Pular para o conteúdo principal

FAB Covers - As canções regravadas pelos Beatles (pt.1)


Por Alysson de Almeida


Quase todo mundo já gravou pelo menos uma música dos Beatles. Ou, também, já tocou alguma versão das canções deles ao vivo. Até aí é chover no molhado... Mas, quais foram as canções de outros artistas que os Beatles regravaram em sua discografia oficial?

O beatlelogias.com faz uma viagem em três partes nesse repertório de terceiros eternizado pelos FabFour... Bora lá!

PARTE I – DISCOGRAFIA OFICIAL


Quando os Beatles ainda eram uma banda de bar, no final dos anos 1950, o seu repertório consistia basicamente de releituras dos sucessos dos pioneiros do Rock and Roll americano, como Elvis Presley, Chuck Berry, Little Richard e Buddy Holly somados aos primeiros hits Soul Pop da Motwon, com uma ou outra música própria espalhada pelas apresentações.
No período em Hamburgo, com shows extremamente longos a variedade de artistas ‘homenageados’ teve que crescer de forma exponencial para manter os alemães entretidos por várias horas de show.
Até quando começaram a sua carreira fonográfica de forma oficial, os Beatles mantiveram esse padrão nos seus primeiros álbuns, entretanto, com a produção própria tomando cada vez mais o lugar dos covers de seus heróis.

Na infame audição para a Decca Records, por exemplo, das quinze músicas apresentadas somente três canções (Hello Little Girl, Love of the Loved e Like Dreamers Do) eram de autoria da dupla Lennon & McCartney.

As outras doze eram covers dos tempos de Hamburgo: "Till There Was You" (Meredith Willson), "To Know Her Is to Love Her" (Phil Spector), "Take Good Care of My Baby" (Carole King/Gerry Goffin), "Crying, Waiting, Hoping" (Buddy Holly), "Bésame Mucho" (Consuelo Velázquez), "Searchin'" (Jerry Leiber/Mike Stoller), "Money (That's What I Want)" (Berry Gordy/Janie Bradford), "The Sheik of Araby" (Harry B. Smith/Francis Wheeler/Ted Snyder), "Memphis, Tennessee" (Chuck Berry), "Three Cool Cats" (Leiber/Stoller), "Sure to Fall (in Love with You)" (Carl Perkins/Bill Cantrell/Quinton Claunch) e "September in the Rain" (Harry Warren/Al Dubin).

Obs: Complete a sua viagem conhecendo as músicas originais pelos links do YouTube.

Agora, faremos uma análise faixa a faixa dos covers gravados oficialmente pelos Beatles:

01 - Please Please Me (1963)



Anna (Go to Him) - escrita e originalmente gravada por Arthur Alexander. Sua versão foi lançada como single pela Dot Records em 17 de setembro de 1962.


Chains - composta dupla de compositores Gerry Goffin e Carole King e originalmente gravada (mas não lançada) pelos Everly Brothers. Em 1962, foi um sucesso para os cantores de apoio de Little Eva, os Cookies.


Boys - música de Luther Dixon e Wes Farrell, originalmente tocada pelos Shirelles e lançada como o lado B do single "Will You Love Me Tomorrow" em novembro de 1960.


Baby It's You - escrita por Burt Bacharach (música), Luther Dixon (creditado como Barney Williams) e Mack David (letras). Foi gravada pelas Shirelles e se tornou um grande sucesso. A versão mais bem colocada nas paradas de sucesso de "Baby It's You" foi da banda Smith, que levou a música para o número cinco nas paradas americanas em 1969.


A Taste of Honey - é um standard pop escrito por Bobby Scott e Ric Marlow. Era originalmente uma faixa instrumental escrita para a versão de 1960 da Broadway da peça britânica homônima de 1958 (que também foi transformada no filme de mesmo nome em 1961). Tanto a gravação original quanto a posterior de Herb Alpert, em 1965, renderam à música quatro prêmios Grammy. Uma versão vocal da música - gravada primeiro por Billy Dee Williams (e lançada em 1961 pela gravadora Prestige) e depois gravada com muito sucesso por Lenny Welch no verão de 1962. Barbra Streisand tocou a música como parte de seu show de cabaré em 1962, e a gravou em janeiro de 1963 para seu álbum de estreia na Columbia, que ganhou um Grammy por Álbum do Ano.


Twist and Shout - escrita em 1961 por Phil Medley e Bert Berns, posteriormente creditado como "Bert Russell". Foi gravada originalmente pelo The Top Notes, mas tornou-se uma parada de sucesso dos Isley Brothers em 1962. A música foi coberta por vários artistas, incluindo The Tremeloes em 1962, e The Who em 1970 e 1984.



