Pular para o conteúdo principal

Disco do Dia: Ringo Starr - Whats's My Name (25/10/2019)




DISCO DO DIA: Nessa sessão você encontrará os discos de estúdio dos Beatles e das suas carreiras solo lançados no dia da publicação, com dados e curiosidades sobre a sua produção e ainda, de quebra, pode ouvi-lo enquanto curte o site!

03 - Ringo Starr - What's My Name – 25/10/2019
What's My Name é o vigésimo álbum de estúdio da carreira de Ringo. O disco foi gravado
no Roccabella West, o estúdio doméstico de Starr em sua casa em Beverly Hills - Los Angeles, assim como os seus cinco antecessores: Liverpool 8 (2008), Y Not (2010), Ringo 2012 (2012), Postcards from Paradise (2015) e Give More Love (2017).

Entre os colaboradores estão os quase sempre presentes Paul McCartney, Joe Walsh, Edgar Winter, Dave Stewart, Benmont Tench, Steve Lukather, Nathan East, Colin Hay, Richard Page, Warren Ham, Windy Wagner e Kari Kimmel, entre outros.

A faixa de abertura 'Gotta Get Up', co-escrita com Joe Walsh, tem um riff inicial muito semelhante a 'Life in the Fast Lane' dos Eagles, banda da qual Joe Walsh faz parte desde os anos de 1970 e, pasmem, contém um trecho de um proto-rap no meio que se não for constrangedor chega a ser engraçado.

'It’s Not Love That You Want', a faixa seguinte, é mais uma composição em parceria com Dave Stewart (Eurythmics) e é a faixa mais parecida com o que ele provavelmente faria com os Beatles hoje em dia.

'Grow Old With Me', que originalmente é uma das últimas canções escritas por John Lennon. Foi gravada por Lennon como demo enquanto estava nas Bermudas em 1980 e mais tarde apareceu no álbum póstumo 'Milk and Honey' em 1984. Estava cotada para ser o primeiro single retirado do álbum. A regravação traz Ringo na bateria e nos vocais, Paul McCartney no baixo e nos vocais de apoio, Joe Walsh na guitarra, Jim Cox no piano com Allison Lovejoy no acordeão. Há também um quarteto de cordas nesta faixa.



'Magic', escrita por Ringo e Steve Lukather, do Toto, que toca guitarra e piano nessa faixa, talvez seja a música que mais se assemelha ao que Ringo compôs no início da sua carreira pós Beatles.

Ringo volta ao rol de covers dos Fab Four em 'Money', de Berry Gordy, lançada em 1963 em With the Beatles, originalmente com os vocais de John Lennon. A voz sintetizada de Ringo é a novidade aqui nesse clássico da Motown.

'Better Days', escrita por Sam Hollander, compositor americano que escreveu e/ou produziu hits como Panic! At the Disco, Train, Weezer e One Direction, traz a mensagem positiva de 'Peace & Love' sempre presente na obra de Ringo.

A preguiçosa 'Life Is Good' continua na vibe pra cima de Better Days, e foi composta por Ringo junto com Gary Burr, ex- membro da banda de apoio de Ringo, The Roundheads.

Em 'Thank God for Music', Ringo agradece ao criador pela trilha sonora da vida dele que vinha pelas ondas do rádio desde a sua infância em Liverpool.

'Send Love, Spread Peace', parceria de Ringo com o músico veterano de country music e blues Gary Nicholson, é a balada do disco na qual Ringo envia bons sentimentos ao ouvinte e os convida para fazer o mesmo para o mundo todo.

O disco termina com a faixa-título e primeiro single do novo álbum — “What’s My Name” – que é um hino empolgante, escrito por Colin Hay (Men At Work), que retornou à All Starr Band no verão passado, transformando uma expressão corriqueira dos shows ao vivo de Ringo em um empolgante rock com a certeza de ser uma futura canção para agitar o público nos shows. O solo de slide da faixa é contagiante.

"Eu sou abençoado que a maioria das coisas que estão surgindo são paz e amor", observou Starr. "Ainda há sempre provações e tribulações. Mas eu sinto que na vida o sol brilha assim. Sou abençoado. Sempre tenho a mesma conversa - um público pode ser torturado. Damos a eles tudo o que temos. Nós damos uns aos outros tudo o que temos. E às vezes não é suficiente. Mas na maioria das noites é tudo. Tocarei o melhor que puder para você. E você tocará o melhor que puder para mim. É tudo o que posso pedir. "

Com pouco mais de meia hora música, What’s My Name é um disco regular e bom de se ouvir e faz bonito na discografia recente de Ringo. Interessante para os fãs dos Beatles e obrigatório para quem segue de perto a carreira solo de Ringo, esse disco não vai fazer ninguém virar fã de uma hora pra outra, mas também não decepciona!

