Pular para o conteúdo principal

Candlestick Park - A última vez dos Beatles

 Got a good reason for taking the easy way out... Candlestick Park, 29/08/1966

 Por Alysson Almeida


Há 54 anos os Beatles subiam num palco pela última vez...

Tendo estado em turnê incessantemente desde o lançamento do seu primeiro single (Love me Do - 05/10/1962) os Beatles chegaram a San Francisco, a capital mundial do Flower Power Hippie, numa segunda-feira, 29 de agosto de 1966, para o que seria o seu último show em turnê.

O local do derradeiro show, Candlestick Park, foi a casa do time de baseball San Francisco Giants por quase 40 anos (1960-1999), sendo o último estádio que originalmente foi construído para jogos de baseball e modificado para o futebol americano, alocando mais tarde também o San Francisco 49ers, da NFL, de 1971 a 2013.

Foi então que, pouco depois das nove horas da noite daquele dia 29 de agosto, os quatro cabeludos de Liverpool tocaram por cerca de 28 minutos para um público ensandecido de 22 mil pessoas. Era o fim da terceira e última turnê americana, com os Beatles cansados da histeria e das ameaças. Depois do episódio das Filipinas, da polêmica ‘bigger than Jesus’ de Lennon e da queima de discos, a coisa tinha chegado no limite para eles ao final daquela conturbada turnê

 


Cansados pela interminável agenda de apresentações e desiludidos com a qualidade de seus shows ao vivo, devido à precariedade da aparelhagem de som da época e da gritaria de milhares de fãs histéricas que mal ouviam, ou deixavam que alguém ouvisse, o que eles estavam tocando, os Beatles perceberam que além de cansados, eles estavam piorando tecnicamente. 

Pouco mais de um ano depois do hiperbólico show no Shea Stadium de Nova York, o que era pra ser mágico tornou-se entediante, sendo que os rapazes estavam curtindo muito mais a produção em estúdio do que tocar em frente de uma plateia. O 'olho do furacão' como dizia John Lennon na época do auge da beatlemania no qual eles se encontravam já não era mais atraente. O desinteresse era tamanho que Brian Epstein nem sequer estava em São Francisco. 

 


O show foi gravado por Tony Barrow, assessor de imprensa britânico que trabalhou com os Beatles entre 1962 e 1968, a pedido de Paul. E, embora todas as filmagens e gravações disponíveis sejam péssimas, naquela noite, no Candlestick Park, tocaram bem, nada excepcional, para aquele seria o último show de sua trajetória. O repertório da noite consistiu em  11 músicas nessa ordem: Rock And Roll Music; She's A Woman; If I Needed Someone; Day Tripper; Baby's In Black; I Feel Fine; Yesterday; I Wanna Be Your Man; Nowhere Man; Paperback Writer e encerraram com Long Tall Sally.  Barrow passou os quase trinta minutos da apresentação com um microfone erguido para o alto, na frente do palco. A última música foi cortada porque Barrow esqueceu de virar a fita. 

‘De volta a Londres, mantive a fita cassete do concerto trancada a sete chaves em uma gaveta da mesa do meu escritório, fazendo uma única cópia para minha coleção pessoal e passando o original para Paul para ele guardar. Anos depois, minha gravação do Candlestick Park reapareceu em público como um álbum pirata. Se você ouvir uma versão pirata do concerto final que termina durante Long Tall Sally, deve ter vindo da cópia de Paul ou da minha, mas nunca identificamos o ladrão de música’, Tony Barrow declarou anos mais tarde.

Após o término do show, eles retornaram para Beverly Hills e, durante o vôo, George virou-se para Tony Barrow e disse jocosamente: “É isso aí. Não sou mais um Beatle”.  No dia 30 voaram para Nova York e de lá para Londres. Para alívio das fãs, os Beatles desembarcaram sãos e salvos daquela que foi a última e a mais conturbada turnê de suas carreiras.

De volta em casa, cada beatle foi cuidar de sua própria vida. Paul faria a trilha de The Family Way e John iria pra guerra ao estrelar a mais nova película de Richard Lester, How I Won The War. Os quatro estavam felizes por sentirem-se livres pela primeira vez em tantos anos. 

