Pular para o conteúdo principal

My Beatles Experience - Especial The Cavern Club


Por Leko Soares

Estamos de volta com uma das seções favoritas dos nossos leitores e dessa vez, diante da notícia que reverberou durante a semana, de uma ameaça de fechamento permanente do "The Cavern Club" de Liverpool devido à crise do COVID-19, resolvemos ir atrás de músicos brasileiros e também de nossos hermanos argentinos que já se apresentaram na casa e coletamos depoimentos valiosíssimos sobre a experiência mágica de subir ao palco do The Cavern e também opiniões diversas sobre o momento delicado pelo qual o clube passa. 
As perguntas foram as seguintes: 

1) Pra você, o que significou se apresentar no The Cavern Club?
2) Qual sua opinião sobre a ameça iminente de fechamento do Cavern e qual a importância da preservação do local para o legado cultural mundial?

Vamos às respostas!

Estef Lennon (Argentina) 


1. Tocar no Cavern foi lindo para mim. Todo fã dos Beatles quer tocar lá. E o mais empolgante de tudo foi que depois do nosso primeiro show com a “Estef Lennon Band”, as pessoas nos esperaram do lado de fora do camarim, aplaudindo como se estivéssemos passando por uma passarela. A boa energia que o lugar e as pessoas possuem são incomparáveis. Confesso que fico muito feliz quando viajo para tocar em Liverpool e feliz que meu trabalho seja apreciado. 

2. Se o Cavern fechar, é como fechar parte de uma grande história dos Beatles. E também o turismo na cidade sentiria falta de algo lindo. Esperemos que isso não aconteça e que todos possamos continuar a desfrutar do The Cavern Liverpool! Este ano fui convidada para tocar novamente em Liverpool com minha banda, mas devido ao problema do Covid, todos os tipos de eventos foram claramente cancelados. Por isso vão realizar a International Beatleweek online, da qual participarei representando o nosso país, sendo a única intérprete feminina de John Lennon no mundo ! A data e o horário da minha apresentação ainda não foram definidos, mas estima-se que seja entre 26 de agosto e 1º de setembro. Certamente o Cavern irá transmiti-lo através de sua página no Facebook. 

Estef Lennon -  Única interprete feminina de John Lennon e Alex Turner do Artic Monkeys no mundo. Em 2015 foi convidada pelos proprietários do The Cavern Club de Liverpool para fazer parte do mais importante festival beatle do mundo, onde não apenas tocou com as banda nos lugares míticos dos Beatles, mas também no Beatleon, noite de gala dedicada a John Lennon no Teatro da Corte Real, homenageando o músico Donovan, Earl Slick (músico de John Lennon), Mark Hudson (produtor do Ringo Starr). Se apresentou no Cavern Live Lounge, lugar onde Paul McCartney tocou em 1994. Foi citada em diferentes meios como BBC de Londres e programas temáticos dos Beatles. Participou de dois festivais Beatle nos EUA. Estef também é júri da Semana Beatle oficial da América Latina que se realiza no Cavern Club de Buenos Aires, escolhendo as melhores bandas Beatle, cujo prêmio é poder tocar em Liverpool. Já gravou m disco com canções não publicadas de John (1981), que obteve excelente repercussão mundial.

Mário Vitor (Brasil)


1 - Foi mágico! A primeira vez que toquei lá foi em 2010 e cheguei em Liverpool sem conhecer nada e já fui direto pro palco. Estava nervoso e atrasado e só me dei conta do que estava acontecendo lá pela terceira música. Toquei lá nos 10 anos seguintes e ainda hoje ando passando a mão pelas paredes do local e sentindo a energia e história do local. É mistico estar no Cavern. Você sente a energia porque todos estão emocionados de estar ali e imaginam os Beatles no palco. 

2 - O Cavern já foi parcialmente demolido nos anos 80 para contrução de um estacionamento, não conheço bem a relação da empresa que gere o local(Cavern City Tour) com a prefeitura e o governo inglês. Mas imagino que com a proporção que o festival tomou(International Beatleweek) e com a importância dos Beatles na cultura dos ingleses, o impacto do Cavern no turismo local, alguma ajuda deverá ser destinada a mantê-lo aberto.

Mário Vitor -  ex-integrante das  bandas BlueBeetles e Túnel do Tempo. Com apresentações internacionais dedicadas aos Beatles desde 2010 na International Beatleweek, em Liverpool/ING, Abbey Road on the River e Califórnia, nos EUA. Mário integra hoje os projetos “Harrison & McCartney Tribute” e a banda “Pepperband”, além de outros projetos musicais, como a banda “Alchemy, Dire Straits Tribute”, e “Flores Astrais, um tributo a Secos e Molhados.

Javier Godoy - Beatle John Tribute (Argentina)


1-Apresentar-me no Cavern Club foi, com certeza, a realização de um sonho e o ponto alto de realização para quem se dedica a tocar música dos Beatles. Embora eu tenha feito vários shows em outros palcos em Liverpool, sempre que tinha que me apresentar no palco principal do The Cavern Club, era uma experiência diferente. Esse palco tem uma energia e magia muito especiais.

2- Obviamente a notícia me deixou um pouco triste. Infelizmente, todo esse "reset" global que a pandemia está causando afeta a todos em maior ou menor grau. O Cavern não foi exceção. Claro, o legado cultural do The Cavern Club é importante, foi um dos lugares (junto com o Casbah) onde nasceu o maior fenômeno musical / cultural do século XX. Até o momento, e na virada do século, um fenômeno dessa magnitude não foi gerado. O Cavern Club desempenha um grande papel em tudo isso.