E, quando Ringo perguntar no show qual é o nome dele ao público, os desavisados já saberão em que tom responder!

DADOS TÉCNICOS

Lançamento: 25 de outubro de 2019

Produção: - Ringo Starr

Músicas:
01. "Gotta Get Up to Get Down"
02. "It's Not Love That You Want"
03. "Grow Old with Me"
04. "Magic"
05. "Money"
06. "Better Days"           
07. "Life Is Good"
08. "Thank God for Music"
09. "Send Love Spread Peace"
10. "What's My Name"
Singles:
- " What's My Name" (13 de Setembro de 1984)

MÚSICOS:

Ringo Starr: drums and vocals;
Joe Walsh: guitar and vocals;
Edgar Winter: Clavinet, synthesizer and vocals;
Nathan East: bass;
Sugar: synthesizer;
All Starr Band: backing vocals;
Dave Stewart: guitars;
Jim Cox: piano;
Benmont Tench: clavinet;
Paul McCartney: bass and background vocals;
Allison Lovejoy: accordion;
Steve Lukather: guitar and piano;
John Pierce: bass, piano, organ and synth;
Maxine Waters: backing vocals;
Julia Waters: backing vocals;
Grant Michaels: piano;
Peter Levin: organ;
Steve Dudas: guitar;
Colin Hay: guitar and backing vocals.

CURIOSIDADES:

Joe Walsh (Eagles, James Gang) é casado com Marjorie Bach, irmã de Barbara Bach esposa de Ringo Starr, e além de ser um membro regular da All-Star Band de Ringo, colabora com o ex-Beatles desde os anos oitenta em seus discos de estúdio.




"Grow Old With Me" chegou a ser considerada como um possível single de reunião pelos Betales sobreviventes durante a produção de The Beatles Anthology, juntamente com 'Free As A Bird' e 'Real Love'. Mas, a ideia foi abandonada. Há vários mashups na internet com a voz de John e de Paul sobrepostas na versão lançada por John no álbum póstumo Milk and Honey de 1984.

A produção da regravação de Ringo de "Grow Old With Me" foi de Jack Douglas. O mesmo produtor da versão original de John Lennon. No lyric vídeo da música, a letra que aparece é a letra de próprio punho de John Lennon.

Ouça os singles aqui:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

My Beatles Experience – Revolver (1966)

Começando com os ‘dois pés na porta’ nossa nova coluna no Beatlelogias, coletamos depoimentos de beatlemaníacos próximos sobre suas experiências e relação com o icônico Revolver, que hoje, dia 08 de agosto, completa 53 anos de seu lançamento nos EUA, de longe o maior mercado consumidor da banda no mundo. Vamos aos depoimentos!

“Difícil falar de um álbum que volta e meia eu o tenho como favorito, e é engraçado que não foi de primeira que gostei dele. Claro, eu era jovem demais pra compreender tantas ideias diferentes,tantas harmonias envolventes e tantas melodias incrivelmente ricas. O fato é que depois que "entendi" a canção "Eleanor Rigby", depois que assimilei a ideia de um som tão rico e diferente, aí sim fui capaz de usufruir e me deliciar com o suprassumo do "FabFour". O "Revolver" consegue ser tão genuíno e ao mesmo tempo tão emblemático que eu ainda teimo em não colocá-lo em primeiro lugar no meu ranking pessoal dos álbuns dos 4 rapazes de…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

Crônica 2 - "Toca Raunchy, George"

Liverpool, 06 de fevereiro de 1958.

Querido diário,

Hoje fui com as meninas da escola assistir ao meu primeiro show de Rock and Roll... The Quarrymen no Wilson Hall em Garston.
Os discos do Elvis que irritavam meus pais já não eram mais suficientes para saciar o meu vício. Ainda mais sabendo que Liverpool tinha bandas de rock que tocavam regularmente há mais de um ano. Eu tinha que ver de perto! Mas, eu, Peggy Smith, com apenas 15 aninhos não era 'adulta' o suficiente para poder estar rodeada de cabeludos, ouvindo aquela música do diabo... Ainda posso ouvir minha mãe dizendo essas palavras! Então, falei para os meus pais que iria dormir na casa de uma amiga, Martha Quinn, para estudarmos para a prova de aritmética do dia seguinte. Martha, era filha de mãe solteira, pois o pai havia morrido na guerra. A mãe dela, Gladys, era enfermeira no turno da noite no Hospital Wolton, na Rice Lane.  Oportunidade perfeita para irmos ao show. Pegamos o ônibus até Lowbridge Court e de lá fomos a pé…