Pular para o conteúdo principal

Crônica 9 - "With a Litte Help From My Friends": dando uma mãozinha pros Stones


Londres, 7 de outubro de 1963.

Estava eu no Studio 51 no Soho, em Londres, acompanhando a sessão de gravação de uma banda novata na cena rocker da capital... Uns tais Rolling Stones.

A banda tinha feito um certo murmurinho com o lançamento de um cover acelerado de 'Come On' de Chuck Berry, lançado em junho passado. Mas, a gravadora Decca, depois que dispensou os Beatles, estava desesperada em acertar no alvo e um simples 21º ligar nas paradas de sucesso não era o suficiente para garantir o contrato com o quinteto londrino.

Os líderes da banda, Mick Jagger e Keith Richards, penavam ao tentar escrever alguma coisa que valesse a pena e tinham a certeza que precisariam de um single matador para dar-lhes uma sobrevida na gravadora.

O agente deles, Andrew Oldham, andava no estúdio pra lá e pra cá, coçando a testa, inconformado por não ter uma música que prestasse para lançar. Oldham é um jovem ambicioso. Tão jovem quanto os caras da banda e, reza a lenda, já trabalhou com Brian Epstein e ansiava pelo 'toque de midas' que o ex-patrão teve com os garotos de Liverpool.

No meio da tarde Andrew, extremamente frustrado, deixou o ensaio dizendo 'vou para o pub encher a cara'. Eu, logo fui atrás dele para ver se conseguia filar algumas cervejas do almofadinha, que já estava histérico. 

Andrew Oldham e Mick Jagger

Enquanto caminhávamos pela Charing Cross Road, Andrew avistou Paul McCartney e John Lennon saindo de um táxi. Os dois Beatles estavam indo a um almoço no Variety Club, ali pertinho

Andrew correu para falar com eles enquanto eu presenciava a cena deslumbrado. Pensei: 'duas das maiores estrelas pop do momento não iriam dar confiança para aquele loiro magricela'. Mas, para a minha surpresa, logo os três estavam voltando, caminhando juntos, para o porão escuro onde o funcionava o Estúdio 51.

Talvez por ter trabalhado para o Sr. Epstein, Andrew já devia conhecer os caras... Só pode! Chegando no estúdio, foi uma festa! Todos se abraçaram e riram uns dos outros. O climão que estava no ar finalmente deu arrego à leveza e ao humor ácido de Lennon, que fazia piadas com todo mundo!

Mick, meio acanhado, explicou para a dupla de visitantes que estavam travados na escolha do repertório para o próximo single deles. Brian Jones, o outro guitarrista dos Stones, perguntou se os dois não teriam alguma coisa para eles, emendando a pergunta com uma piscadela de olho.

Rolling Stones (1963)

John e Paul se olharam e John disse: Me empresta uma guitarra! Paul foi até o outro lado do estúdio e pegou o baixo Fender de Bill Wyman que olhava sem entender nada! Afinal, Paul era canhoto e ele era destro... Meu Deus!

Em pouco mais de cinco minutos os dois tocaram algumas notas e cantarolaram palavras que pareciam ter saído de algum blues antigo de Muddy Waters. Então, fez-se o silêncio!

John então disse: Pronto! Essa se chama 'I Wanna Be Your Man'! Paul riu e completou: Talvez seja o que vocês estão procurando! Keith já pegou a guitarra das mãos de Lennon e foi dedilhando as notas... Mick já cantarolava a letra enquanto Andrew, num rompante digno de Napoleão gritou: Contemplem, caros senhores! Esse é o vosso novo single!

A dupla beatle se despediu depois de fumarem alguns cigarros e retornaram para o compromisso deles. O ar de festa continuou no estúdio e Brian já esmerilhava o slide pelo braço da sua guitarra, seguindo os acordes tocados por Keith. Bill e Charlie, o baterista, aumentaram o andamento bluesy da versão original dando um ar mais rock para a música.

Por incrível que pareça, Brian gostou tanto da música que resolveu fazer os backing vocals, tarefa executada prioritariamente por Keith até o momento. Andrew, embasbacado pelo som que ouvia, pegou o telefone e aos berros falou para o representante da gravadora: Vocês já podem agendar.... Já temos o nosso single para novembro!

Eu fiquei impressionado em ver como aquela bandinha mequetrefe lapidou uma música de Lennon & McCartney a tal ponto que parecia ser deles próprios. O tal do Mick Jagger cantava cada linha escrita por John Lennon como se estivesse ao pé do ouvido de alguma garota do East End... Sexy, brutal, vulgar e direto ao ponto.

O disco de estreia dos Beatles, Please Please Me, não tinha nem seis meses de seu lançamento e já era disco de ouro para todo canto. Andrew, e a Decca, apostavam todas as fichas naqueles cinco magrelos de cabelos compridos para tentar repetir o êxito da patota de Liverpool.

E eu, bem... Eu estava no meio daquilo tudo, no olho do furacão, assistindo, talvez, a história sendo escrita diante dos meus olhos!

Não ganhei a cerveja que eu tanto queria, mas me dei por satisfeito por ter participado da gravação o novo single dos Rolling Stones. Vai ver, essa banda dure por algum tempo...

Nigel Innes, assistente de gravação, Estúdio 51, Londres - UK.

Assista a performance dos Stones 
tocando "I Wanna be Your Man"




Por Alysson de Almeida



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Do Rio ao Universo: Lizzie Bravo - A brasileira que gravou com os Beatles

Por Alysson Almeida
Imagine-se em um barco em um rio, com árvores de tangerina e céus de marmelada... Cantava John Lennon na proposta lisérgica de Lucy in the Sky With Diamonds. Seria a viagem perfeita! Mas, tente se imaginar dentro do estúdio de Abbey Road dividindo os microfones com os Fab Four no clássico Across the Universe... seria um sonho! E para nos contar como foi realizar esse sonho, a brasileira Elizabeth ‘Lizzie’ Bravo, atendeu o Beatlelogias trazendo histórias da sua estadia na pulsante Londres nos anos 1960, da proximidade diária com os rapazes de Liverpool, de “Do Rio a Abbey Road”, seu livro que já vai para a segunda edição, e como é ser a única brasileira a gravar com os Beatles. Words are flowing out like endless rain into a paper cup...
Beatlelogias - Chegando em Londres em 1967, no boom da cultura da psicodelia, com todas as mudanças comportamentais e sociais da época, como foi para uma menina do Rio de Janeiro viver na Swinging London dos anos 60? Lizzie Bravo: Aos 1…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

Os Beatles muito além de "Let it Be" (Entrevista com Ricardo Pugialli)

Biólogo por formação, beatlemaníaco por convicção. Podemos creditar a Ricardo Pugialli o título de maior escritor brasileiro sobre a trajetória dos FabFour antes, durante e a partir de agora, também após os "The Beatles". Pesquisador desde 1980 da obra dos 4 garotos de Liverpool, Pugialli lançou em 1992 "Os Anos da Beatlemania". Em 2008 alcançou reconhecido sucesso com o lançamento do livro "Beatlemania" e agora, 11 anos depois, volta para contar em "The Beatles 1970-80" o que o próprio considera como uma continuação natural do primeiro livro. O Beatlelogias teve o prazer de conversar com Ricardo sobre a influência dos "Beatles" nas gerações atuais, a carreira dos quatro além da banda e muito mais.  Com a palavra, o próprio!
por Alysson Almeida e Leko Soares
Beatlelogias - O seu livro 'Beatlemania' de 2008, teve prefácio de Sir George Martin. Como foi que se deu o contato entre vocês? Teve alguma coisa a ver com a sua participaçã…