Pular para o conteúdo principal

Do Rio ao Universo: Lizzie Bravo - A brasileira que gravou com os Beatles



Por Alysson Almeida

Imagine-se em um barco em um rio, com árvores de tangerina e céus de marmelada... Cantava John Lennon na proposta lisérgica de Lucy in the Sky With Diamonds. Seria a viagem perfeita! Mas, tente se imaginar dentro do estúdio de Abbey Road dividindo os microfones com os Fab Four no clássico Across the Universe... seria um sonho! E para nos contar como foi realizar esse sonho, a brasileira Elizabeth ‘Lizzie’ Bravo, atendeu o Beatlelogias trazendo histórias da sua estadia na pulsante Londres nos anos 1960, da proximidade diária com os rapazes de Liverpool, de “Do Rio a Abbey Road”, seu livro que já vai para a segunda edição, e como é ser a única brasileira a gravar com os Beatles. Words are flowing out like endless rain into a paper cup...

Beatlelogias - Chegando em Londres em 1967, no boom da cultura da psicodelia, com todas as mudanças comportamentais e sociais da época, como foi para uma menina do Rio de Janeiro viver na Swinging London dos anos 60?
Lizzie Bravo: Aos 15 anos, confesso que não pensava nisso. Hoje vejo que naquele momento Londres era o centro do mundo para música, moda, etc. e realmente foi um privilégio estar lá.



B - Hoje, com toda obra dos Beatles em mãos é muito fácil perceber as mudanças, tanto no visual quanto na forma de compor, pelas quais eles passaram pós 1965. Parecem ser duas bandas distintas. Você acompanhou in loco essa transição para a maturidade dos Fab Four. Quais foram as suas impressões? Como o abandono dos palcos e do Yeah-Yeah-Yeah repercutiram nos fãs daquela época?
LB - Os Beatles não se apresentavam ao vivo desde o final de 1966, portanto eu não tinha chegado ainda, mas nunca ouvi nenhum fã local reclamar da falta de shows, principalmente porque podíamos vê-los tão de perto quase que diariamente... Quanto ao visual, quando cheguei eles já estavam de bigodes e com o estilo Sgt. Pepper. Acompanhei as mudanças aqui do Brasil, pois cada disco dos Beatles era uma surpresa. O Sgt. Pepper foi lançado em junho de 67 – mas eu comprei o meu no dia 25 de maio, bem antes da data oficial. Esse sim, foi um choque pros meus sentidos – mas adorei e ouvia o tempo todo.


B - De fã para fã, é possível descrever a sensação de estar dentro do estúdio em Abbey Road gravando com os Beatles? Quantos dias demorou para a 'ficha cair'?
LB - Talvez a ficha não tenha caído de verdade até hoje... Só foi mais “normal” porque eu estava acostumada a vê-los quase todos os dias e tanto Gayleen quanto eu ficamos numa boa, tranquilas, curtindo a companhia deles, as piadas, os momentos de descontração entre eles. Eles foram muito atenciosos com a gente.

B - Se fosse hoje, que todo mundo tira foto de tudo com smartphones, fazem selfies e lives, certamente vocês teriam se esbaldado. Você tem algum registro em fotografia da sua sessão de gravação?
LB - Não. Tem uma única foto do John que uma amiga tirou quando ele estava saindo. Eu estava com minha máquina de plástico, cópia de Instamatic comprada na drogaria Boots, mas... o Mal Evans (roadie) estava com uma máquina poderosa, 35mm, e tirou muitas, muitas fotos, inclusive closes de Gayleen e eu com John e Paul, e achei que essas fotos seriam tão superiores às minhas que não me preocupei. O que acontece é que as fotos não saíram, e eu tenho uma carta da NEMS assinada pelo Tony Barrow me explicando isso. O que imagino, na minha experiência como fotógrafa, é que ele não colocou o filme na máquina da forma correta, e foi clicando e avançando o mesmo mas na verdade ele não saiu do lugar. Isso aconteceu uma vez comigo, logo que comprei minha primeira 35mm. Mas... tem filminhos de muitos momentos gravados na minha cabeça!



B - Obviamente, você sabia que havia participado de algo muito especial. Mas, você já tinha, naquela época, a noção de que estava participando do 'canto dos cisnes' dos Beatles?
LB - Gayleen tinha 17 anos e eu 16, lembrando que naquela época meninas dessa idade eram bem ingênuas – ou pelo menos nós éramos! Nos sentimos felizes de estar do lado de dentro dos estúdios em vez do nosso costumeiro do lado de fora, mas não ficamos pensando no que estava acontecendo, só curtindo o momento. E o canto dos cisnes dos Beatles ainda demorou um tempo...