02 - With The Beatles (1963)
  


Till There Was You - música escrita por Meredith Willson para sua peça musical The Music Man (1957), e que também apareceu na versão cinematográfica de 1962. É cantada pela bibliotecária Marian Paroo (interpretada por Barbara Cook na Broadway e por Shirley Jones no filme) para "Professor" Harold Hill (interpretado na Broadway e no filme de Robert Preston) no final do Ato Dois. Em 1959, a música se tornou o primeiro de quatro hits do Top 40 nos EUA para Anita Bryant.


Please Mr. Postman - canção escrita por Georgia Dobbins, William Garrett, Freddie Gorman, Brian Holland e Robert Bateman. É o single de estréia da Marvelettes para o selo Tamla (Motown), e notável como a primeira música da Motown a alcançar a posição número um na parada de singles pop da Billboard Hot 100 no final de 1961 e atingiu o número um na parada de R&B também. "Please Mr. Postman" se tornou hit número um novamente no início de 1975, quando a versão dos Carpenters alcançou a primeira posição do Billboard Hot 100.


Roll Over Beethoven - é um hit de 1956, escrito por Chuck Berry, lançado originalmente na Chess Records. O título da música é um imperativo dirigido ao compositor Ludwig van Beethoven para rolar em seu túmulo em reação ao novo gênero musical que Berry estava promovendo. A música foi regravada por muitos outros artistas, incluindo a Electric Light Orchestra. A revista Rolling Stone classificou o número 97 em sua lista das "500 melhores músicas de todos os tempos.

You Really Got a Hold on Me - música escrita por Smokey Robinson, que se tornou um hit do Top 10 de 1962 para The Miracles na gravadora Tamla da Motown. Uma das músicas mais Regravadas dos The Miracles, essa música que vendeu milhões recebeu o prêmio Grammy Hall of Fame 1998. Também foi selecionada como uma das 500 músicas do Hall da Fama do Rock and Roll que deram forma ao Rock and Roll.


Devil in Her Heart - música escrita por Richard P. Drapkin, que gravou sob o nome Ricky Dee. A música foi originalmente gravada como "Devil in His Heart" em Detroit pelos The Donays para a Correc-tone Records. Mais tarde, foi escolhido pelo selo Brent de Nova York e relançado em agosto de 1962 como " (There's a) Devil in His Heart ". Os The Donays fizeram apenas uma gravação, mas sua vocalista, Yvonne Vernee também gravou solo e depois se juntou aos Elgins na Motown.


Money (That's What I Want) - canção de rhythm and blues escrita pelo fundador da Tamla, Berry Gordy e Janie Bradford, que foi o primeiro disco de sucesso da empresa de Gordy na Motown. Barrett Strong gravou em 1959 como um single para o selo Tamla, distribuído nacionalmente pela Anna Records. Muitos artistas gravaram a música posteriormente, incluindo os Flying Lizards em 1979.


03 - Beatles For Sale (1964)




Rock and Roll Music - hit de 1957 escrito e gravado pela estrela do rock and roll Chuck Berry. A música foi amplamente divulgada e é reconhecida como uma das composições mais populares e duradouras de Berry. No outono de 1957, sua gravação alcançou o número 6 na parada de R&B Singles da revista Billboard e o número 8 na parada Hot 100. Foi regravada por muitos artistas conhecidos como os Beach Boys, Bill Haley & His Comets, Dickie Rock e Miami Showband, REO Speedwagon, Mental As Anything, Humble Pie, Manic Street Preachers e Bryan Adams. Em 2004, a revista Rolling Stone classificou a versão número 128 da Berry em sua lista das "500 melhores músicas de todos os tempos". A música também está incluída nas 500 músicas do Hall da Fama do Rock and Roll que deram forma ao Rock and Roll.


Mr. Moonlight - canção escrita por Roy Lee Johnson. A primeira gravação conhecida da música foi pelo pianista de blues Piano Red, gravando como "Dr. Feelgood and the Interns". Foi lançado como o lado B de um single menor (intitulado "Dr. Feelgood") em 1962. O disco se tornou um dos favoritos do culto entre vários jovens entusiastas britânicos de R&B, alguns dos quais logo se tornariam membros de bandas conhecidas. Outro grupo emergente, The Hollies, gravou e lançou sua própria apresentação da música com Graham Nash nos vocais antes da versão dos Beatles. Além disso, a mesma música também foi regravada pelos Merseybeats em 1963. Entrou no ranking CFUN de Vancouver em 18 de abril de 1964. Uma regravação em espanhol foi gravada pelo trio vocal mexicano Los Apson Boys, intitulada "Triste Luna".


