Pular para o conteúdo principal

The Cavern Club: A história do templo que pode ser apagada pelo COVID-19


Por Alysson de Almeida

 A História

O Cavern Club foi inaugurado em 16 de janeiro de 1957 como um clube de jazz, na 10 Mathew Street, em Liverpool, no norte da Inglaterra.

Usado como abrigo antiaéreo na Segunda Guerra Mundial, o local foi utilizado como depósito de frutos e adega nos primeiros anos do pós guerra. Até que Alan Sytner, inspirado no bairro do jazz de Paris, onde havia vários clubes em ‘caves’, voltou a Liverpool e se esforçou para abrir um clube semelhante ao clube de jazz Le Caveau de la Huchette, da capital francesa.

A primeira performance a acontecer na abertura do clube foi a Merseysippi Jazz Band. O artista comercial local Tony Booth criou a arte do pôster para a noite de abertura e logo depois se tornou o artista do pôster original dos Beatles e das outras bandas que se apresentavam na casa.

 

Os Beatles, ainda sob nome The Quarrymen, se apresentaram pela primeira vez no Cavern Club tocando skiffle entre as apresentações de duas bandas de jazz no The Cavern, na quarta-feira, 7 de agosto de 1957.

Antes da apresentação, os Quarrymen discutiram entre si sobre o set list, já que músicas de rock 'n roll definitivamente não eram permitidas no clube, mas o skiffle era tolerado. Depois de abrir com uma música skiffle, John Lennon chamou os outros para começarem a tocar uma música de Elvis Presley, "Don't Be Cruel". Lennon foi avisado que o público iria "comê-lo vivo", mas ignorou o aviso e começou a tocar a música ele mesmo, forçando os outros a se juntarem a ele. Na metade da música, Sytner abriu caminho pelo público e entregou a Lennon uma nota que dizia: "Corte o maldito rock 'n roll".

A primeira aparição de Paul McCartney no Cavern, com The Quarrymen, foi em 24 de janeiro de 1958. Já George Harrison tocou pela primeira vez no Cavern durante uma sessão na hora do almoço em 9 de fevereiro de 1961, também como membro do The Quarrymen.

 

Centro de peregrinação das gravadoras

Sytner vendeu o The Cavern Club para Ray McFall em 1959 e mudou-se para Londres. Bandas de blues e grupos de beat começaram a aparecer no clube regularmente no início dos anos 1960. A primeira noite Beat foi realizada em 25 de maio de 1960 e contou com uma apresentação de Rory Storm and the Hurricanes (que incluía Ringo Starr como baterista). No início de 1961, Bob Wooler havia se tornado o compère e organizador em tempo integral das sessões de almoço.

O clube recebeu sua primeira apresentação dos Beatles, após retornarem ao Liverpool de Hamburgo, na Alemanha, onde tocaram nos clubes Indra e Kaiserkeller, na quinta-feira, 9 de fevereiro de 1961. Brian Epstein, gerente dos Beatles que garantiu o primeiro contrato de gravação do grupo, viu o grupo se apresentar pela primeira vez no clube em 9 de novembro de 1961. Inspirado pelo grupo, Epstein fez movimentos para assumir sua gestão. Mas, o negócio não foi adiante.

 

Após o show de despedida dos Beatles em 3 de agosto de 1963, Bob Wooler deu suas futuras datas para The Mastersounds, uma banda local de R&B, liderada por Mal Jefferson. Os Beatles se formaram no clube e assinaram com o selo Parlophone da EMI pelo produtor George Martin. A quantidade de atividade musical em Liverpool e Manchester fez com que produtores discográficos, que antes nunca haviam se aventurado muito longe de Londres, começassem a olhar para o norte.

 

Em 1963, a jovem banda local The Hideaways assinou contrato com a recém-fundada agência Cavern Club e tornou-se o grupo residente, muitas vezes intervindo para cancelamentos de última hora para artistas; eles também se tornaram o primeiro grupo pop a aparecer em um comercial de televisão nacional para a Timex Watch Company, filmado pela Rank Organization no Cavern Club. A banda também se apresentou no Cavern na noite anterior ao fechamento do clube, tornando-se o último grupo a se apresentar no palco junto com o disc jockey Billy Butler e o porteiro Paddy Delaney, que, com os fãs, se barricaram no clube antes da chegada das autoridades na manhã seguinte para obter acesso.

