Pular para o conteúdo principal

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)



Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....

Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje?
Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria eu prefiro nem fazer porque fugiria um pouco da minha personalidade. E vale lembrar que tenho muitos seguidores que são bem mais velhos do que eu. Pessoas que viveram a Beatlemania nos anos 60 e até nos anos 70. Então, essa pegada é uma coisa mais minha mesmo. A intenção não é atrair a molecada, mas já que a molecada gosta...

Como na coleção de todo e qualquer beatlemaníaco, o critério para a aquisição de objetos é praticamente inexistente. Basta ser dos Beatles que já tá valendo! Hoje, você consegue estabelecer o que entra e o que não entra na sua coleção, ou tudo é válido?
G: Eu dou mais preferência para os livros bons que saem e também os lançamentos do Paul McCartney, do Ringo Starr e os relançamentos dos Beatles. Nesse mundo de colecionador, eu dou um pouco mais de atenção para esses discos. Mas , costumo comprar também muita coisa da década de 60.

Tantos bootlegs e registros não oficiais dos Beatles inundam a internet. Você conseguiria fazer um top 5 dos mais interessantes? E quais deles mereciam se tornar um lançamento oficial com o selo da Apple?
G: Olha, eu acho que tem muita coisa das gravações da época do Let it Be. Foi tudo gravado nos estúdios da Apple. Merecia sim uma mega coleção de 10 cds pra deixar o fã louco. A continuação das gravações da BBC, porque eu acho que tem muita coisa ali que poderia ser melhorada pelos Gilles Martin, assim como o George Martin melhorou em 1994. Acredito que muita coisa que foi lançado no Anthology também poderia ser relançado.


Dos personagens periféricos, coadjuvantes e outsiders na história dos Beatles, de quais você gostaria de ler uma biografia completa? E por que?
G: Acho que uma biografia do Billy Preston seria muito interessante porque ele viveu com outros músicos como Little Richard, Ray Charles, depois com os Beatles, logicamente e com os ex-Beatles. Muito com o John, o George e o Ringo e também teve a carreira dele junto com os Stones. Acho que seria uma coisa muito interessante. A vida dele tem um drama por ter sido gay e também a sua luta com os problemas nos rins por causa da diabetes e da sua dependência da cocaína e do álcool. Então, acho que seria um bom livro.


O alcance do The Beatles School hoje é enorme! Você tem seguidores de todo o canto e de todas as idades. Mas, se um alienígena caísse na Terra hoje, com qual disco você apresentaria os Beatles para ele?
G: Acho que apresentaria a trilha sonora do "A Hard Days Night" porque ali tem tudo de coisa boa dos Beatles. Um disco inteiro com a obra de Lennon e McCartney, o Ringo mandando muito bem. Apesar de não ter no disco uma música com o Ringo cantando. E o George Harrison não tem composição própria ali, mas ele canta muito bem uma música do John, "I'm Happy just to Dance with You". É um disco perfeito que você toca de "A Hard Days Night" até "I'll be Back". É um disco que não pula faixa nenhuma. Então, se apresentasse para um alienígena, ele iria gostar.

Recentemente estreou nos cinemas o filme Yesterday. Sobre isso, duas perguntas: Você chegou a assistir? Se sim, o que achou? Como você acha que seria o mundo de hoje sem a música dos Beatles? 
G: Assisti o Yesterday. Gostei muito, apesar de ser aqueles filmes "sessão da tarde", uma comédia romântica. Eu achei que eles focaram muito no romance que é um tanto quanto pobre, mas tudo ali envolto com a música dos Beatles. Acho que esse universo paralelo Beatles poderia ter sido mais explorado. Creio eu, que ele não vai entrar no Top 5 dos melhores filmes que mencionam os Beatles, mas é um bom filme. Vale à pena assistir, sim. Uma determinada cena vai emocionar muito beatlemaníaco, mas não vou dar spoilers, rs

Existe hoje uma grande nostalgia em relação a reuniões de bandas clássicas que retornam, lançam álbuns muitas vezes irregulares, ganham rios de dinheiro com tours e se separam novamente. A exceção à regra por razões óbvias foram os Beatles, o Led Zeppelin e o Pink Floyd. Imaginando um cenário hipotético com George e John vivos, que consequências você acredita que uma reunião dos Beatles poderia ter trazido para o mundo da música?
G: Sinceramente não sei. Os Beatles eram muito grandes. Logicamente, poder ver John, Paul, George e Ringo mais velhos tocando as músicas traria uma comoção mundial. Mas eu temo um pouco. Assim como o Abba. Eles nunca mais voltaram porque segundo seus integrantes, eles querem ser lembrados como eram jovens na época da música Disco. As duas moças bonitas ainda e não mais velhas (apesar de eu achar elas muito bonitas até hoje). E o Led Zeppelin, acho que aquele show de 2007 na Arena O2 em Londres poderia ter sido um pouco mais apesar de o John Bonham não estar lá. Eu tento desmistificar um pouco os Beatles se eles tivessem voltado. Poderia ter sido uma coisa ruim.

Especial da "The Beatles School" sobre o Sgt Peppers

Assista aos outros vídeos do Gilvan Moura no "The Beatles School" clicando na imagem:







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

My Beatles Experience – Revolver (1966)

Começando com os ‘dois pés na porta’ nossa nova coluna no Beatlelogias, coletamos depoimentos de beatlemaníacos próximos sobre suas experiências e relação com o icônico Revolver, que hoje, dia 08 de agosto, completa 53 anos de seu lançamento nos EUA, de longe o maior mercado consumidor da banda no mundo. Vamos aos depoimentos!

“Difícil falar de um álbum que volta e meia eu o tenho como favorito, e é engraçado que não foi de primeira que gostei dele. Claro, eu era jovem demais pra compreender tantas ideias diferentes,tantas harmonias envolventes e tantas melodias incrivelmente ricas. O fato é que depois que "entendi" a canção "Eleanor Rigby", depois que assimilei a ideia de um som tão rico e diferente, aí sim fui capaz de usufruir e me deliciar com o suprassumo do "FabFour". O "Revolver" consegue ser tão genuíno e ao mesmo tempo tão emblemático que eu ainda teimo em não colocá-lo em primeiro lugar no meu ranking pessoal dos álbuns dos 4 rapazes de…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

Crônica 2 - "Toca Raunchy, George"

Liverpool, 06 de fevereiro de 1958.

Querido diário,

Hoje fui com as meninas da escola assistir ao meu primeiro show de Rock and Roll... The Quarrymen no Wilson Hall em Garston.
Os discos do Elvis que irritavam meus pais já não eram mais suficientes para saciar o meu vício. Ainda mais sabendo que Liverpool tinha bandas de rock que tocavam regularmente há mais de um ano. Eu tinha que ver de perto! Mas, eu, Peggy Smith, com apenas 15 aninhos não era 'adulta' o suficiente para poder estar rodeada de cabeludos, ouvindo aquela música do diabo... Ainda posso ouvir minha mãe dizendo essas palavras! Então, falei para os meus pais que iria dormir na casa de uma amiga, Martha Quinn, para estudarmos para a prova de aritmética do dia seguinte. Martha, era filha de mãe solteira, pois o pai havia morrido na guerra. A mãe dela, Gladys, era enfermeira no turno da noite no Hospital Wolton, na Rice Lane.  Oportunidade perfeita para irmos ao show. Pegamos o ônibus até Lowbridge Court e de lá fomos a pé…