Clarence Clemons, Colin Hay, Dave Edmunds, Dr. John, Edgar Winter, Garth Hudson, Gary Wright, Greg Lake, Gregg Bissonette, Hamish Stuart, Ian Hunter, Jim Keltner, Joe Walsh, Levon Helm, Mark Farner, Nils Lofgren, Paul Carrack, Randy Bachman, Richard Marx, Rick Danko, Rod Argent, Roger Hodgson, Sheila E., Steve Lukather, Timothy B. Schmit, Todd Rundgren, e seu filho Zak Starkey.


No campo da literatura, Ringo lançou três livros: Postcards from the Boys (2004), Octopus's Garden (2013) e Photograph (2013).


Ringo casou-se com Maureen Cox em 1965. O empresário dos Beatles, Brian Epstein, o seu padrasto Harry Graves, e o companheiro dos Beatles George Harrison foram os padrinhos. O casal teve três filhos: Zak (13 de setembro de 1965), Jason (19 de agosto de 1967) e Lee (11 de novembro de 1970). Em 1971, Ringo comprou a casa de Lennon, Tittenhurst Park, em Sunninghill, Berkshire, e mudou sua família para lá. O casal se divorciou em 1975, após as repetidas infidelidades de Ringo. Maureen morreu de leucemia aos 48 anos em 1994.


Ringo conheceu a atriz Barbara Bach em 1980 no set do filme Caveman, e eles se casaram na prefeitura de Marylebone em 27 de abril de 1981.  Em 1985, ele foi o primeiro dos Beatles a se tornar avô após o nascimento da filha de Zak, Tatia Jayne Starkey. Zak também é baterista e aprendeu a tocar bateria com Keith Moon do The Who durante as ausências regulares de seu pai e já tocou com a All-Star Band de seu pai, com o Oasis e com o prórpio The Who. Ringo tem oito netos: um de Zak, quatro de Jason e três de Lee. Em 2016, ele foi o primeiro Beatle a se tornar bisavô.


Ringo e Bach dividem seu tempo entre casas em Cranleigh, Los Angeles e Monte Carlo. Ele foi listado no número 56 na lista do Sunday Times of Rich de 2011, com uma riqueza pessoal estimada em 150 milhões de libras.  Em 2012, ele foi listado como o baterista mais rico do mundo.  Ringo é vegetariano e medita diariamente. Seu slogan e lema para a vida é "Peace & Love".


DICA: Ringo comemorará o seu 80º aniversário em live repleta de convidados especiais. Para assistir, basta acessar o canal dele no YouTube, a partir das 21h, horário de Brasília, hoje, dia 7 de julho de 2020.


Ouça nossa Playlist RINGO 80 no Spotify:

Sites consultados:

https://en.wikipedia.org/wiki/Ringo_Ringo

https://rollingstone.uol.com.br/noticia/6-curiosidades-sobre-vida-dolorosa-de-ringo-Ringo-do-alcoolismo-ate-morte-da-primeira-esposa/

https://rollingstone.uol.com.br/noticia/ringo-Ringo-disse-que-nao-sabia-que-fazer-quando-soube-da-morte-de-john-lennon/

https://g1.globo.com/tudo-sobre/ringo-Ringo/

http://www.osgarotosdeliverpool.com.br/2014/07/ringo-Ringo-eu-era-mais-famoso-que-os.html

http://www.ringoRingo.com/

https://entretenimento.uol.com.br/noticias/redacao/2020/05/22/ringo-revela-ajuda-de-harrison-para-terminar-musicas-eu-nao-tinha-talento.htm

https://www.tenhomaisdiscosqueamigos.com/2019/10/27/paul-mccartney-ringo-Ringo-cover/


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Do Rio ao Universo: Lizzie Bravo - A brasileira que gravou com os Beatles

Por Alysson Almeida
Imagine-se em um barco em um rio, com árvores de tangerina e céus de marmelada... Cantava John Lennon na proposta lisérgica de Lucy in the Sky With Diamonds. Seria a viagem perfeita! Mas, tente se imaginar dentro do estúdio de Abbey Road dividindo os microfones com os Fab Four no clássico Across the Universe... seria um sonho! E para nos contar como foi realizar esse sonho, a brasileira Elizabeth ‘Lizzie’ Bravo, atendeu o Beatlelogias trazendo histórias da sua estadia na pulsante Londres nos anos 1960, da proximidade diária com os rapazes de Liverpool, de “Do Rio a Abbey Road”, seu livro que já vai para a segunda edição, e como é ser a única brasileira a gravar com os Beatles. Words are flowing out like endless rain into a paper cup...
Beatlelogias - Chegando em Londres em 1967, no boom da cultura da psicodelia, com todas as mudanças comportamentais e sociais da época, como foi para uma menina do Rio de Janeiro viver na Swinging London dos anos 60? Lizzie Bravo: Aos 1…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

Os Beatles muito além de "Let it Be" (Entrevista com Ricardo Pugialli)

Biólogo por formação, beatlemaníaco por convicção. Podemos creditar a Ricardo Pugialli o título de maior escritor brasileiro sobre a trajetória dos FabFour antes, durante e a partir de agora, também após os "The Beatles". Pesquisador desde 1980 da obra dos 4 garotos de Liverpool, Pugialli lançou em 1992 "Os Anos da Beatlemania". Em 2008 alcançou reconhecido sucesso com o lançamento do livro "Beatlemania" e agora, 11 anos depois, volta para contar em "The Beatles 1970-80" o que o próprio considera como uma continuação natural do primeiro livro. O Beatlelogias teve o prazer de conversar com Ricardo sobre a influência dos "Beatles" nas gerações atuais, a carreira dos quatro além da banda e muito mais.  Com a palavra, o próprio!
por Alysson Almeida e Leko Soares
Beatlelogias - O seu livro 'Beatlemania' de 2008, teve prefácio de Sir George Martin. Como foi que se deu o contato entre vocês? Teve alguma coisa a ver com a sua participaçã…