Pular para o conteúdo principal

Crônica 8 - "1,2,3... Gravando!" - A sessão de Please Please Me




Londres, 11 de fevereiro de 1963.


O último boato da cena rocker de Londres que dominou as conversas durante todo o ano passado, é que os Beatles, banda de relativo sucesso de Liverpool, tinham sido dispensados categoricamente por Dick Rowe da gravadora Decca, após uma sessão no dia primeiro de janeiro de 1962 nos estúdios de Broadhurst Gardens.

O que corre é que o Sr. Rowe teria dito a Brian Epstein que “bandas com guitarras estão em franca decadência, Sr. Epstein” e, mesmo assim, assinou com Brian Poole and the Tremeloes, uma vez que eles sendo de Londres, tornavam a logística mais acessível do que com os rapazes de Liverpool.

Sendo eu quem toma conta dos pagamentos pelos aluguéis dos estúdios da EMI em Londres, me surpreendi quando cheguei de manhã e vi um registro de pagamento de 400 libras por um dia de gravação agendado para os Beatles para hoje, 11 de fevereiro, com produção de George Martin, do selo Parlophone. Afinal, esse retorno deles aos nossos estúdios era esperado por todos há meses!




Intrigada, liguei para o meu chefe Ron White para confirmar o agendamento
da banda e, então ele me disse: ‘Meredith, a banda está agendada, mas George Martin não está satisfeito com o baterista deles’. E, continuou: ‘Procure pelo número de Andy White e diga para ele ficar de prontidão’.

Andy já havia gravado o compacto ‘Love Me Do / PS I Love You’ com eles em setembro passado, pois o Sr. Martin não estava satisfeito com o desempenho de Pete Best o antigo baterista deles. E, o novo, Ringo Starr, tinha se juntado a eles há pouco mais de duas semanas, me parece. ‘Bom é melhor prevenir do que remediar’, pensei comigo. Então, liguei e agendei com Andy para a mesma sessão.

‘Love Me Do’ surpreendentemente tinha chegado ao 14º lugar da parada de sucessos, o que garantiu aos rapazes a oportunidade de gravação de um disco inteiro, segundo um acordo entre o Sr. Epstein e o Sr. White. A EMI não deixaria um sucesso desse ir embora. Não é possível!

Às 10 horas da manhã, os rapazes chegaram com o Sr. Epstein e o simpático motorista deles, Neil. O Sr. Martin então me disse: ‘Srta. Brings, leve os rapazes para tomarem um café, enquanto eu converso com o Sr. Epstein aqui’.

Na cantina do estúdio, todos praceiam sorridentes e brincalhões. Mas, eu percebi que era de nervosismo! Ringo, o baterista, parecia o mais nervoso deles. Talvez por conjecturar que poderia não tocar na sessão.


John Lennon e Paul McCartney me contaram que não aproveitariam nenhuma das músicas da sessão da Decca e que tentariam dar mais prioridade ao seu próprio material. Segundo eles, seriam oito composições próprias e seis releituras de músicas mais antigas que eles haviam deixado em ponto de bala, “para não ter erro desta vez”, enfatizou John Lennon, que parece ser o líder da turma.

Eu realmente fiquei boquiaberta com a confiança desses jovens rapazes por dois motivos. Primeiro, por ninguém mais apostava em material próprio e a indústria tinha se tornado um pastiche do que foi feito pelos pioneiros dos anos 50. Depois, pela inteligência, charme e senso de humor deles que, ao que consta, foi o que chamou atenção de Brian Epstein ao contratá-los.

Por eles serem um pouco mais jovens do que eu, me fizeram lembrar da chama de querer conquistar o mundo, de estar aberto às novas correntes e de se deixar levar pelos impulsos! Coisas que meu noivo abomina em mim... Ainda acho que o Rock And Roll vai salvar essa juventude!

A sessão começou por volta das 11 horas e, até na hora que eu estava indo embora, por volta das 18 horas, ainda não havia sequer chegado à sua metade! Take após take, as músicas foram sendo lapidadas e se tornavam atraentes aos ouvidos de todos que estávamos trabalhando lá. O sorriso no rosto do Sr. Epstein era contagiante!

Do que eu pude presenciar, três canções me chamaram a atenção: ‘Please Please Me’, que segundo o Sr. Epstein será o próximo single; ‘Do You Want to Know a Secret’, com o tímido guitarrista George Harrison cantando sobre os vocais de apoio dos colegas e, ‘Twist and Shout’ dos Isley Brothers, na qual Lennon berrava alucinadamente e que, provavelmente, será deixada para uma próxima oportunidade pois a garganta do próprio John já havia pedido arrego. Ah! Ringo estava feliz da vida e gravou tudo até eu deixar o prédio!



Quando eu caminhava para o ponto de ônibus pensei comigo na mancada do pessoal da Decca por ter dispensado uma banda tão jovem e tão bem preparada! Creio que se arrependerão disso no futuro! Enfim, pode ser que eu tenha presenciado o nascimento de alguns sucessos... Tomara! Esses garotos merecem!

por Alysson Almeida

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Do Rio ao Universo: Lizzie Bravo - A brasileira que gravou com os Beatles

Por Alysson Almeida
Imagine-se em um barco em um rio, com árvores de tangerina e céus de marmelada... Cantava John Lennon na proposta lisérgica de Lucy in the Sky With Diamonds. Seria a viagem perfeita! Mas, tente se imaginar dentro do estúdio de Abbey Road dividindo os microfones com os Fab Four no clássico Across the Universe... seria um sonho! E para nos contar como foi realizar esse sonho, a brasileira Elizabeth ‘Lizzie’ Bravo, atendeu o Beatlelogias trazendo histórias da sua estadia na pulsante Londres nos anos 1960, da proximidade diária com os rapazes de Liverpool, de “Do Rio a Abbey Road”, seu livro que já vai para a segunda edição, e como é ser a única brasileira a gravar com os Beatles. Words are flowing out like endless rain into a paper cup...
Beatlelogias - Chegando em Londres em 1967, no boom da cultura da psicodelia, com todas as mudanças comportamentais e sociais da época, como foi para uma menina do Rio de Janeiro viver na Swinging London dos anos 60? Lizzie Bravo: Aos 1…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

Os Beatles muito além de "Let it Be" (Entrevista com Ricardo Pugialli)

Biólogo por formação, beatlemaníaco por convicção. Podemos creditar a Ricardo Pugialli o título de maior escritor brasileiro sobre a trajetória dos FabFour antes, durante e a partir de agora, também após os "The Beatles". Pesquisador desde 1980 da obra dos 4 garotos de Liverpool, Pugialli lançou em 1992 "Os Anos da Beatlemania". Em 2008 alcançou reconhecido sucesso com o lançamento do livro "Beatlemania" e agora, 11 anos depois, volta para contar em "The Beatles 1970-80" o que o próprio considera como uma continuação natural do primeiro livro. O Beatlelogias teve o prazer de conversar com Ricardo sobre a influência dos "Beatles" nas gerações atuais, a carreira dos quatro além da banda e muito mais.  Com a palavra, o próprio!
por Alysson Almeida e Leko Soares
Beatlelogias - O seu livro 'Beatlemania' de 2008, teve prefácio de Sir George Martin. Como foi que se deu o contato entre vocês? Teve alguma coisa a ver com a sua participaçã…