 

Os Hideaways também foram proativos junto com o MP local Bessie Braddock para reabrir o Cavern; como resultado, eles foram o primeiro grupo de volta ao palco quando o clube reabriu em 23 de julho de 1966 com a MP local Bessie Braddock e o então primeiro-ministro Harold Wilson. The Hideaways também detém o recorde oficial de mais de 400 apresentações no Cavern Club no antigo e novo local e agora são reconhecidos e nomeados na parede da fama.

Na década seguinte, uma grande variedade de artistas populares apareceu no clube, incluindo The Rolling Stones, The Yardbirds, The Hollies, The Kinks, Elton John, Black Sabbath, Queen, The Who e John Lee Hooker. Petula Clark faz referência ao clube duas vezes como "um porão cheio de barulho" em seu álbum de sucesso de 1965 "I Know a Place". A autobiografia de Brian Epstein de 1964 foi intitulada "A Cellarful of Noise" por causa do som abafado durantes as apresentações nos tempos no Cavern Club. A futura estrela Cilla Black trabalhou como a ‘garota do chapéu’ lá.

 

Os fechamentos, as reaberturas e as trocas de donos

O clube fechou em março de 1973 depois que a British Rail comprou compulsoriamente os armazéns, dos quais o porão abrigava o Cavern Club, a fim de construir um poço de ventilação para a nova ferrovia subterrânea (Merseyrail). Isso nunca foi construído e a área foi transformada em um estacionamento.

Logo depois que o Cavern Club fechou em 1973, um novo Cavern Club foi reaberto na 7 Mathew Street, mais tarde renomeado como Revolution Club. Mais tarde, este clube fechou e foi reaberto como Erics, que se tornou um notável espaço musical local no final dos anos 1970.

Em 7 de dezembro de 1981, os planos foram revelados para escavar os restos enterrados do porão do Cavern Club. Faria parte de um projeto de renovação de £ 7 milhões do antigo depósito da 8-12 Mathew Street, que abrigou o Cavern Club até o seu fechamento em 1973. No entanto, em 23 de junho de 1982, foi anunciado pelo arquiteto David Backhouse, que os planos para escavar e reabrir o Cavern Club em sua forma original seriam impossíveis por razões estruturais. Os testes revelaram que os arcos do antigo porão foram seriamente danificados durante a demolição do andar térreo do Cavern Club e dos armazéns acima.

Antes da cerimônia de abertura do Cavern Club, mais de 100 músicos da era Mersey Beat dos anos 1960 foram convidados a assinar a parede na parte de trás do palco do Cavern, uma tradição que começou nos primeiros dias das bandas de jazz na década de 1950 e continuou durante os anos 60 e 70.

 

O clube foi assumido pelo jogador, ex-Liverpool F.C., Tommy Smith. O novo design deveria se parecer com o original o mais próximo possível. Isso coincidiu com um período de mudanças econômicas e políticas maciças em e ao redor de Liverpool e o clube sobreviveu apenas até 1989, quando ficou sob pressões financeiras e fechou por 18 meses. Em 1991, dois amigos - o professor Bill Heckle e motorista de táxi Dave Jones - reabriram-no, junto com George Guinness.  Eles ainda dirigem o clube hoje e agora são os proprietários mais antigos de sua história. O clube continua a funcionar principalmente como um local de música ao vivo. A política musical varia da música pop clássica dos anos 1960, 1970, 1980 e 1990 ao indie, rock e música moderna das paradas.

Em 14 de dezembro de 1999, o ex-Beatle Paul McCartney tocou no New Cavern Club, divulgando seu novo álbum, Run Devil Run. Tem cerca de 40 bandas ao vivo tocando todas as semanas; bandas de tributo e originais, embora a maioria execute seu próprio material. A sala dos fundos do Cavern é o local mais frequentemente usado para shows em turnê e eventos com ingressos, em tempos mais recentes hospedando The Wanted, Adele e Jessie J. O Cavern também é usado como um local de aquecimento da turnê com shows secretos anunciados no último momento. Os Arctic Monkeys fizeram isso em outubro de 2005, Jake Bugg em novembro de 2013, bem como Travis e Oasis. Anteriormente.