Apesar da paz e da quietude, só uma pessoa não estava satisfeita. Brian Epstein, que tinha dedicado sua vida aos Beatles e a organização das turnês, começou a perceber que precisava muito mais dos Beatles do que eles dele. Um ano depois, em agosto de 1967, Brian morreria de overdose de drogas antidepressivas.

A iminente revolução musical e cultural capitaneada pelo quarteto pode finalmente acontecer já que as energias deles estavam agora canalizadas para algo grandioso como Sgt. Pepper’s. Poucos anos depois, em 1969, já barbudos e cabeludos, fizeram a última aparição pública no telhado dos estúdios de Abbey Road.


Curiosamente, em 2014, coube a Paul McCartney fazer o último show do Candlestick Park, que foi demolido logo depois.

 


"Houve uma grande conversa em Candlestick Park sobre como isso tinha que acabar. Naquele show em São Francisco, parecia que poderia ser a última vez, mas eu nunca me senti 100% certo até voltarmos para Londres. John queria desistir mais do que os outros. Ele disse que já estava farto."

Ringo Starr

"Antes de uma das últimas Músicas do setlist, na verdade montamos uma câmera, acho que com uma lente grande angular. Montamos no amplificador e Ringo saiu da bateria, ficamos de costas para o público e posamos para uma foto, pois sabíamos que era o último show."

George Harrison



Sites consultados:

www.the-paulmccartney-project.com/concert/1966-08-29/

cultura.estadao.com.br/noticias/musica,ha-50-anos--beatles-faziam-seu-ultimo-show-oficial,1895375

www.sfgate.com/music/article/Memories-of-last-Beatles-concert-didn-t-lose-5675672.php

obaudoedu.blogspot.com/2018/08/29081966-candlestick-park-o-ultimo-show.html

www.beatlesbible.com/1966/08/29/candlestick-park-san-francisco-final-concert/


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Do Rio ao Universo: Lizzie Bravo - A brasileira que gravou com os Beatles

Por Alysson Almeida
Imagine-se em um barco em um rio, com árvores de tangerina e céus de marmelada... Cantava John Lennon na proposta lisérgica de Lucy in the Sky With Diamonds. Seria a viagem perfeita! Mas, tente se imaginar dentro do estúdio de Abbey Road dividindo os microfones com os Fab Four no clássico Across the Universe... seria um sonho! E para nos contar como foi realizar esse sonho, a brasileira Elizabeth ‘Lizzie’ Bravo, atendeu o Beatlelogias trazendo histórias da sua estadia na pulsante Londres nos anos 1960, da proximidade diária com os rapazes de Liverpool, de “Do Rio a Abbey Road”, seu livro que já vai para a segunda edição, e como é ser a única brasileira a gravar com os Beatles. Words are flowing out like endless rain into a paper cup...
Beatlelogias - Chegando em Londres em 1967, no boom da cultura da psicodelia, com todas as mudanças comportamentais e sociais da época, como foi para uma menina do Rio de Janeiro viver na Swinging London dos anos 60? Lizzie Bravo: Aos 1…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

Os Beatles muito além de "Let it Be" (Entrevista com Ricardo Pugialli)

Biólogo por formação, beatlemaníaco por convicção. Podemos creditar a Ricardo Pugialli o título de maior escritor brasileiro sobre a trajetória dos FabFour antes, durante e a partir de agora, também após os "The Beatles". Pesquisador desde 1980 da obra dos 4 garotos de Liverpool, Pugialli lançou em 1992 "Os Anos da Beatlemania". Em 2008 alcançou reconhecido sucesso com o lançamento do livro "Beatlemania" e agora, 11 anos depois, volta para contar em "The Beatles 1970-80" o que o próprio considera como uma continuação natural do primeiro livro. O Beatlelogias teve o prazer de conversar com Ricardo sobre a influência dos "Beatles" nas gerações atuais, a carreira dos quatro além da banda e muito mais.  Com a palavra, o próprio!
por Alysson Almeida e Leko Soares
Beatlelogias - O seu livro 'Beatlemania' de 2008, teve prefácio de Sir George Martin. Como foi que se deu o contato entre vocês? Teve alguma coisa a ver com a sua participaçã…