Pular para o conteúdo principal

Let it Be - Especial 50 anos (Histórias e Melodias)



por Leko Soares

Let it Be – Histórias e Melodias

“Let it Be” foi o último álbum lançado pelos Beatles, embora sua gravação tenha precedido às sessões de Abbey Road. O projeto que inicialmente se chamaria Get Back, teria seu processo de gravação documentado e culminaria em uma apresentação com a banda tocando as músicas do álbum ao vivo. Como sabemos, o objetivo final nunca se concretizou totalmente e basicamente o que restou foi a célebre apresentação no telhado do prédio da Apple Corps, em 30 de janeiro de 1969.
Nessa sessão reunimos curiosidades sobre o processo de gravação e as ideias que levaram à construção do que viria a ser o derradeiro álbum dos Beatles que hoje completa 50 anos de seu lançamento, em um longínquo 08 de Maio de 1970. Com vocês, Let it Be!



Two of Us – Música que Paul compôs para Linda e que celebra o hábito que tinham à época de “sumirem do mundo”, vagando de carro sem destino para fora de Londres. Para um beatle cheio de compromissos e com uma agenda regrada, era o escape que traria alento àqueles momentos conturbados em que Paul se encontrava. O verso “two of us riding nowhere” (nós dois passeando rumo a lugar algum) explica bem a intenção.
Uma última curiosidade: em 2000, o mesmo diretor do filme “Let it Be”, Michael Lindsay-Hogg também foi responsável por dirigir o filme “Two of Us” que narra um hipotético encontro entre Paul e John em seu apartamento em NY, em 1976. Vale muito a pena assistir ao filme e se questionar sobre o que poderia ter acontecido depois. 

Dig a Pony – primeiramente intitulada “Con a Lowry”, em referência ao órgão Lowry utilizado no estúdio. O refrão foi tirado de outra música do John intitulada “All I Want is You” que havia sido composta para Yoko. A ficha técnica original do disco usava esse título. Em 1972, John declarou sobre a música: “Eu estava só me divertindo com as palavras. Era uma canção nonsense. Você pega as palavras, encaixa uma na outra e vê se têm algum significado. Algumas vão ter, outras não.”


Across the Universe – É a faixa mais antiga do Let it Be. Foi gravada originalmente em 1968 e foi lançada em dezembro de 1969 em um álbum beneficiente organizado por Spike Milligan, intitulado 'No One´s Gonna Change Our World'.

John descreve que a ideia da letra surgiu após uma discussão com Cynthia. Ao tentar dormir veio-lhe a frase “pools of sorrow, waves of joy” (poças de tristeza, ondas de alegria). Ele se levantou da cama e continuou a compor até terminar a canção. “Desci a escada e a canção acabou virando algo cósmico em vez de irritado.” John valorizava a métrica da música e acreditava que não conseguiria compor algo daquele tipo novamente, além daquele momento. No fim, era uma música que falava sobre a dádiva de compor e ele descreve bem o momento de inspiração que o levou àquele momento: “Foi como estar possuído, tipo um vidente ou um médium. Você tem que fazer alguma coisa com aquilo. Só aí pode dormir.”
Apesar de admirar a composição, John nunca se conformou com a forma como ela foi gravada: “As guitarras estão desafinadas e a minha voz também”, disse ele em 1980.
Mais uma curiosidade: a brasileira Lizzie Bravo, que inclusive já foi entrevistada pelo Beatlelogias, participou das gravações dos backing vocals de "Across the Universe". 




I Me Mine – Composição de George, ela reflete a mudança espiritual e os anseios pelo qual o beatle passava. “Eu quero, o que pertence “a mim”, o que é “meu” reflete a preocupação com a individualidade que nos impede de atingir um nível mais alto de consciência. Com certeza, essa ideia lírica era influenciada pelas palavras de Krishna no Bhagavad Gita: “Estarão para sempre livres os que renunciam aos desejos egoístas e se libertam da jaula do ego, do “eu”, do “mim”, do “meu”, e unem-se ao Senhor. Este é o estado supremo.” George odiava seu próprio Ego e dizia que passou a se questionar diramente “Quem sou eu?” Daí nasceu "I Me Mine", que é sobre o ego e seus problemas.
Musicalmente falando, um trecho da 'Valsa do Imperador' de Johann Strauss II foi o que inspirou George a criar uma música em compasso 3 por 4.

Dig It – praticamente um interlúdio de 49 segundos no álbum, Dig It nasceu de uma jam em que o grupo tocava “Like a Rolling Stone” de Bob Dylan. O verbo “to dig” era um termo hipster que significava algo como “entender, apreciar, curtir”.
Mesmo sendo uma canção descrita por John como “descartável”, ela refletia a filosofia que os Beatles seguiam desde 1965 de apreciar tudo com uma consciência esclarecida. “A experiência imediata, diária e presente é a razão total e definitiva para a existência de um universo”. Essa era a filosofia de Alan Watts que basicamente resumia a nossa experiência de vida a máxima de "curtir tudo a todo o momento".

