Pular para o conteúdo principal

Disco do Dia: Ringo Starr - Whats's My Name (25/10/2019)




DISCO DO DIA: Nessa sessão você encontrará os discos de estúdio dos Beatles e das suas carreiras solo lançados no dia da publicação, com dados e curiosidades sobre a sua produção e ainda, de quebra, pode ouvi-lo enquanto curte o site!

03 - Ringo Starr - What's My Name – 25/10/2019
What's My Name é o vigésimo álbum de estúdio da carreira de Ringo. O disco foi gravado
no Roccabella West, o estúdio doméstico de Starr em sua casa em Beverly Hills - Los Angeles, assim como os seus cinco antecessores: Liverpool 8 (2008), Y Not (2010), Ringo 2012 (2012), Postcards from Paradise (2015) e Give More Love (2017).

Entre os colaboradores estão os quase sempre presentes Paul McCartney, Joe Walsh, Edgar Winter, Dave Stewart, Benmont Tench, Steve Lukather, Nathan East, Colin Hay, Richard Page, Warren Ham, Windy Wagner e Kari Kimmel, entre outros.

A faixa de abertura 'Gotta Get Up', co-escrita com Joe Walsh, tem um riff inicial muito semelhante a 'Life in the Fast Lane' dos Eagles, banda da qual Joe Walsh faz parte desde os anos de 1970 e, pasmem, contém um trecho de um proto-rap no meio que se não for constrangedor chega a ser engraçado.

'It’s Not Love That You Want', a faixa seguinte, é mais uma composição em parceria com Dave Stewart (Eurythmics) e é a faixa mais parecida com o que ele provavelmente faria com os Beatles hoje em dia.

'Grow Old With Me', que originalmente é uma das últimas canções escritas por John Lennon. Foi gravada por Lennon como demo enquanto estava nas Bermudas em 1980 e mais tarde apareceu no álbum póstumo 'Milk and Honey' em 1984. Estava cotada para ser o primeiro single retirado do álbum. A regravação traz Ringo na bateria e nos vocais, Paul McCartney no baixo e nos vocais de apoio, Joe Walsh na guitarra, Jim Cox no piano com Allison Lovejoy no acordeão. Há também um quarteto de cordas nesta faixa.



'Magic', escrita por Ringo e Steve Lukather, do Toto, que toca guitarra e piano nessa faixa, talvez seja a música que mais se assemelha ao que Ringo compôs no início da sua carreira pós Beatles.

Ringo volta ao rol de covers dos Fab Four em 'Money', de Berry Gordy, lançada em 1963 em With the Beatles, originalmente com os vocais de John Lennon. A voz sintetizada de Ringo é a novidade aqui nesse clássico da Motown.

'Better Days', escrita por Sam Hollander, compositor americano que escreveu e/ou produziu hits como Panic! At the Disco, Train, Weezer e One Direction, traz a mensagem positiva de 'Peace & Love' sempre presente na obra de Ringo.

A preguiçosa 'Life Is Good' continua na vibe pra cima de Better Days, e foi composta por Ringo junto com Gary Burr, ex- membro da banda de apoio de Ringo, The Roundheads.

Em 'Thank God for Music', Ringo agradece ao criador pela trilha sonora da vida dele que vinha pelas ondas do rádio desde a sua infância em Liverpool.

'Send Love, Spread Peace', parceria de Ringo com o músico veterano de country music e blues Gary Nicholson, é a balada do disco na qual Ringo envia bons sentimentos ao ouvinte e os convida para fazer o mesmo para o mundo todo.

O disco termina com a faixa-título e primeiro single do novo álbum — “What’s My Name” – que é um hino empolgante, escrito por Colin Hay (Men At Work), que retornou à All Starr Band no verão passado, transformando uma expressão corriqueira dos shows ao vivo de Ringo em um empolgante rock com a certeza de ser uma futura canção para agitar o público nos shows. O solo de slide da faixa é contagiante.

"Eu sou abençoado que a maioria das coisas que estão surgindo são paz e amor", observou Starr. "Ainda há sempre provações e tribulações. Mas eu sinto que na vida o sol brilha assim. Sou abençoado. Sempre tenho a mesma conversa - um público pode ser torturado. Damos a eles tudo o que temos. Nós damos uns aos outros tudo o que temos. E às vezes não é suficiente. Mas na maioria das noites é tudo. Tocarei o melhor que puder para você. E você tocará o melhor que puder para mim. É tudo o que posso pedir. "

Com pouco mais de meia hora música, What’s My Name é um disco regular e bom de se ouvir e faz bonito na discografia recente de Ringo. Interessante para os fãs dos Beatles e obrigatório para quem segue de perto a carreira solo de Ringo, esse disco não vai fazer ninguém virar fã de uma hora pra outra, mas também não decepciona!