JAVIER GODOY - Músico argentino com mais de 10 anos de experiência como cover de John
Lennon e com mais de 2.000 shows na Argentina, Brasil, Uruguai, Paraguai, Espanha e Inglaterra. Participou da “International Beatleweek” em Liverpool em 2017, onde foi muito bem recebido e elogiado pelo público em todo o mundo.


Alan James (Brasil)


1 - foi uma sensação surreal tocar nos palcos do Cavern, pois sempre os via em DVDs (como o do próprio Paul McCartney) e depois nas 3 vezes que fui ao festival antes de voltar como músico, e tocar no exterior era uma dos meus objetivos profissionais, logo tocar ali foi simplesmente a realização de um sonho.

2 - acho lamentável se o Cavern vier a fechar, pois é de suma importância para a cultura mundial e para Liverpool, pois o festival gira em torno dele e com seu fechamento acho que Liverpool perderia todo o sentido. Não consigo conceber Liverpool sem o Cavern, que além de toda a importância histórica é o meu bar favorito no mundo!

 Alan James é multi-instrumentista em carreira solo desde 2016. Em 2018, lançou o álbum “Despertar” pelo selo Discobertas. Também integra as  bandas Only Stones (tributo aos Rolling Stones) e Stone Trio (tributo aos Doors, Beatles e Jimi Hendrix), além de participar de projetos variados como Harrison & McCartney Tribute, entre outros.


Diego Souto (Argentina)


1 - Poder me apresentar no Cavern talvez tenha significado a realização do maior sonho da minha carreira. Como todo fã dos Beatles, talvez eu ficasse absolutamente feliz em apenas visitá-lo, então imagine poder subir naquele palco com tudo o que ele representa em um nível histórico, cultural e musical. Tendo tido a chance de ter me apresentado em 3 ocasiões diferentes (2 como solista em 2016 e 2018) e uma vez com minha banda, "Diego Souto And The Revolvers" (na International Beatle Week 2018) foi a possibilidade de revisitar o meu sonho e de novo ... e o fato de ainda ter um excelente relacionamento com The Cavern hoje, e saber que sempre há a possibilidade de voltar a me apresentar lá no futuro (como poderá acontecer em 2021), é um orgulho e dá uma tranquilidade de saber que fiz bem as coisas quando me apresentei lá... ou, como disse o John, que "passamos na audição".

2 - Estou bastante preocupado com o grande número de Clubes, Bares e Teatros que enfrentam a possibilidade de fechar devido a esta pandemia, mas sinceramente não acredito que o Cavern vá fechar. Milhões de fãs em todo o mundo chamam Liverpool e The Cavern de sua Meca Beatle. Como eu disse antes, o que The Cavern representa em um nível popular, cultural e musical não é comparado a nenhum outro lugar no mundo. É sem dúvida (e assim diz o seu slogan) O Clube mais famoso do mundo. Se o governo de Liverpool não fizer nada para mantê-lo, certamente seremos nós, os fãs, que ajudaremos de todas as maneiras que pudermos para manter nosso lugar favorito no mundo de pé. Pelo menos essa é a minha esperança.

Diego Souto é um músico argentino. Tanto em formato solo quanto com sua banda Diego Souto And The Revolvers viajou 7 países - incluindo Inglaterra e Estados Unidos - compartilhando com o público seu amor pelos Beatles. www.diegosouto.com


LONGA VIDA AO THE CAVERN! 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Do Rio ao Universo: Lizzie Bravo - A brasileira que gravou com os Beatles

Por Alysson Almeida
Imagine-se em um barco em um rio, com árvores de tangerina e céus de marmelada... Cantava John Lennon na proposta lisérgica de Lucy in the Sky With Diamonds. Seria a viagem perfeita! Mas, tente se imaginar dentro do estúdio de Abbey Road dividindo os microfones com os Fab Four no clássico Across the Universe... seria um sonho! E para nos contar como foi realizar esse sonho, a brasileira Elizabeth ‘Lizzie’ Bravo, atendeu o Beatlelogias trazendo histórias da sua estadia na pulsante Londres nos anos 1960, da proximidade diária com os rapazes de Liverpool, de “Do Rio a Abbey Road”, seu livro que já vai para a segunda edição, e como é ser a única brasileira a gravar com os Beatles. Words are flowing out like endless rain into a paper cup...
Beatlelogias - Chegando em Londres em 1967, no boom da cultura da psicodelia, com todas as mudanças comportamentais e sociais da época, como foi para uma menina do Rio de Janeiro viver na Swinging London dos anos 60? Lizzie Bravo: Aos 1…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

Os Beatles muito além de "Let it Be" (Entrevista com Ricardo Pugialli)

Biólogo por formação, beatlemaníaco por convicção. Podemos creditar a Ricardo Pugialli o título de maior escritor brasileiro sobre a trajetória dos FabFour antes, durante e a partir de agora, também após os "The Beatles". Pesquisador desde 1980 da obra dos 4 garotos de Liverpool, Pugialli lançou em 1992 "Os Anos da Beatlemania". Em 2008 alcançou reconhecido sucesso com o lançamento do livro "Beatlemania" e agora, 11 anos depois, volta para contar em "The Beatles 1970-80" o que o próprio considera como uma continuação natural do primeiro livro. O Beatlelogias teve o prazer de conversar com Ricardo sobre a influência dos "Beatles" nas gerações atuais, a carreira dos quatro além da banda e muito mais.  Com a palavra, o próprio!
por Alysson Almeida e Leko Soares
Beatlelogias - O seu livro 'Beatlemania' de 2008, teve prefácio de Sir George Martin. Como foi que se deu o contato entre vocês? Teve alguma coisa a ver com a sua participaçã…