 

Em junho de 2018, Paul McCartney voltou ao Cavern Club. Durante uma sessão de perguntas e respostas do Facebook Live no Liverpool Institute of Performing Arts, Paul McCartney deu a entender que faria um show secreto no dia seguinte. Às 9h do dia 26 de junho, foi anunciado em sua página no Facebook e na página do Facebook do The Cavern Club que Paul voltaria ao clube. Os ingressos foram vendidos na bilheteria da The Echo Arena, deixando decepcionadas as pessoas que haviam acampado durante a noite na rua Mathew. Esperava-se que Paul McCartney tocasse apenas um set de 45 minutos, mas se apresentou por duas horas. Ele abriu o show dizendo "Liverpool! Cavern! Estas são palavras que combinam bem!" e então tocou um set misto com músicas de seu próximo álbum, Egypt Station.

 

Franquias

Existem clubes de tributo em Dallas, Buenos Aires , Wellington , Exeter , Costa Teguise em Lanzarote, e anteriormente em Tóquio e Adelaide. Um clube de aparência semelhante também foi apresentado na sequência de abertura de o filme Across the Universe, em homenagem às origens dos Beatles, embora o nome do clube nunca tenha sido citado. A filmagem dessa cena foi filmada no próprio The Cavern Club. The Cavern Club é o primeiro local jogável em The Beatles: Rock Band.

 

A rede de restaurantes e hotéis Hard Rock Cafe detém a marca registrada do nome "Cavern Club" nos Estados Unidos. Quando o Hard Rock Cafe foi construído em Boston em 1991, incluía uma adega de tijolos do Cavern Club que era uma reprodução do clube de Liverpool, incluindo um palco para bandas locais. Em 2006, o restaurante de Boston mudou-se para um novo local e, embora o novo restaurante ainda tenha uma área de atuação "Cavern Club", não tem nenhuma semelhança com a adega de Liverpool. Em 2014, uma ação foi movida para revogar a marca registrada do Hard Rock no nome Cavern Club.

Curiosidades

Durante a reforma para a reabertura, em 1982, 5.000 tijolos das arcadas danificadas da área original do porão do Cavern Club foram colocados à venda por £ 5 cada, com uma placa de autenticação assinada pelo ex-proprietário do Cavern Club Ray McFall. Os rendimentos da venda dos 5.000 tijolos foram para a casa das crianças Strawberry Field. Outros 15.000 tijolos do local da Cavern foram usados ​​na reconstrução autêntica do Cavern Club dentro da reforma.

 

O poeta Roger McGough mencionou o clube em seu poema "Let Me Die A Youngman's Death": "Ou quando eu tiver 104 / e banido do Cavern / que minha amante / me pegando na cama com sua filha / e temendo por seu filho/ Eu me cortei em pequenos pedaços e joguei fora todos os pedaços, menos um. " A Norwegian Cruise Lines tem Cavern Clubs em dois de seus navios, o Norwegian Bliss e o Norwegian Epic, que apresentam bandas de tributo aos Beatles.

Em 2017, O Cavern contratou Tony Booth, o artista que projetou todos os pôsteres originais e sinalização para o clube original, para produzir a arte do 60º aniversário que retrata bandas e músicos que se apresentaram lá. Também em 2017, uma estátua de Cilla Black encomendada por seus filhos foi inaugurada fora da entrada original do Cavern.

O Cavern também teve uma participação especial em duas cinebiografias de John Lennon, In His Life de 2000: The John Lennon Story e Nowhere Boy de 2009, bem como no filme Across the Universe.

 

A crise causada pela pandemia COVID-19

O Cavern pode ser fechado devido à crise causada pela pandemia do novo coronavírus. De acordo com o site NME, o local está com um prejuízo de 30 mil libras (aproximadamente R$ 212 mil) semanais e pode não resistir até uma reabertura normal.

O alerta foi feito pelos proprietários e funcionários do clube ao governo britânico na última sexta-feira (14), conforme relata também o site da revista Rolling Stone.