B - Quando George Harrison lançou All Things Must Pass, em novembro de 1970, qual foi a sua reação ao ouvir 'Apple Scruffs', que homenageia a fãs mais, digamos, die-hard dos Beatles? Vocês já sabiam dessa composição antes do lançamento?
LB - Eu custei a ouvir, pois tinha voltado pro Rio no final de 1969. O pequeno grupo de fãs que se auto-intitulou Apple Scruffs, do qual faço parte, foi homenageado com essa linda música, com uma letra muito carinhosa. Três das meninas ficaram o tempo todo do lado de fora dos estúdios enquanto ele gravava seu disco, e foi basicamente para elas e o resto do nosso grupinho que ela foi feita. As meninas não sabiam de nada, um dia ele as convidou para entrar no estúdio e ouvir a música já pronta. Ficamos, todas, muito emocionadas.




B - Após o término dos Beatles, você teve algum contato com algum deles? Nos shows que Paul e Ringo fizeram no Brasil, por exemplo, você teve algum tipo de acesso à eles?
LB - Estive com Paul em Indianapolis, USA, numa coletiva para a imprensa brasileira, anunciando sua vinda ao Maracanã. No final da coletiva, ele apertou minha mão e me perguntou porque se lembrava de mim. Eu disse que porque cantamos no mesmo microfone e ele lembrou de tudo na hora. Foi muito legal esse encontro. 14 de fevereiro de 1990. Lembrando que a primeira vez que o vi, e os outros Beatles, Mal Evans e Brian Epstein foi dia 14 de fevereiro de 1967! Vi o George brevemente depois do seu show no Royal Albert Hall em 1992, onde fui convidada pela produção do Maharishi. Apertei sua mão e agradeci pelo show maravilhoso. Foi muito breve. E o Ringo eu vi num Grammy (não lembro se em Los Angeles ou Nova York) que eu estava com meu querido amigo, padrinho de casamento e então chefe Milton (Bituca pra mim...) Nascimento. Ringo estava exatamente do nosso lado conversando com um amigo. Assim que acabou, cheguei perto e o cumprimentei, mas também foi muito, muito breve. Nas vindas do Paul ao Brasil, desde aquele dia em 1990 quando ele me perguntou se eu ia ao Brasil para o seu show (eu morei dez anos em Nova York, de 84 a 94) e eu disse que sim, ele falou “see you there”(te vejo lá) e eu NUNCA MAIS consegui chegar perto dele. Até já desisti de tentar. Não tentei encontrar o Ringo no Rio, não conheço ninguém da produção local dele.

The Beatles Monthly Book
B - No seu livro “Do Rio a Abbey Road”, o escritor inglês Mark Lewisohn diz na apresentação: "Quando eu tinha 9 anos, eu queria ser Lizzie Bravo", ao saber pela revistinha The Beatles Monthly Book que você havia sido convidada para gravar com eles. Você tem dimensão da sua importância para os fãs dos Beatles, principalmente para os brasileiros?
LB - Espero que os brasileiros tenham orgulho de eu ter deixado uma gotinha de Brasil na história dos Beatles... Sempre me correspondi com fãs do mundo inteiro, desde antes de ir pra Londres. Claro que foi uma coisa muito especial Gayleen e eu gravando com nossos “meninos”, e o carinho que recebo de todos é, sem dúvida, muito especial pra mim.


B - Falando do seu livro, ele ainda está disponível? Como os fãs podem adquirir “Do Rio a Abbey Road”?
LB - Meu livro totalmente independente esgotou em setembro de 2017. Uma segunda edição ficará pronta nos próximos meses, (está em pré-venda até  dia 05/02) e a edição em inglês, que eu já traduzi, para mais adiante no ano. Os detalhes serão divulgados no Facebook, Instagram, Twitter e no meu site, www.lizziebravo.com

B - As 'Apple Scruffs' eram um 'clube da Luluzinha', ou havia garotos também? E, você ainda mantém contato com alguma delas?
LB - O grupo se formou no segundo semestre de 1969. Eu voltei pro Rio no final de outubro. Na minha época, tinha o querido amigo Tommy, falecido há muitos anos. Ouvi dizer que teve mais um rapaz, mas não o conheci. Sim, mantenho contato com várias das Scruffs, e quando vou a Londres sempre nos encontramos.