Kansas City/Hey, Hey, Hey, Hey - é um medley de duas canções regravada pelos Beatles que junta Kansas City (escrita por Jerry Leiber e Mike Stoller em 1952. Gravada pela primeira vez por Little Willie Littlefield no mesmo ano, a música mais tarde se tornou um sucesso no topo das paradas quando foi gravada por Wilbert Harrison em 1959. "Kansas City" é uma das músicas mais gravadas de Leiber e Stoller, com mais de trezentas versões) e Hey, Hey, Hey, Hey (foi escrita por Little Richard. Em 1955, Little Richard gravou duas versões diferentes de "Kansas City" de Jerry Leiber e Mike Stoller: uma em 13 de setembro e outra em 29 de novembro. A primeira versão, que segue de perto a gravação original de 1952 de Little Willie Littlefield nos dois primeiros versos, não foi lançada até novembro de 1970, na coletânea Well Alright! A segunda versão, que foi substancialmente re-trabalhada por Little Richard (em particular, apresentava um novo refrão começando com as palavras " Hey, Hey, Hey, Hey, baby. Hey child, Hey now ") foi lançada em março 1959 no disco The Fabulous Little Richard e em abril de 1959 como single após o sucesso do hit de Wilbert Harrison.


Words of Love - é uma música escrita por Buddy Holly. Holly gravou a música em 8 de abril de 1957. Holly se harmonizou consigo mesmo, combinando gravações de cada parte. A música não foi um sucesso notável para Holly, embora seja considerada uma de suas gravações mais importantes. Uma versão doo-wop dos Diamonds, lançada em 1957, alcançou o número 13 na Billboard Hot 100 em julho de 1957.


Honey Don't - escrita por Carl Perkins, originalmente lançada em 1956 como o lado B do single "Blue Suede Shoes". Ambas as músicas se tornaram clássicos do rockabilly. Bill Dahl, da Allmusic, elogiou a música dizendo: "'Honey Don't' realmente supera seu companheiro de prato mais célebre em alguns aspectos." Foi regravada por mais de 20 outros artistas, incluindo Ronnie Hawkins e Johnny Rivers.


Everybody's Trying to Be My Baby - Também composta por Carl Perkins, é uma música rockabilly baseada em uma canção de 1934, escrita pelo cantor / compositor Rex Griffin. Alcançou grande popularidade quando foi lançada em 1957 por Carl Perkins.


04 - Long Tall Sally EP (1964)




Long Tall Sally - é um blues rock and roll de 12 compassos escrita por Robert "Bumps" Blackwell, Enotris Johnson e Little Richard; gravado por Little Richard em 1956. Posteriormente lançado no LP Here’s Little Richard em 1957. O single alcançou o número um na parada R&B da Billboard, permanecendo no topo por seis das 19 semanas, enquanto alcançava o número seis na parada pop. A música é a número 55 na lista das 500 melhores músicas de todos os tempos da Rolling Stone. Tornou-se um dos hits mais conhecidos do cantor e se tornou um clássico do Rock And Roll regravado por centenas de artistas, incluindo Elvis Presley.



Slow Down - música escrita e executada por Larry Williams. Gravada em 1957, o escritor da AllMusic, Stewart Mason, a descreve como "estridente o suficiente para ser punk rock quase duas décadas antes do conceito existir".


Matchbox - canção escrita e gravada por Carl Perkins e lançada em 1957. Blind Lemon Jefferson escreveu e gravou uma música intitulada "Match Box Blues" em 1927, que é musicalmente diferente, mas que contém algumas frases líricas em comum.


Bad Boy - música composta e gravada por Larry Williams em 1958. Os músicos da gravação incluíam Williams nos vocais e piano, Earl Palmer na bateria, René Hall na guitarra, Jewell Grant no sax barítono, Plas Johnson no sax tenor e Ted Brinson no baixo.


05 - Help! (1965)




Act Naturally - escrita por Johnny Russell, com um crédito dado a Voni Morrison e direitos de publicação transferidos para Buck Owens. Foi originalmente gravada por Buck Owens e os Buckaroos, cuja versão alcançou o número um na parada Billboard Country Singles em 1963, seu primeiro hit líder no ranking.  Em 2002, Shelly Fabian, do site About.com, classificou a música como número 169 em sua lista das 500 melhores músicas de música country.