Let it Be – Paul compôs Let it Be como uma forma de extravasar seus sentimentos de desalento em relação ao fim dos Beatles que a cada dia se vislumbrava mais claro. “Eu a compus quando todos aqueles problemas com negócios começaram a me desanimar. Eu estava passando mesmo por uma hora sombria.”
John se referia à música como C&G: “isso é country e gospel”. E embora a menção a mother Mary na letra pudesse indicar isso, na verdade Paul estava se referindo a sua própria mãe, Mary McCartney que faleceu quando ele tinha apenas 14 anos: “eu me deitava na cama, ficava pensando sobre o que estava acontecendo e me sentia paranoico. Certa noite, eu sonhei com minha mãe e no sonho ela dizia que tudo iria ficar bem.”


Maggie Mae – é uma adaptação de uma canção tradicional de Liverpool sobre uma prostituta acusada de roubar o soldo de um marinheiro mercante, seu cliente, e mandada para uma prisão australiana como punição. É provável que John tenha aprendido a canção com sua mãe Julia. “Eu me lembro que ela apareceu um dia em 1957, e John estava lá. Ela cantou uma versão não censurada de ‘Maggie Mae’” relatou Michael Fishwick.

I’ve Got a Feeling – A música é uma junção de duas canções: ‘I’ve Got a Feeling’ de Paul e ‘Everybordy had a Hard Year’ de John. A de Paul, otimista como sempre, e a de John era uma litania com os versos todos começando em “everybody”.

Embora, durante as filmagens de Let it Be, John tenha brincado dizendo que tinha começado a compô-la no dia anterior, na verdade, existem imagens registradas pela BBC em dezembro de 1968 em que John a canta ao violão no jardim de sua casa.
Ela foi uma das canções mais ensaiadas em todo o álbum.


The Long and Winding Road – A longa e sinuosa estrada da letra remete aos 25 Km entre Kintyre e o vilarejo mais próximo à fazenda onde Paul morava. “É uma canção triste porque fala do inatingível, da porta à qual você nunca chega. E uma estrada cujo fim você nunca realmente alcança.”
Musicalmente, ela foi inspirada em Ray Charles e é por isso que Paul utiliza acordes de jazz ao piano.
A maior polêmica em torno da música, porém, foi em relação à adição de um arranjo de cordas a mando de Phil Spector que havia sido contratado no início de 1970 para terminar o álbum. Paul não aprovou o arranjo e pediu que fosse retirado, o que não aconteceu. Esse é apontado como um dos estopins que o levou a anunciar sua saída da banda em abril de 1970.
A música foi lançada como single  nos EUA em maio de 1970, indo diretamente ao topo das paradas.

One After 909 – a canção mais antiga de Lennon e McCartney a ser gravada pelos Beatles. Fazia referência ao trem que eles pegavam que saia “depois do das 21:09”.  A banda havia gravado uma primeira versão dela em março de 1963, na sessão da qual saiu o single “From Me to You”, mas George Martin não teria gostado dela.


For You Blue – George pretendia criar um blues simples de 12 compassos inspirado nos primeiros blues da década de 1920. George explicou:”o principal pra mim, é que é influenciada por aqueles camaradas, quando nada era profissional.” George menciona que a música que o influenciou foi “Corrina, Corrina”, de Bo Carter, gravado em 1928. “Devem ter gravado em cinco minutos. Era como eu queria fazer.” Disse ele. John respondeu: “Bom, você ainda tem mais três”.


Ge Back – Get Back surgiu com o refrão “Get back, get back to where you once belonged” e era preenchida com sons nonsense. Ao longo de três semanas, os sons foram sendo substituídos por palavras até construírem uma narrativa plausível. Paul disse: “Eu não sei sobre o que é. É sobre ir embora e aí o refrão diz ‘get back’. Na verdade, não é sobre nada.”

Chegaram a cogitar transformá-la em uma canção de protesto, com o verso “Enquanto isso, no nosso país, 20 paquistaneses habitam um grupo habitacional/ O candidato do Partido Trabalhista lhes diz qual é o plano/ E depois diz qual a realidade”. Era uma crítica ao deputado conservador Enoch Powell e sua política de reemigração. No fim, acabaram desistindo da ideia.
Musicalmente, Paul queria que “Get Back” soasse mais barulhenta e que os acordes fossem bem estridentes.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Beatles Cartoon: Como os Beatles viraram desenho animado?

