Pular para o conteúdo principal

My Beatles Experience - Os 50 anos do Abbey Road



E finalmente chegou o dia: Hoje, 26 de setembro de 2019, o último álbum dos Beatles completa 50 anos de existência. Como parte das comemorações do aniversário do icônico "Abbey Road" retornamos com a nossa já querida sessão "My Beatles Experience". Pra quem é marinheiro de primeira viagem, uma breve explicação: Nesse espaço, coletamos depoimentos de beatlemaníacos sobre o impacto que determinada obra dos Fab4 tiveram em suas vidas, desde o primeiro contato até os dias atuais. E a sessão de hoje tem presenças ilustres de figuras conhecidas da Beatlemania brasileira. Confere aí!


Eu ouvi o Abbey Road com uns12 anos, numa copia em vinil brasileira. Fiquei impressionado com I Want You. Era um disco diferente dos outros, em tudo. Até pela capa. Passou a ser um dos meus favoritos. Ate eu comprar uma cópia importada, em 1975. Redescobri o disco. Ou melhor, um novo disco. O som era outro. A mixagem perfeita, dava para ouvir claramente os instrumentos e o estereo. A bateria de Ringo no lado B tinha um destaque. Ai sim eu vi a força das musicas, das letras. Um disco irretocavel. Realmente o melhor dos Beatles! - Ricardo Pugialli é escritor e um dos maiores expoentes da Beatlemania no Brasil - Visite: Beatlemania



"O Abbey Road sempre esteve na coleção das minhas irmãs e eu não gostava. Eu era menininho e gostava de um Rock mais cru, mais básico e por isso que minha primeira experiência com os Beatles, por incrível que pareça, foi o álbum "Please Please Me". O "Abbey Road" cresceu no meu gosto ao longo dos anos, até hoje ser um dos meus discos prediletos, apesar de eu achar um disco um tanto quanto irregular, com muita demo que Paul e John tinham. Sem paciência pra trabalhar juntos, eles pegaram essas demos, que vinham desde 1968 e juntaram para fazer um disco. Então, há músicas maravilhosas como "Come Together", "Here Comes the Sun" e "Something" e até "Octopus Garden", mas, o restante do disco eu acho um tanto quanto irregular. Então, ele está longe de ser meu disco favorito dos Beatles, apesar dele ser o disco favorito da maioria das pessoas. Mas, é um disco que, como eu disse; ao longo dos anos ficou no imaginário das pessoas como o último disco dos Beatles e tudo mais. Muita gente ainda me pergunta: "The End foi proposital"? Creio que não. Ainda mais agora a gente sabendo das últimas reuniões com John, Paul e o George. Sabendo que eles até cogitavam ter mais um disco no final de 1969 e não era o "Let it Be", não! Então, é um disco que, sinceramente, eu não acho que merece tanto quanto ele é. Eu prefiro o "Album Branco" ou o "Sgt Peppers".  - Gilvan Moura é um dos maiores especialistas em Beatles no Brasil. Visite: The Beatles School 


"Acho o Abbey Road o mais próximo da música que provavelmente é ouvida no Paraíso. Tudo ali é perfeito, desde as belíssimas canções de Harrison, consolidando-o como um compositor à altura de Lennon & McCartney, até o medley de canções inacabadas, incrivelmente costuradas por George Martin, a ponto de quase nos fazer esquecer o clima de tensão e despedida vivido pelo grupo. É um disco para ser apreciado quase que religiosamente, sabendo que mesmo em meio a tantas turbulências, a banda conseguiu tirar inspiração e criatividade para produzir esta obra-prima."- Ed Carlos da Silva é profundo conhecedor do universo beatlemaníaco e editor do Canal dos Beatles. Visite! 



Para começar, meus parabéns Abbey (que é como eu o chamo) pelos seus 50 anos!

De cara não me lembro do meu primeiro momento com esta obra-prima. Pois, desde que nasci, exatamente dez anos depois do seu lançamento, este disco já estava tocando lá em casa, graças aos meus irmãos mais velhos Afrânio e Dinho - que Deus o tenha.        
Minhas primeiras lembranças desse disco são de Octopus’ Garden e Come Together. Mas, não sei por quê!
Enfim... Depois de certa idade e já viciado nessas canções, vieram algumas experiências inesquecíveis, como por exemplo, a canção Come Together que tocamos quando integrei Black Beard, em Poço Fundo no ano de 2006, se não me engano. Eu queria tocar I Want You (She’s so Heavy). Mas, não saiu legal. Eu sempre quis uma dos Beatles no repertório e queria desse último álbum. Pois, é o meu preferido.
Outra coisa que sempre pensei, e acho que várias pessoas também, é que se pegássemos algumas músicas dos Beatles em carreira solo (no início dos anos 1970) e as colocássemos juntas, daria um ‘Volume 2’ do caralho para o Abbey.
Umas das coisas mais legais que essa obra me lembra foi quando resolvi tocar todas as canções decoradas, nem que fosse só pra mim e em rodinhas de violão.
E de supermomentos sobre essa obra, vi o Paul McCartney fechar por três ocasiões o show com o medley final do álbum.  Sem mais...

Cássio Gonçalves Camargo é Engenheiro Agrônomo e Beatlemaníaco (com B maiúsculo) 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

My Beatles Experience – Revolver (1966)

Começando com os ‘dois pés na porta’ nossa nova coluna no Beatlelogias, coletamos depoimentos de beatlemaníacos próximos sobre suas experiências e relação com o icônico Revolver, que hoje, dia 08 de agosto, completa 53 anos de seu lançamento nos EUA, de longe o maior mercado consumidor da banda no mundo. Vamos aos depoimentos!

“Difícil falar de um álbum que volta e meia eu o tenho como favorito, e é engraçado que não foi de primeira que gostei dele. Claro, eu era jovem demais pra compreender tantas ideias diferentes,tantas harmonias envolventes e tantas melodias incrivelmente ricas. O fato é que depois que "entendi" a canção "Eleanor Rigby", depois que assimilei a ideia de um som tão rico e diferente, aí sim fui capaz de usufruir e me deliciar com o suprassumo do "FabFour". O "Revolver" consegue ser tão genuíno e ao mesmo tempo tão emblemático que eu ainda teimo em não colocá-lo em primeiro lugar no meu ranking pessoal dos álbuns dos 4 rapazes de…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

Crônica 2 - "Toca Raunchy, George"

Liverpool, 06 de fevereiro de 1958.

Querido diário,

Hoje fui com as meninas da escola assistir ao meu primeiro show de Rock and Roll... The Quarrymen no Wilson Hall em Garston.
Os discos do Elvis que irritavam meus pais já não eram mais suficientes para saciar o meu vício. Ainda mais sabendo que Liverpool tinha bandas de rock que tocavam regularmente há mais de um ano. Eu tinha que ver de perto! Mas, eu, Peggy Smith, com apenas 15 aninhos não era 'adulta' o suficiente para poder estar rodeada de cabeludos, ouvindo aquela música do diabo... Ainda posso ouvir minha mãe dizendo essas palavras! Então, falei para os meus pais que iria dormir na casa de uma amiga, Martha Quinn, para estudarmos para a prova de aritmética do dia seguinte. Martha, era filha de mãe solteira, pois o pai havia morrido na guerra. A mãe dela, Gladys, era enfermeira no turno da noite no Hospital Wolton, na Rice Lane.  Oportunidade perfeita para irmos ao show. Pegamos o ônibus até Lowbridge Court e de lá fomos a pé…