Dizzy Miss Lizzy - é um rock and roll escrito e gravado por Larry Williams em 1958. Embora identificada como um "genuíno clássico do rock & roll", teve sucesso limitado nas paradas de discos. John Lennon a tocou com a Plastic Ono Band em 1969.



06 - Let It Be (1970)




Maggie Mae - é uma música folclórica tradicional de Liverpool sobre uma prostituta que roubou uma passagem de volta pra casa de um marinheiro que volta para casa depois de uma viagem. John Manifold, em seu Penguin Australian Song Book, descreveu-o como "uma canção focada na origem de Liverpool aparentemente, mas imensamente popular entre os marinheiros de todo o mundo". Tornou-se amplamente divulgado na versão skiffle a partir do final dos anos 50, gravada pelos The Vipers. Em 1964, o compositor e letrista Lionel Bart (o criador do musical Oliver!), usou a música e sua história de fundo como base de um musical em torno das docas de Liverpool. O show, também chamado Maggie May, ficou dois anos em cartaz em Londres.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os 10 Sintomas da Beatlemania (diagnóstico)

por Leko Soares e Alysson Almeida
Em 2020 vivemos um dos momentos decisivos e mais tristes da humanidade desde 1945, com o fim da Segunda Guerra Mundial. Como ainda não temos uma cura para os malefícios do COVID-19, as entidades médicas e científicas continuam adotando como recomendação padrão o isolamento social como a melhor forma de nos prevenirmos e também, de não propagarmos a doença para pessoas que possam sofrer suas graves consequências.
Nesse momento em que nós, pessoas conscientes, temos nos fechado cada vez mais em nossos lares em quarentena, a arte em suas mais diversas formas de manifestação tem sido nossa companheira inseparável e portadora de alento para nossa saúde física e mental.
Pensando nisso, e propondo um contraponto a esse momento tão incerto, o beatlelogias.com resolveu elaborar uma lista com a identificação de 10 sintomas que te ajudará no diagnóstico preciso de um distúrbio do bem: A Beatlemania. Bora lá saber em qual estágio você se encontra?
Ah, lembrando que…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Crônica 2 - "Toca Raunchy, George"

Liverpool, 06 de fevereiro de 1958.

Querido diário,

Hoje fui com as meninas da escola assistir ao meu primeiro show de Rock and Roll... The Quarrymen no Wilson Hall em Garston.
Os discos do Elvis que irritavam meus pais já não eram mais suficientes para saciar o meu vício. Ainda mais sabendo que Liverpool tinha bandas de rock que tocavam regularmente há mais de um ano. Eu tinha que ver de perto! Mas, eu, Peggy Smith, com apenas 15 aninhos não era 'adulta' o suficiente para poder estar rodeada de cabeludos, ouvindo aquela música do diabo... Ainda posso ouvir minha mãe dizendo essas palavras! Então, falei para os meus pais que iria dormir na casa de uma amiga, Martha Quinn, para estudarmos para a prova de aritmética do dia seguinte. Martha, era filha de mãe solteira, pois o pai havia morrido na guerra. A mãe dela, Gladys, era enfermeira no turno da noite no Hospital Wolton, na Rice Lane.  Oportunidade perfeita para irmos ao show. Pegamos o ônibus até Lowbridge Court e de lá fomos a pé…

Crônica 1 - "Uma tarde em Woolton"

Liverpool, 6 de julho de 1957.

Meu nome é Peter Jones. Estudo arte dramática no Liverpool Institute. Tenho 22 anos.
Eu e alguns amigos resolvemos nos juntar para produzir um jornalzinho da escola, dirigido aos alunos, para exercitar nossa verve literária e ver o que estava acontecendo de interessante na cinzenta Liverpool.
Minha primeira missão: Fazer a cobertura da quermesse anual da igreja de São Pedro, em Woolton. O tempo estava bom, e sendo um liverpooliano, já tinha me acostumado ao verão quase frio dessas bandas do norte. Ao sair peguei um casaco, por precaução.
Me sentei sozinho no andar de cima do ônibus no caminho de ida, para organizar minhas ideias e tentar tirar algo de realmente bom de uma festinha de bairro.
Chegando lá, em meio a barraquinhas de comidas típicas, senhoras vendiam arranjos de flores e havia umas moças bem bonitas, enfermeiras, arrecadando fundos para a reforma do orfanato do Exército da Salvação, Strawberry Fields. Passei por ele no caminho para a feira.
Fui lo…