Por Alysson de Almeida.
Três anos antes de embarcarem na animação psicodélica Yellow Submarine, nossos heróis de Liverpool se tornaram estrelas de uma série de animação, no estilo Saturday Morning Cartoon, em 23 de setembro de 1965, pela rede de televisão ABC. No auge da Beatlemania, foram produzidos uma série de 39 episódios de meia hora de desenhos animados que, desde a estreia, quebrou todos os recordes de audiência do canal. Totalmente inusitado para época, por se tratar de um horário dedicado ao público infantil.
A série consistia em pequenas histórias animadas que se destinavam essencialmente a criar a ilustração visual das músicas dos Beatles que eram tocadas na íntegra e, a cada episódio, o título de uma das músicas seria o tema do episódio. Além disso, havia também sequências de karaokê com imagens mais simples, com legendas complementando as letras inteiras de determinadas músicas.
Os próprios membros da banda não tinham nada a ver com a produção da série além do uso de suas gr…

Helter Skelter (curiosidades)

Helter Skelter é uma canção emblemática na carreira dos Beatles. Por muitos, considerada o primeiro "Heavy Metal" da história, ficou mesmo marcada pela associação com a seita liderada por Charles Manson, uma das mentes criminosas mais malignas do século XX. Para inaugurarmos nossa nova sessão "Histórias e melodias", nada melhor que uma lista de  curiosidades sobre a tridimensionalidade e vida própria que a faixa 23 (ou a 6 do Lado 3) do "White Album" ganhou ao longo dos anos, por diversas razões que abordamos abaixo. Confira!


1 – Essa é a capa da versão estendida do filme lançado em 2004, com roteiro baseado no livro de Vincent Bugliosi, que trata dos assassinatos da “Família Manson” e sua relação com a Helter Skelter. Já assistiu ao filme?

"Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa guerra com ninguém. Isso não significa que essas pessoas vão matar outras pessoas. Significa apenas o que significa. Helter Skelter é confusão. A confu…

Do Rio ao Universo: Lizzie Bravo - A brasileira que gravou com os Beatles

Por Alysson Almeida
Imagine-se em um barco em um rio, com árvores de tangerina e céus de marmelada... Cantava John Lennon na proposta lisérgica de Lucy in the Sky With Diamonds. Seria a viagem perfeita! Mas, tente se imaginar dentro do estúdio de Abbey Road dividindo os microfones com os Fab Four no clássico Across the Universe... seria um sonho! E para nos contar como foi realizar esse sonho, a brasileira Elizabeth ‘Lizzie’ Bravo, atendeu o Beatlelogias trazendo histórias da sua estadia na pulsante Londres nos anos 1960, da proximidade diária com os rapazes de Liverpool, de “Do Rio a Abbey Road”, seu livro que já vai para a segunda edição, e como é ser a única brasileira a gravar com os Beatles. Words are flowing out like endless rain into a paper cup...
Beatlelogias - Chegando em Londres em 1967, no boom da cultura da psicodelia, com todas as mudanças comportamentais e sociais da época, como foi para uma menina do Rio de Janeiro viver na Swinging London dos anos 60? Lizzie Bravo: Aos 1…

"Se os Beatles tivessem voltado poderia ter sido ruim" - Entrevista com Gilvan Moura (The Beatles School)

Recentemente o Beatlelogias bateu um papo com Gilvan Moura, um dos grandes destaques da beatlemania brasileira atualmente. Com o "The Beatles School", seu canal no YouTube, Gilvan já ultrapassou os 25 mil inscritos e conquistou em pouco tempo um público cativo que, assim como nós do Beatlelogias, tá sempre ligado nos temas divertidos, intrigantes e incomuns que o também professor de inglês apresenta em seu canal dedicado 100% aos Fab4.

Bom, chega de enrolação e  usando uma expressão oriunda da terrinha do nosso conterrâneo mineiro, vamos ao "nosso dedinho de prosa"....
Gilvan, apesar de ser extremamente didático, a pegada de bom humor nos seus vídeos faz com que o seu canal seja diferente de tantos outros sobre os Beatles. Na sua opinião, esse é o caminho para 'vender' os Fab Four para essa molecada de hoje? Gilvan Moura (The Beatles School): Eu creio que não, porque eu acho que isso é uma coisa mais minha, esse bom humor. Se eu for fazer uma coisa muito séria…

Os Beatles muito além de "Let it Be" (Entrevista com Ricardo Pugialli)

Biólogo por formação, beatlemaníaco por convicção. Podemos creditar a Ricardo Pugialli o título de maior escritor brasileiro sobre a trajetória dos FabFour antes, durante e a partir de agora, também após os "The Beatles". Pesquisador desde 1980 da obra dos 4 garotos de Liverpool, Pugialli lançou em 1992 "Os Anos da Beatlemania". Em 2008 alcançou reconhecido sucesso com o lançamento do livro "Beatlemania" e agora, 11 anos depois, volta para contar em "The Beatles 1970-80" o que o próprio considera como uma continuação natural do primeiro livro. O Beatlelogias teve o prazer de conversar com Ricardo sobre a influência dos "Beatles" nas gerações atuais, a carreira dos quatro além da banda e muito mais.  Com a palavra, o próprio!
por Alysson Almeida e Leko Soares
Beatlelogias - O seu livro 'Beatlemania' de 2008, teve prefácio de Sir George Martin. Como foi que se deu o contato entre vocês? Teve alguma coisa a ver com a sua participaçã…