B - Durante a pesquisa para essa entrevista, descobrimos que você manteve um fã clube e fanzine chamado Hello Goodbye por alguns anos. Seria muito legal se você transformasse o Hello Goodbye em um canal do YouTube. Você já pensou nessa possibilidade?
LB - Sim, o Hello Goodbye foi da época dos eventos do mesmo nome criados pelo meu querido amigo Luiz “Lula” Tiribás, recentemente falecido. Eram exibições de vídeos que na época eram totalmente desconhecidos no Brasil. Fazíamos um jornalzinho totalmente manual, com artigos datilografados, fotos coladas, tudo copiado em xerox. Sinceramente, no momento não penso em fazer canal no YouTube.

B - Abbey Road foi elencado no topo da lista dos LPs mais vendidos da última década. O que você acha que mantém os Beatles ainda relevantes para essa galera mais jovem, que ouve música por streaming?
LB - A qualidade da música dos Beatles os manterá eternos.



‘Jai guru deva, Om...’

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os 10 Sintomas da Beatlemania (diagnóstico)

por Leko Soares e Alysson Almeida
Em 2020 vivemos um dos momentos decisivos e mais tristes da humanidade desde 1945, com o fim da Segunda Guerra Mundial. Como ainda não temos uma cura para os malefícios do COVID-19, as entidades médicas e científicas continuam adotando como recomendação padrão o isolamento social como a melhor forma de nos prevenirmos e também, de não propagarmos a doença para pessoas que possam sofrer suas graves consequências.
Nesse momento em que nós, pessoas conscientes, temos nos fechado cada vez mais em nossos lares em quarentena, a arte em suas mais diversas formas de manifestação tem sido nossa companheira inseparável e portadora de alento para nossa saúde física e mental.
Pensando nisso, e propondo um contraponto a esse momento tão incerto, o beatlelogias.com resolveu elaborar uma lista com a identificação de 10 sintomas que te ajudará no diagnóstico preciso de um distúrbio do bem: A Beatlemania. Bora lá saber em qual estágio você se encontra?
Ah, lembrando que…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Crônica 2 - "Toca Raunchy, George"

Liverpool, 06 de fevereiro de 1958.

Querido diário,

Hoje fui com as meninas da escola assistir ao meu primeiro show de Rock and Roll... The Quarrymen no Wilson Hall em Garston.
Os discos do Elvis que irritavam meus pais já não eram mais suficientes para saciar o meu vício. Ainda mais sabendo que Liverpool tinha bandas de rock que tocavam regularmente há mais de um ano. Eu tinha que ver de perto! Mas, eu, Peggy Smith, com apenas 15 aninhos não era 'adulta' o suficiente para poder estar rodeada de cabeludos, ouvindo aquela música do diabo... Ainda posso ouvir minha mãe dizendo essas palavras! Então, falei para os meus pais que iria dormir na casa de uma amiga, Martha Quinn, para estudarmos para a prova de aritmética do dia seguinte. Martha, era filha de mãe solteira, pois o pai havia morrido na guerra. A mãe dela, Gladys, era enfermeira no turno da noite no Hospital Wolton, na Rice Lane.  Oportunidade perfeita para irmos ao show. Pegamos o ônibus até Lowbridge Court e de lá fomos a pé…

Crônica 1 - "Uma tarde em Woolton"

Liverpool, 6 de julho de 1957.

Meu nome é Peter Jones. Estudo arte dramática no Liverpool Institute. Tenho 22 anos.
Eu e alguns amigos resolvemos nos juntar para produzir um jornalzinho da escola, dirigido aos alunos, para exercitar nossa verve literária e ver o que estava acontecendo de interessante na cinzenta Liverpool.
Minha primeira missão: Fazer a cobertura da quermesse anual da igreja de São Pedro, em Woolton. O tempo estava bom, e sendo um liverpooliano, já tinha me acostumado ao verão quase frio dessas bandas do norte. Ao sair peguei um casaco, por precaução.
Me sentei sozinho no andar de cima do ônibus no caminho de ida, para organizar minhas ideias e tentar tirar algo de realmente bom de uma festinha de bairro.
Chegando lá, em meio a barraquinhas de comidas típicas, senhoras vendiam arranjos de flores e havia umas moças bem bonitas, enfermeiras, arrecadando fundos para a reforma do orfanato do Exército da Salvação, Strawberry Fields. Passei por ele no caminho para a feira.
Fui lo…