O prefeito da cidade, Joe Anderson, disse em uma entrevista reproduzida pela publicação americana, que se o Fundo de Recuperação Cultural do governo não for estendido, a tradicional casa de show deverá mesmo fechar, impactando a indústria musical do Reino Unido. “Esse vírus causou dor e tristeza inimagináveis, mas está provando ser uma ameaça existencial à nossa cena cultural”, comentou Anderson.

Um dos atuais diretores do clube, Bill Heckle, declarou que o Cavern Club vem perdendo £ 30.000 – cerca de R$ 212.000,00 – por semana desde o início da pandemia, e que o local recentemente despediu 20 funcionários e poderá realizar mais demissões. “Tomamos a decisão há alguns anos de manter o máximo de dinheiro possível no banco para um dia chuvoso, sem perceber que poderia ser uma tempestade”, disse Heckle, acrescentando que as reservas de dinheiro do clube foram reduzidas pela metade pela pandemia.

Pode ser que a crise causada pelos efeitos econômicos trazidos pela pandemia do COVID-149 leve o ‘berço dos Beatles’ embora de uma vez por todas? Tomara que não! O beatlelogias.com junto com todos os beatlemaníacos do mundo todo está torcendo para que ‘o templo’ saia dessa e continue a ajudar a espalhar a sua luz e a música beatle para todo o canto! 

“And when the night is cloudy

There is still a light that shines on me.

Shine on until tomorrow... Let it be”

 

 

Sites consultados:

www.rollingstone.com/music/music-news/liverpool-cavern-club-close-forever-covid-19-impact-1045104/

www.cavernclub.com/

en.wikipedia.org/wiki/The_Cavern_Club

entretenimento.uol.com.br/noticias/redacao/2020/08/15/casa-que-recebeu-beatles-no-inicio-da-carreira-pode-fechar-devido-a-covid.htm

www.radiorock.com.br/2020/08/16/cavern-club-lendario-palco-dos-beatles-pode-fechar-em-definitivo-devido-crise-novo-coronavirus/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Do Rio ao Universo: Lizzie Bravo - A brasileira que gravou com os Beatles

Por Alysson Almeida
Imagine-se em um barco em um rio, com árvores de tangerina e céus de marmelada... Cantava John Lennon na proposta lisérgica de Lucy in the Sky With Diamonds. Seria a viagem perfeita! Mas, tente se imaginar dentro do estúdio de Abbey Road dividindo os microfones com os Fab Four no clássico Across the Universe... seria um sonho! E para nos contar como foi realizar esse sonho, a brasileira Elizabeth ‘Lizzie’ Bravo, atendeu o Beatlelogias trazendo histórias da sua estadia na pulsante Londres nos anos 1960, da proximidade diária com os rapazes de Liverpool, de “Do Rio a Abbey Road”, seu livro que já vai para a segunda edição, e como é ser a única brasileira a gravar com os Beatles. Words are flowing out like endless rain into a paper cup...
Beatlelogias - Chegando em Londres em 1967, no boom da cultura da psicodelia, com todas as mudanças comportamentais e sociais da época, como foi para uma menina do Rio de Janeiro viver na Swinging London dos anos 60? Lizzie Bravo: Aos 1…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

Os Beatles muito além de "Let it Be" (Entrevista com Ricardo Pugialli)

Biólogo por formação, beatlemaníaco por convicção. Podemos creditar a Ricardo Pugialli o título de maior escritor brasileiro sobre a trajetória dos FabFour antes, durante e a partir de agora, também após os "The Beatles". Pesquisador desde 1980 da obra dos 4 garotos de Liverpool, Pugialli lançou em 1992 "Os Anos da Beatlemania". Em 2008 alcançou reconhecido sucesso com o lançamento do livro "Beatlemania" e agora, 11 anos depois, volta para contar em "The Beatles 1970-80" o que o próprio considera como uma continuação natural do primeiro livro. O Beatlelogias teve o prazer de conversar com Ricardo sobre a influência dos "Beatles" nas gerações atuais, a carreira dos quatro além da banda e muito mais.  Com a palavra, o próprio!
por Alysson Almeida e Leko Soares
Beatlelogias - O seu livro 'Beatlemania' de 2008, teve prefácio de Sir George Martin. Como foi que se deu o contato entre vocês? Teve alguma coisa a ver com a sua participaçã…