E, quando Ringo perguntar no show qual é o nome dele ao público, os desavisados já saberão em que tom responder!

DADOS TÉCNICOS

Lançamento: 25 de outubro de 2019

Produção: - Ringo Starr

Músicas:
01. "Gotta Get Up to Get Down"
02. "It's Not Love That You Want"
03. "Grow Old with Me"
04. "Magic"
05. "Money"
06. "Better Days"           
07. "Life Is Good"
08. "Thank God for Music"
09. "Send Love Spread Peace"
10. "What's My Name"
Singles:
- " What's My Name" (13 de Setembro de 1984)

MÚSICOS:

Ringo Starr: drums and vocals;
Joe Walsh: guitar and vocals;
Edgar Winter: Clavinet, synthesizer and vocals;
Nathan East: bass;
Sugar: synthesizer;
All Starr Band: backing vocals;
Dave Stewart: guitars;
Jim Cox: piano;
Benmont Tench: clavinet;
Paul McCartney: bass and background vocals;
Allison Lovejoy: accordion;
Steve Lukather: guitar and piano;
John Pierce: bass, piano, organ and synth;
Maxine Waters: backing vocals;
Julia Waters: backing vocals;
Grant Michaels: piano;
Peter Levin: organ;
Steve Dudas: guitar;
Colin Hay: guitar and backing vocals.

CURIOSIDADES:

Joe Walsh (Eagles, James Gang) é casado com Marjorie Bach, irmã de Barbara Bach esposa de Ringo Starr, e além de ser um membro regular da All-Star Band de Ringo, colabora com o ex-Beatles desde os anos oitenta em seus discos de estúdio.




"Grow Old With Me" chegou a ser considerada como um possível single de reunião pelos Betales sobreviventes durante a produção de The Beatles Anthology, juntamente com 'Free As A Bird' e 'Real Love'. Mas, a ideia foi abandonada. Há vários mashups na internet com a voz de John e de Paul sobrepostas na versão lançada por John no álbum póstumo Milk and Honey de 1984.

A produção da regravação de Ringo de "Grow Old With Me" foi de Jack Douglas. O mesmo produtor da versão original de John Lennon. No lyric vídeo da música, a letra que aparece é a letra de próprio punho de John Lennon.

Ouça os singles aqui:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Do Rio ao Universo: Lizzie Bravo - A brasileira que gravou com os Beatles

Por Alysson Almeida
Imagine-se em um barco em um rio, com árvores de tangerina e céus de marmelada... Cantava John Lennon na proposta lisérgica de Lucy in the Sky With Diamonds. Seria a viagem perfeita! Mas, tente se imaginar dentro do estúdio de Abbey Road dividindo os microfones com os Fab Four no clássico Across the Universe... seria um sonho! E para nos contar como foi realizar esse sonho, a brasileira Elizabeth ‘Lizzie’ Bravo, atendeu o Beatlelogias trazendo histórias da sua estadia na pulsante Londres nos anos 1960, da proximidade diária com os rapazes de Liverpool, de “Do Rio a Abbey Road”, seu livro que já vai para a segunda edição, e como é ser a única brasileira a gravar com os Beatles. Words are flowing out like endless rain into a paper cup...
Beatlelogias - Chegando em Londres em 1967, no boom da cultura da psicodelia, com todas as mudanças comportamentais e sociais da época, como foi para uma menina do Rio de Janeiro viver na Swinging London dos anos 60? Lizzie Bravo: Aos 1…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

Os Beatles muito além de "Let it Be" (Entrevista com Ricardo Pugialli)

Biólogo por formação, beatlemaníaco por convicção. Podemos creditar a Ricardo Pugialli o título de maior escritor brasileiro sobre a trajetória dos FabFour antes, durante e a partir de agora, também após os "The Beatles". Pesquisador desde 1980 da obra dos 4 garotos de Liverpool, Pugialli lançou em 1992 "Os Anos da Beatlemania". Em 2008 alcançou reconhecido sucesso com o lançamento do livro "Beatlemania" e agora, 11 anos depois, volta para contar em "The Beatles 1970-80" o que o próprio considera como uma continuação natural do primeiro livro. O Beatlelogias teve o prazer de conversar com Ricardo sobre a influência dos "Beatles" nas gerações atuais, a carreira dos quatro além da banda e muito mais.  Com a palavra, o próprio!
por Alysson Almeida e Leko Soares
Beatlelogias - O seu livro 'Beatlemania' de 2008, teve prefácio de Sir George Martin. Como foi que se deu o contato entre vocês? Teve alguma coisa a ver com a sua participaçã…